PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

Grandes Sambas de outras escolas

Letras de sambas de outras escolas

 

Ir para a página seguinte

 

PRAZER DA SERRINHA - 1946

Enredo: Conferência de São Francisco
Autor(es): Mano Décio da Viola e Silas de Oliveira

Restabeleceu a paz universal
Depois da guerra mundial
A união entre as Américas do Sul, Norte e Central
Nunca existiu outra igual
Na vida internacional
Nosso Brasil sempre teve interferência
Nas grandes conferências
Da paz universal
Sendo o gigante da América Latina
Uruguai, Paraguai, Bolívia, Chile e Argentina

APRENDIZES DA BOCA DO MATO - 1959

 

Enredo: Machado de Assis 

Autor(es): Martinho da Vila

 

Um grande escritor do meu país

Está sendo homenageado

Joaquim Maria Machado de Assis

Romancista consagrado

Nascido em 1839

Lá no morro do Livramento

A sua lembrança nos comove

Seu nome jamais cairá no esquecimento

Lará lará lará...

 

Já faz tantos anos faleceu

O filho de uma humilde lavadeira (bis)

Que no cenário das letras escreveu

O nome da literatura brasileira

 

De Dom Casmurro foi autor

Da Academia de Letras

Foi sócio fundador

Depois ocupou a presidência

Tendo demonstrado

Grande competência

Ele foi o literato-mor

Suas obras lhe deram

Reputação

Quincas Borba, Esaú e Jacó

A Mão e a Luva

A Ressurreição

Ele tinha

Inspiração absoluta

Escrevia com singeleza e graça

 

Foi sempre uma figura impoluta (bis)

De caráter sem jaça

CARTOLINHAS DE CAXIAS - 1953

Enredo: Benfeitores do Universo
Autor: Hélio Cabral

Acordem
Benfeitores do universo
Que vou render tributo aos meus heróis
E nesta apoteose à grandeza
Eu peço a presença de todos vós
De todos vós
Antônio Francisco Lisboa
O maior vulto da arte colonial
Pedro Américo, emérito pintor
João Caetano, o nosso maior ator
Salve José do Patrocínio
O denodado baluarte nacional
Exaltemos Carlos Gomes
Orgulho de nossa terra
No cenário musical
Rui Barbosa, símbolo da inteligência
Oswaldo Cruz, mártir da ciência
Santos Dumont, o pai da aviação
E Castro Alves, poeta da abolição
Acordem heróis

INDEPENDENTE DE LEBLON - 1968

Enredo: Aspectos do Rio e da Vida Carioca no Século XVIII
Autores: Lúcio Alves e Pereira

Revivemos a história tão febril
Um passado deslumbrante
Cheio de encantos mil
Foi no século dezoito que o Rio de Janeiro
Deu um grandioso passo
Em sua propagação
Com a edificação
Do sublime relicário
Do mais alto gabarito
Capela do Rosário e São Benedito

E daí a cidade cresceu
Para se tornar tradicional (bis)
Na era colonial

Rio das Congadas
Esse belo ritual
Dava um colorido fascinante
Nessa terra colossal
Vindo das Barrocas
As elegantes e mais ricas cariocas
E de um povo alegre e hospitaleiro
Das mucamas e dos velhos aguardeiros
Rio dos vice-reis
As mais altas personalidades
E que mundo trabalhava
Em prol do desenvolvimento da cidade
Construindo lindas obras imortais
Do Rio antigo que não volta nunca mais

A verdade é que o núcleo originário
Desta crescente evolução
Foi o ouro e o diamante (bis)
Que os bandeirantes
Descobriram no sertão 

CAPRICHO DO CENTENÁRIO - 1970

 

Enredo: Marquesa de Santos 
Autor(es): ????

 

Apresentamos neste carnaval
Uma história tão brilhante
De uma dama fascinante
Dos tempos do Brasil Imperial
No dia 13 de janeiro de 1813
A jovem Domitila casou-se
Com o tenente Fenício
Anos depois separou-se
Cheia de amor
Conheceu o nobre Imperador
E no teatro à ópera
Continuou o romance
Que Domitila pretendia
Depois D. Pedro como recompensa
Fez dela dama do paço
Em seguida fez condessa

E o povo com a sua grande fé
Acusava Domitila (bis)
A recorrer ao feitiço candomblé

Com seus encantos
Conseguiu mais um título
Marquesa de Santos

Na celebração
Dançou a valsa com D. Pedro (bis)
No nobre salão

Lalálálálálá...

