PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

UNIÃO DA ILHA DO GOVERNADOR

UNIÃO DA ILHA DO GOVERNADOR

FUNDAÇÃO  07/03/53
CORES  Vermelho, Azul e Branco
QUADRA  Estrada do Galeão, 332
Cacuia
Ilha do Governador
21931-001
Telefone: 3396-8169
Fax: 3369-4951
BARRACÃO  Cidade do Samba (Barracão nº 07)
Rua Rivadávia Correa, nº 60 - Gamboa
20.220-290
Telefones: 2253-6447 e 2253-8080

RESULTADOS - SAMBAS-ENREDO

HISTÓRICO

O Grêmio Recreativo Escola de Samba União da Ilha do Governador foi fundada em 07 de março de 1953. Seus fundadores foram Maurício Gazelle, Joaquim Lara de Oliveira (o Quincas), Orphylo Bastos e mais 59 sócios. A idéia de criar uma escola de samba, na Ilha do Governador, mais especificamente no bairro do Cacuia, nasceu numa terça-feira de carnaval, dia 5 de março de 1953.

Os amigos Maurício Gazelle, Quincas e Orphylo estavam na Estrada do Cacuia, principal local de desfile do carnaval da Ilha do Governador, assistindo a apresentação de pequenas escolas de samba e blocos de vários bairros da Ilha, quando decidiram que o bairro do Cacuia deveria ter uma escola de samba que o representasse.

Ao terminar o desfile o grupo se juntou a outros amigos do time de futebol União Futebol Clube, levando-lhes a idéia. Dois dias depois, (7 de março de 1953), no armazém de Maurício Gazelle, eles fundaram a escola de samba União, hoje União da Ilha do Governador. Suas cores são azul, vermelho e branco.

A madrinha da União da Ilha é a escola de samba Portela, daí a Ilha ter em seu brasão o desenho da Águia, símbolo da Portela. A colocação da Águia no brasão da União da Ilha foi idéia sugerida por Natal, um dos mais tradicionais presidentes portelenses. O autor do desenho do brasão da bandeira foi Edson Machado.

A União da Ilha tem uma das mais tradicionais ala de compositores. Destaca-se entre os nomes de seus poetas populares o do saudoso Didi (Adolfo de Carvalho Baeta das Neves, procurador da República). Didi foi vencedor de samba-enredo em várias escolas, assinando sempre com pseudônimo ou, em outras ocasiões, dispensando sua assinatura nas composições.

Didi, ganhou 24 sambas-enredos, número superior aos também compositores recordistas Paulão Brasão, Silas de Oliveira e David Correa.

A União da Ilha iniciou suas apresentações no Cacuia. De 1954 a 1959 foi vencedora dos desfiles do lugar. Em 1960 ao ser registrada na Associação das Escolas de Samba do Estado da Guanabara a União da Ilha foi desfilar no 3º grupo das agremiações, na Praça Onze, conquistando o terceiro lugar. Em 1961 foi classificada em segundo lugar indo para o segundo grupo. Passou ao Grupo 1, mais tarde chamado de Grupo Especial, no carnaval de 1974, ganhando o acesso com o enredo "Lendas e Festas das Yabás". Em seu primeiro desfile no ano seguinte, entre as mais tradicionais escolas de samba da cidade, foi a nona colocada, apresentando "Nos Confins de Vila Monte".

No fim da década de 70, a Ilha começou a mostrar seu diferencial. Com enredos como "Domingo", "O Amanhã", "O que será?", "Bom, bonito e barato" e "É hoje", a escola levou para a Sapucaí desfiles leves, baratos e animados. Esta seria a marca registrada da União da Ilha, mantida até hoje. Suas fantasias costumam ser leves, sem grandes esplendores, facilitando o desfile para o componente. A escola também consegue estabelecer uma ótima comunicação com o público, sendo consideradas uma das mais simpáticas do carnaval carioca.O último bom resultado da Ilha foi obtido em 94, com Abrakadabra, em que chegou em quarto lugar, sua última participação no Desfile das Campeãs. Desde então, não vem obtendo boas colocações. Em 2000, com "Pra não dizer que não falei das flores", a União da Ilha chegou em 8º lugar, abordando um dos períodos mais nebulosos dos 500 anos do Brasil: a ditadura militar, de 64 a 85. No ano de 2001, a escola obteve o 13º lugar do Grupo Especial, sendo assim rebaixada ao Grupo de Acesso A em 2002. A escola só conseguiria voltar ao Grupo Especial oito anos depois, conquistando o Grupo A em 2009, com a mesma fórmula de sempre: desfiles bons, bonitos e baratos e sem perder a simpatia para com o público. Em 2010, mesmo tendo a ingrata missão de abrir os desfiles do Grupo Especial, a União da Ilha fez bonito com um enredo sobre Dom Quixote de La Mancha e conseguiu permanecer na elite do carnaval, onde está até hoje.

