PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

GAVIÕES IMPERIAIS

GAVIÕES IMPERIAIS

PRESIDENTE Leonardo Moreira
VICE-PRESIDENTE Matheus Araújo
CARNAVALESCOS Lucas Siqueira e Leonardo Moreira
INTÉRPRETE  Leandro Thomaz
CORES  Vermelho e Branco
FUNDAÇÃO 25/10/2006
SÍMBOLO Gavião
CIDADE-SEDE Rio de Janeiro-RJ

O G. R. E. S. V. Gaviões Imperiais foi criado no dia 25/10/2006 pelo presidente da agremiação, Leonardo Moreira, e por Fabrício Sousa. Apostando em jovens revelações, a escola surpreendeu o público do Grupo de Avaliação de 2007 ao apresentar o enredo "Gaviões Imperiais no Embalo da Revolução Industrial".

Com samba composto e interpretado pelo veterano Imperial, a escola foi uma das preferidas do público e abocanhou o vice-campeonato da CAESV, conquistando o direito de desfilar entre as grandes da LIESV.

Preparando-se para o desafio, a escola contratou, para 2008, o carnavalesco campeão do Grupo Especial de 2006, Raphael Soares. Contou também com o ex-presidente da LIESV, Arthur Macedo, em sua diretoria. 

Ano

Enredo

Colocação

2019 A Epopeia da Aridez -º (A)
2018 Tupã Tenondé  não desfilou
2017 Tapete: Da magia a riqueza, vou tecendo em fios a história 11º (Especial)
2016 Do Semba ao Samba, Raiz dessa Gente Bamba 7º (Especial)
2015 Por Mares Nunca Antes Navegados... O Sonho de Fernão de Magalhães (reedição de 2009) 7º (Especial)
2014 Pra Tudo se Esquecer na Quarta-Feira  11º (Especial)
2013 O Pirata da Barbária 4º (Acesso)
2012 Candeal: Reafricando a Nação Gueto Square  14º (Único)
2011 Deixe passar na avenida os versos de um caboclo sonhador 5º (Acesso)
2010 Contos da Carochinha 4º (Acesso)
2009 Por Mares Nunca Antes Navegados... O Sonho de Fernão de Magalhães

8º (Especial)

2008 Amazônia, nosso Eldorado... Parintins, nossa pátria cultural. É caprichando que garanto meu carnaval

6º (Acesso)

2007 A Gaviões Imperiais - No embalo da Revolução Industrial

2º (CAESV)


SINOPSE ENREDO 2019

A Epopeia da Aridez


SINOPSE DE ENREDO

No solo pouco profundo do sertão, a vida torna-se rasa. No cenário pedregoso, água é fruto raro, valioso. Em meio às plantas que armazenam o pouco refresco que cai dos céus, Chico Bento e Cordulina tentam manter irrigada a esperança de futuro para seus três filhos nos espinhos do sertão. Entre rios que correm tímidos bailando entre as pedras, é a luta pela sobrevivência que dita o ritmo da existência. É preciso evocar aos Santos piedade e acreditar nas bênçãos que fecharão as chagas.

Impiedosa! Cerra o flúmen que restavaem seu tímido filete. Definha o gado, moribundo, sob oque sobra do juazeiro que resiste em mais um lote do chão rachado de Quixadá.Dos céus, nenhum sinal de clemência. Mas é preciso força, e fé, para chegar do lado de lá, além dos monólitos que preenchem a paisagem e separam o sofrimento do sertão da esperança dos jardins da capital. Sonhos tecidos por tapetes verdes e pontos coloridas, onde nada falta e tudo lhe é suficiente.

Chico, tu que és Bento, tire a poeira dos olhos secos que tanto te maltrata e siga com os segredos da escuridão com Cordulina e sua linhagem. O chão parecerá sem fim e o horizonte se prolongará ainda mais a cada passo, mas ajuntemos trapos, velhos, e partam com fé em busca de refresco.

O sol desce no horizonte. É hora de partir!

Cavalos pedreses agora são apenas cor da noite. Lamparinas viram grão de areia na vastidão do horizonte e pela estrada, carcaças e dor. Dor que saciará a fome e será seu acalanto.

A escuridão será implacável e toda precaução ainda não será suficiente. Na tortuosidade do caminho de terra, os galhos retorcidos da caatinga alertam sobre os perigos: transpor os paredões de pedra, defender-se de animais peçonhentos e, mais que isso, lidar com a fome. Sob a luz da lua, nada é o que parece. Nesta viagem, dividas o pouco que tem e comas tu a carcaça antes que a terra o faça. Tire do gotejo do jamacaru o que te brindaráos lábios. Como num tropeço, Chico, perderás seu primeiro braço: o ronco do estômago ecoará pela caatinga e a dor cegará os olhos de um dos teus.

A cada açude seco, uma reza, e a cada reza, a renovação da fé. De súplica em súplica, a condução ao encontro da esperança.

E quando a noite parecer não ter mais fim e os ricos te recusarem migalhas, encontrarás no monte a força para fechar as chagas dessaguerra que parece perdida. Ao avistares o moinho, a revoada de guacamaios guiará ao meu encontro. Eu, São Francisco das Chagas, com uma das mãos os abençoo e com a outra te indico a direção: “siga em frente até encontrar o campo”.

A viagem perdura e quando o dia começa a dar sinais, brilha o descampado de beleza, harmonia e sossego. Oásis do sertão!Embrenham-se nos ramos e desfrutam da maciez das pétalas coloridas do santuário. É tempo de descanso! Recolhem as cabeças e vêem, no vai-e-vem dos retirantes, a serenidade dos que encontraram a graça. Ali, brota do chão o alimento farto que satisfaz e não mata. Jorra das flores a seiva que sacia a sede e não há disputa. Brilham os olhos de quem havia perdido as esperanças pois, enfim, é tempo de degustar as delícias do sertão e da terra que não queria ser deixada para trás. Um campo repleto de amor!

Neste grande quintal florido, de onde cada um tira seu sustento, sobra compaixão enquanto a colheita é preparada para ser repartida. Todos plantam, todos colhem. Todos vivem! A água não jorra ao leo, mas há o líquido para todos. Importante para não ser desperdiçado. Ali, realizados, Bento e Cordulinaveem mais um dos seus partir. Com o básico para uma vida digna garantido, aqueles que deslumbram uma vida diferente pela frente saem em paz em busca de seus sonhos mais amplos. Resta apenas o caçula e, por ele, a luta.

Ali, em meio à ordem e à paz, tudo seria perfeito se não fosse a saudade do sertão. Aperta o peito. Dói! Plantar e colher. Dar de comer aos animais. Servir o que saiu de suas mãos e alimentar o teu abrigo. Só resta rezar. Com a barriga satisfeita, no tempo pediam que a benção caísse para remir o povo sem identidade. Esperar com fé que São Francisco lave as chagas deixadas pelo destino. E ele não falha! O ciclo vai recomeçar e está na hora de voltar para casa…

                                                                                                                      FIM

Carnavalesco: André Rodrigues

Texto e Pesquisa: Flávio Magalhães