 

UNIÃO DO CENTENÁRIO - 1970

 

Enredo: Brasil, Berço de Riquezas 
Autor(es): ????

 

Tu és país de solo tão fertilizante
Brasil, a natureza te fez um gigante
Do Rio Grande do Sul
Ao estado do Amazonas
Suas riquezas, grandezas nos traz e mais
São minerais, são vegetais
Seja na terra ou no mar
Oh, sublime natureza

Fizeste do nosso Brasil um país (bis)
Verdadeiro berço de riqueza

De Minas Gerais, o ouro
Um do seus grandes tesouros
Em São Paulo o café, o algodão no Paraná
Patrimônio singular
Dia a dia, o petróleo jorra na Bahia
Cuja beleza é o manancial
E também dá o fabuloso cacau
Como é maravilhoso ver
No Rio Grande do Sul
O gado a correr
E o garimpo no Amazonas
No longínquo rincão

Muito enriquece e enobrece (bis)
Nossa nação

 

CARTOLINHAS DE CAXIAS - 1971

 

Enredo: Viagem Pitoresca 
Autor(es): ????

 

Apresentamos nesse carnaval
Com euforia e fantasia
Um cenário triunfal
Em uma viagem pitoresca
Através do nosso Nordeste
Do nosso país
Vejam as obras da natureza
Com seus encantos e belezas
Matas e montes colossais
Riquezas vegetais e minerais
Vamos ver religiões e feitiçarias
Serestas com poetas e cantorias

Sanfoneiros e violeiros (bis)
Exemplos do folclore brasileiro

Continuamos, nesta viagem vamos encontrar
Homens que trabalham
Para o progresso da nossa nação
Jangadeiros, seringueiros, garimpeiros
Lavradores, catadores de algodão
Frevo e xaxado, um vigário e capoeira
Eis as nossas costureiras
Desta imensa região

Bahia, oh Bahia
Vatapá e acarajé (bis)
A magia do famoso candomblé

 

UNIDOS DE MANGUINHOS - 1971

 

Enredo: Ouro Verde Café 
Autor(es): ????

 

Laiá laiá

Brasil, oh meu Brasil altaneiro
És o primeiro da produção do café
Neste enredo mostramos ao mundo inteiro
O que foi no passado
E o que no presente ele é
O ouro verde, valioso vegetal
Símbolo das armas
Rei da economia nacional
Vindo da Guiana Francesa
Neste solo encontrou
Terra roxa ecoa
E em pouco tempo prosperou
Com isso o Brasil cresceu ainda mais
Desse modo surgiam extensos cafezais
Vieram então as imigrações
Aumentando as plantações

E assim conquistamos (bis)
O mercado de várias nações

 

UNIDOS DE MANGUINHOS - 1972

 

Enredo: Rei Zumbi

Autor(es): ????

 

Liberdade, liberdade
Oyá Zumbi, oyá Zumbi
E nas senzalas
Os negros cantavam cheios de emoção

Oyá Zumbi oyá Zumbi (bis)
Como se fosse uma eterna oração

Este é o tema colossal
Que Manguinhos escolheu
Para este carnaval
Na passarela da avenida
Revivemos o líder de grande valor
Rei Zumbi
Que nas terras de Palmares
Lutou com soberania
Dedicando a sua vida
Em defesa dos escravos
Para ver se conseguia

A libertação dos negros
Que viviam torturados (bis)
Sob imensa tirania

 

INDEPENDENTES DE ZUMBI - 1976

 

Enredo: Símbolos e Cenários do Carnaval Carioca

Autor(es): Jorge Candeco

 

Vou falar de carnavais deslumbrantes
Recordando serpentinas e pierrôs
Lança-perfume e colombina
O mascarado e o arlequim que chorou
Lembrando a ter perdido a sua dama
No carnaval que passou
Tia Ciata
Rainha dos batuqueiros
Que disputavam na balança
Pra ver quem caía primeiro

Abre a roda minha gente
Que o samba é pra valer (bis)
Batuqueiro é batuqueiro
Quero ver quem vai perder

Era carnaval (era carnaval)
Relembro os bailes do Muncipal
Os cordões que alegria
Com amor e fantasia
O frevo, fantasia e evolução
E hoje temos samba-exportação
(vou falar)

 

UNIDOS DE NILÓPOLIS - 1976

 

Enredo: Maranhão em Tempo de Bumba-meu-Boi

Autor(es): Dicró e Timbó

 

Apresentamos neste carnaval
Trechos que a história imortalizou
Exaltando São Luis do Maranhão
Seus fundadores e as riquezas vegetais

E apesar do seu progresso
Ir crescendo sem parar (bis)
O maranhense encontra tempo pra brincar

Com seu folclore popular
Mãe Catarina queria comer do boi (bis)
Isso quase deu cadeia
Vamos contar como foi

Mateus mulato
Atrevido para ajudar seu amigo
Concordou ô ô ô ô
Ir ao curral do fazendeiro
Roubar o boi mandingueiro
Mas o dono acordou

Chame o delegado, gente
Chame o doutor (bis)
Foi um corre-corre
Quando o boi se levantou

Boiadeiro e ê
Boiadeiro e á (bis)
A cidade está em festa
Pro bumba meu boi passar

 

ACADÊMICOS DA CIDADE DE DEUS - 1977

 

Enredo: Baronesa da Taquara

Autor(es): Zardino e Iran

 

Através dos tempos
Viemos recordar
Esta história marcante
De origem fascinante
Nesta festa popular
Hoje neste show de fantasias
Exaltamos com alegria
E muito amor

Aquela gentil senhora
Que no passado teve suas glórias (bis)
Leopoldina Francisca de Andrade

Nascida nesta cidade
Em Santa Cruz
Casou-se com um rico fazendeiro
Nobre e genial

Um ano após do casamento
Consagrado a barão (bis)
Pela coroa imperial

O Acadêmico apresenta
Neste carnaval
A Baronesa da Taquara
A nobre que se tornou imortal

No dia do casamento
Teve festa houve dança (bis)
Era adeus e a despedida
Dos seus tempos de criança

 

UNIDOS DE MANGUINHOS - 1977

 

Enredo: Tesouro Maldito

Autor(es): Zé Carlos e Gordo

 

Vamos contar para vocês
Como esta história começou
Minas em época passada
Foi marcada de sofrimento e dor
Quando ali chegavam
Malfeitores e garimpeiros
Todos com a mesma primazia
Procurando enriquecer

Aqui tem ouro
Vou procurar (bis)
Noite e dia
Sem parar

Não sabendo aquela gente
Da taxa do quinto reinante
E do alto da Coroa
Criando revoltas constantes
Manoel Henrique
O “Mão-de-Luva” apelidado
Tem em sua mente um plano
Para ser executado

Juntei muito ouro
Vou sonegar (bis)
Quem quiser ver ouro
Vem aqui pegar

Fugindo da opressão
Que movia Dom Luis
Chegou a Conceição de Macabu
Com seus dois comparsas
Mudaram a cidade Bom Jardim
Lutaram com os ferozes goitacazes
Numa caverna
Esconderam seu tesouro
Assassinando os escravos
Seus carregadores
Em Cantagalo
Ele foi prisioneiro
A mando da imperatriz
Deportado no estrangeiro

Aqui tem ouro
Vou procurar (bis)
Noite e dia
Sem parar

 

QUILOMBO - 1978

 

Enredo: Ao Povo em Forma de Arte
Autor(es): Wilson Pereira e Nei Lopes

 

Quilombo

Pesquisou suas raízes

E os momentos mais felizes

De uma raça singular e veio

Pra mostrar essa pesquisa

Na ocasião precisa

Em forma de arte popular

Há mais de quarenta mil anos atrás

A arte negra já resplandecia

Mais tarde a Etiópia milenar

Sua cultura pelo Egito estendia

Daí o legendário mundo grego

A todo negro de etíope chamou

Depois vieram reinos suntuosos

De nível cultural superior

 

Que hoje são lembranças de um passado (bis)

Que a força da ambição exterminou

 

Em toda cultura nacional

Na arte e até mesmo na ciência

O modo africano de viver

Exerceu grande influência

E o negro brasileiro

Apesar de tempos infelizes

Lutou, viveu, morreu e se integrou

Sem abandonar suas raízes

Por isso o Quilombo desfila

Devolvendo em seu Estandarte

As histórias de suas origens

Ao povo em forma de arte

 

UNIDOS DO URAITI - 1979

 

Enredo: Força da Vida

Autor(es): ????

 

Da memória do artista
Surgiu essa idéia genial
Ih, mas que legal (bis)
Força da vida
Apresentamos neste carnaval

O sol com os seus raios ilumina essa terra
Dando mais vida e amor
Aos frutos da natureza
Quando amanhece, pássaros cantam com fervor
Nos campos e florestas
E nos jardins em flor

Revoam as borboletas colorindo (bis)
A natureza-esplendor

E contos me recordam os tempos de menino
De historiadores geniais
E a inteligência evoluiu e descobriu
Os astros zodiacais

Gira roleta, quero ver girar
Quero ver se vou perder (bis)
Quero ver se vou ganhar

E na bola de cristal
E nossa escola dando show no carnaval

 

UNIDOS DE NILÓPOLIS - 1979

 

Enredo: Debret e os Vendedores Ambulantes

Autor(es): ???

 

Chega senhor
Tem de tudo pra vender (bis)
Era grande o movimento
Antes do dia amanhecer

Debret e os vendedores ambulantes
Trago para este carnaval
Vamos desfilar na passarela
Relembrando este pintor genial
Contratado pelo Conde da Barca
Para criar uma escola real
De arte, ciência e ofícios
Enriquecendo a cultura nacional

Debret, Debret, Debret
Hoje é o povo que canta (bis)
Em homenagem a você

Mestre do pincel
Retratou cenas pitorescas
Com suntuosidade e esplendor
Imortalizou-se no Brasil e no exterior
Ainda existem nos salões de belas artes
Em aquarela
Imagens do Rio Antigo
Vejam que coisa mais bela
No largo do Palácio e na Glória
Tinha grandes feiras
Damas da corte e crianças
Carregadores de liteiras
Sombrinhas multicores
Sinhazinhas a passear
O vendedor com lindas flores
Perfumando o ar
Os negros apregoavam
Alegremente este refrão

 

UNIDOS DE MANGUINHOS - 1981

 

Enredo: O Rouxinol da Serra da Boa Esperança

Autor(es): ???

 

Hoje a mulata faceira
Com seu jeito sensual
Vem mostrar na avenida
A história do gênio musical
O bom Lalá era carioca
Da gema o teatro sempre
Foi sua paixão
Para os ranchos carnavalescos
Ele compôs várias canções

O rouxinol, foi você (bis)
O povo canta e não pode esquecer

O Café Nice, que o lalá
Freqüentava não faltava
Pixinguinha, Noel Rosa,
Sílvio Caldas, Ary Barroso
E Sinhô, bons amigos
Do compositor
Chegou o rádio
Olha o trem da alegria
Fazer sorrir
O lalá também sabia

Para o América vencer (bis)
Hei de torcer, torcer, torcer

O bom humor era constante
Do nosso bom Lalá
Falava de sua magreza
A ponto do trio de osso
Formar mas a deusa
Da arte lhe chamou
Para o país das maravilhas
E lá no céu
Mais uma estrela brilha

O teu cabelo não nega, você é mulata
É mulata na cor e vem mostrar na avenida (bis)
Seu corpo dourado, sorriso de amor

 

ACADÊMICOS DA CIDADE DE DEUS - 1981

 

Enredo: Os Homens Luminosos

Autor(es): ???

Vindos de um mundo
Bem distante
Eram seres fascinantes
Que vieram explorar
(explorar) a terra e a paz
Veio implantar
Na cidade de Orfim
Terra de grande riqueza
Que beleza ensinavam
A cultura, e os seres
A amar a natureza
Conta a lenda
Que os índios assustados
Se curvaram, ao verem
Os seres astronautas
Que dos astros aqui chegaram

Tremeu a terra, ao roncar da trovoada (bis)
Reluziu no céu escuro, as cidades iluminadas

Amazonas, nos deu
Esse enredo cultural
Este ano apresentamos
“Os homens luminosos”
Neste carnaval

Brilhava ouro, brilha prata
Clareando as planícies (bis)
Colorindo nossas matas

 

UNIDOS DE COSMOS - 1981

 

Enredo: Enfim a Felicidade

Autor(es): Moisés Silva, Oliveira e Quinca

Relembrando
Séculos passados
Vamos fazer desfilar
Na passarela
O fantástico
Paraíso dos deuses
Que a Unidos de Cosmos
Traz nesta noite tão bela

Anaantanha, deus do mal
Senhor dos sofrimentos
Da guerra infernal
Mas com grande fé (bis)
E peregrinação
Todo bravo guerreiro
Acreditava em sua salvação

A cachoeira da purificação
Coisa linda deste paraíso
Velando
O guerreiro moribundo
Com seus infantis sorrisos
Estão os curumins
Que ao transporta-lo
Cantavam assim
(desejando) Desejamos
Que tu chegues
A Tupã lá serás
Um grande deus
Reinando com deus nuvem
“Camatâ”, camaiti adoã”
“Nocamil” e outros deuses
Galgando a escada encantada
Adornada por nuvens
De estrelas e brilhantes

Pra quem vai viver na eternidade (bis)
Gozando paz e amor, enfim a felicidade

 

ACADÊMICOS DE CACHAMBI - 1981

 

Enredo: Vinícius de Moraes, o Poeta do Povo

Autor(es): Nonô

Poeta do povo
Vamos exaltar
A Vinícius de Moraes
Talento da música popular
Com amor ele fez musa
Pra rosa mulher
Muitos poemas

Hoje, em nossa escola (bis)
O grande literato é o tema

Oh minha amada me perdoa
Eu sem você não vivo afinal
Olha que coisa mais linda
O orfeu do carnaval
Tristeza não tem fim
Felicidade sim
Na tonga da mironga do cabuletê
O canto de ossanha omokochê

Ôôôôô (bis)
Relembramos o poeta com amor

 

UNIÃO DE VAZ LOBO - 1981

 

Enredo: Renascendo das Cinzas

Autor(es): Doca, Paulão e Jary J. Santos

Visual, muita beleza colorida
Venho mostrar nesta avenida
Neste carnaval, nasci, do rosa
Tão rosa das rosas
Do azul, tão azul
Quanto o azul do céu do mar
Da terra vista do infinito
Com esta união de cores
Tudo ficou mais bonito
Recordamos em minha história
Alguns momentos de glórias
Do meu sonhos e fantasias

Hoje renascendo das cinzas
Querendo fazer jus ao direito
De ser um berço perfeito
De estrelas que brilham multicor (bis)
Vilma da Portela, Zé Kéti
Fez a “voz do morro”
E Juju Maravilha na Beija-Flor

(minha gente) Minha gente
Por que devo morrer?
Se a brisa soprou as cinzas
E a brasa ficou
Gerando fumaça
E o fogo alastrou
Volto a colorir a passarela
Com o meu azul e rosa eficaz
E o branco
Trazendo para o povo
Uma linda mensagem de paz
Porque faço parte deste globo
Com muito orgulho
Sou a União de Vaz Lobo

UNIDOS DA ZONA SUL - 1981

 

Enredo: Vamos Brincar de Criança

Autor(es): Formiga

Vou ser criança
Mais uma vez
A velhice está chegando
Dela estou
Me acostumando
O que será?
O que vai acontecer?
Estou cheio de esperança
Nada me sai da lembrança
Vou novamente festejar
Vovó dizia
Que eu era brincalhão
Que todo dia
Eu fazia uma “armação”
Mas na verdade
Tudo era estorinha
Eu me amarrava
No conto
Da carochinha
Branca de Neve
Era muito engraçada
No grande circo
O bom era a palhaçada
Com tudo isso
Inda me lembro da escola
E no recreio
Meu hobby era bola

Olha o gol, gol, gol, gol,
Hoje estou fazendo um gol
Tudo é festa, é alegria
Pois o carnaval chegou (bis)
Bicho papão
Vou fazer “remandiola”
E na escola, que a gente cola

 

UNIÃO DE ROCHA MIRANDA - 1981

 

Enredo: Papai, Mamãe e Vovó

Autor(es): ???

Nos tempos da vovó
Papai e mamãe
Brincavam assim, assim
No bonde da alegria
Que passava (que passava)
Isso hoje nada mais se vê
Porquê o carnaval
Está perdendo a tradição
(está perdendo a tradição)
Olê, olá
O Zé Pereira está presente
Com seu bumbo
Sempre tradicional
Olê, olá
Vamos todos minha gente
Eu tenho entrudo
Neste carnaval
Na alegria do palhaço
Esconde-se a tristeza
No seu interior
Como é bom lembrar
As virtudes
Da alegre colombina
Do apaixonado pierrô
Lembrar a época
Que não devemos esquecer
Viva o bloco de sujo
Viva as crianças
Eu e você, (eu e você)
Vamos cair na folia
Brincar os três dias
Pra valer

Vem meu povo, cair na folia
Vem, vem, vem, alegria é geral (bis)
Que bom seria que vovó pudesse
Brincar comigo neste carnaval

 

IMPÉRIO DE CAMPO GRANDE - 1981

 

Enredo: O Maravilhoso Mundo de Mestre Vitalino

Autor(es): ???

É tempo de recordar
Esse grande vulto imortal
Passamos a ilustrar
Mestre Vitalino
Neste carnaval
Suas obras primas
Ornadas de encanto
E esplendor (esplendor)
Tudo em minhas rimas
Rimas de um compositor

Tem sapo de zabumba, casa de farinha (bis)
Brinquedos de roda, vaquejada e argolinha

Na feira de Caruaru
Onde o Nordeste
Se encantou
Com as belas artes
Deste famoso escultor
Lembramos
A mãe natureza
As magias exuberantes
Cobrir todo
Este solo de nobreza

Glória a este mestre divinal
Conseguiu sucesso altaneiro (bis)
No mercado internacional

 

UNIDOS DE NILÓPOLIS - 1981

 

Enredo: Devaneio de um Pierrot

Autor(es): ???

Em palcos iluminados
O pierrot com seu bandolim
Cantava ao entardecer
Pra colombina feliz
Quando surgiu o arlequim
Roubando seu grande amor

Vamos descrever nesta história (bis)
O devaneio de um pierrot

E no auge do seu sonho
Imaginou
Que a colombina
Escolheria seu amor
O arlequim
Com suas poesias
A todos os presentes
Encantou pierrot
Com seu bandolim
Entoando
Lindos versos de amor
Sinceros e verdadeiros
A todos entusiasmou
E a colombina
Tomou sua decisão
Atirando-se em seus braços
Entregou seu coração

Mas que beleza, é divinal
Esta história fascinante (bis)
De personagens marcantes
Do nosso carnaval

UNIDOS DO URAITI - 1981

 

Enredo: O Show de uma Vida Fascinante

Autor(es): Gilberto Cigano e Genésio Costa

Desfolhando
Esta linda página do passado
Neste palco iluminado
Vamos recordar
A vida de Carlos Machado
Internacionalmente popular
Foi no Cassino da Urca
Quando tudo começou

Transformando em show
A sua vida, abrindo as cortinas (bis)
Para as noites de esplendor

Rio de Janeiro a janeiro
Esta vida é um carnaval
O teu cabelo não nega
De Lamartine Babo
O imortal
Fez um “feitiço da Vila”
Obra prima de Noel

Criando um cenário de estrelas
No palco da beleza (bis)
A mulher tem o seu papel

Com uma vida fascinante
O rei da noite deslumbrou
Com as suas peças emocionantes
Muitos aplausos ele arrancou
Minha escola se apresenta
Com o show de uma vida fascinante

No palco iluminado da avenida
Carlos Machado (bis)
É um cenário deslumbrante

UNIDOS DE MANGUINHOS - 1982


Enredo: A Criança no Alegre Mundo das Reinações
Autor(es): ???

 

Cavalguei nas trilhas da esperança
Através do sonho infantil
Eu cheguei no reino da criança
E fui recebido com belezas mil
O céu estava todo iluminado
A lua com seu prateado
Dava um brilhante luar
Em redor da Bela Adormecida
A criançada se encantava noite e dia

Cantei, brinquei
Atirei o pau no gato (bis)
Oh, que noite tão bonita
Oh, que céu tão estrelado

Três raças da miscigenação
Hoje o Brasil se orgulha
Da sua população
E a Unidos de Manguinhos se apresenta
Trazendo a criança índia, branca e negra
Garrafão, rodar pião, pique-bandeira
Pular carniça, tudo isso é brincadeira
E quando essa escola desfilar
Pela avenida, muita gente vai lembrar
Que foi criança que fez arte pra danar
E à noitinha já com fome se chegava
Dá genipapo, com braço pesado, mãe-preta dava

Cantei, brinquei
Atirei o pau no gato (bis)
Oh, que noite tão bonita
Oh, que céu tão estrelado

 

UNIDOS DO URAITI - 1982


Enredo: Morada do Amor da Rainha do Mar
Autor(es): ???

 

Vejo o Uraiti cheio de rosas
Para Iemanjá
Bailar com alegria sem fim
Sobre as ondas do mar
Iiê mãe Izakechê

Odoya, minha mãe Iemanjá (bis)

Maré alta, lua cheia

O mar como balanceia (bis)

Em romaria viemos
Louvar a Iemanjá
Na sua morada de amor
Presentes lhe ofertar
Minha mãe d'água, vem com as sereias

No mar fica sua aldeia (bis)

Em noite de esplendor
Surge Iemanjá
Trazendo Catalunga Molekê
Kotolá Inaê
Oloxum e Sobá
Janaína marabô
Raiava no fundo do mar

 

UNIDOS DE NILÓPOLIS - 1982


Enredo: Calanga, o Chico Rei
Autor(es): ???

 

Foi no Congo
Na África que tudo começou
Na tribo de Quibango
Calanga como rei se consagrou
Um ataque traiçoeiro
Foram dos mercadores prisioneiros
Levados para a praia
A ordem foi pra todos serem batizados
E no veleiro Madalena
Cruelmente foram transportados

Os negros levados ao porão
A viagem era dor (bis)
Suportando a maldade do feitor

Chegando ao Rio de Janeiro
O leilão iniciou
Dom Augusto de Andrade
Muitos negros arrematou
Em Vila Rica, o escravo Chico
Trabalhava noite e dia
Mas o padre Figueiredo
Simpatizou com o negro
Comprou sua alforria

A mina encardideira
O grande Chico contou (bis)
Muito ouro fascinante
Seu destino mudou

E o seu povo ele libertou
Chico Rei foi coroado
Seu casamento, que esplendor
E com a rainha mulata
Numa linda carruagem desfilou

 

ACADÊMICOS DA CIDADE DE DEUS - 1982


Enredo: A Voz do Povo
Autor(es): ???


Nesta avenida colorida
O Acadêmicos vem apresentar
A voz do povo
Nesta festa popular
Imprensa falada, escrita e televisada
Grandes meios de comunicação
Que fizeram do nosso carnaval
Orgulho dessa nação
Vou cair na folia
Contagiante de alegria
Hoje não importa a inflação
Quero de janeiro a janeiro
Ouvir o som da viola
E o ritmo do pandeiro

Que faz grande, bailam pelo ar
Vou ao Maracanã (bis)
Meu time vai jogar

Dança de quadrilha, vou soltar balão
É noite de festa, é São João
Baianas dando aquele visual
Enriquecendo nosso carnaval
Negros jogam capoeira
Ao som do berimbau
A Inconfidência Mineira
Se faz presente nessa festa brasileira

Na igreja do Bonfim
A seita do candomblé
Os fiéis levam flores (bis)
Pra festa do lava-pé

Ir para a página seguinte