Em fevereiro de 2011, um incêndio na Cidade do Samba destruiu mais de 3 mil fantasias da União da Ilha. A agremiação acabou não sendo julgada pela LIESA no desfile oficial, sendo considerada hors-concours. Entretanto, na Sapucaí, a Ilha realizou um desfile maravilhoso e acabou levando a maioria dos Estandartes de Ouro, incluindo o de melhor escola. Em 2014, voltou a desfilar no sábado das Campeãs depois de 20 anos, ao obter uma maravilhosa quarta colocação com um enredo sobre brinquedos.

A decisão de 'atravessar o mar' e chegar ao Rio se faria presente na maioria dos sambas da escola, que sempre faz referência à marcha dos componentes da Ilha rumo à Sapucaí. Confira alguns sambas que trazem esses versos:

"No faz-de-conta atravesso o mar" (2003)

"Vou me libertar no perfume desse mar" (2000)
"Assim a Ilha vem pra festa atravessando o mar azul" (1999)

"E com a Ilha atravessa o mar" (1998)

"Lendas que cruzaram além-mar" (1996)
"Eu vou nas ondas desse mar" (1995)
"Minha alegria vem nas ondas desse mar" (1994)
"Sob o clarão da poesia, cruzo o mar da alegria" (1993)
"Sonhando o mar atravessei" (1990)
"O menino iluminado hoje atravessa o mar" (1988)
"Novamente cruza o mar a alegria" (1987)
"A minha alegria atravessou o mar" (1982)

RESULTADOS DA ESCOLA

1954 - no Grupo 
Força Aérea Brasileira 
Porcino Soares 

1955 - no Grupo 
Fundação da Cidade do Rio de Janeiro 
Djalma

1956 - no Grupo 
Epopéia do Petróleo 
Djalma

1957 - no Grupo 
O Suplício de Frei Caneca 
Djalma

1958 - no Grupo 
Jardim Imperial 
Djalma

1959 - no Grupo 
Paisagens da Ilha 
Djalma


1960 - 3ª no Grupo 3 
Homenagem às Forças Armadas 
Djalma

1961 - 2ª no Grupo 3 
Rio Sempre Rio 
Djalma


1962 - 14ª no Grupo 2 
Homenagem a Catulo da Paixão Cearense 
Djalma

1963 - 10ª no Grupo 3 
Garimpeiros do Araguaia 
Nelson

1964 - 10ª no Grupo 3 
Riquezas do Brasil 
Nelson

1965 - 5ª no Grupo 3 
De Estácio a Lacerda 
Nelson


1966 - 4ª no Grupo 3 
A Queda da Monarquia ou Imagens do Brasil 
Djalma

1967 - 3ª no Grupo 3 
Princesa Isabel e Marechal Hermes 
D. Lopes

1968 - 11ª no Grupo 3 
A Revolução dos Alfaiates 
Nelson

1969 - 5ª no Grupo 3 
Cenários de Nossa Terra 
Moleque


1970 - 2ª no Grupo 3 
Sonho de um Sambista 
E. Machado

1971 - 14ª no Grupo 2 
Ritual Afro-Brasileiro 
E. Machado

1972 - 8ª no Grupo 2 
A Festa da Cavalhada 
Maria Augusta

1973 - 9ª no Grupo 2 
Y-Juca Pirama 
Maria Augusta


1974 - 1ª no Grupo 2 
Lendas e Festas das Yabás 
Mário Barcellos

1975 - 9ª no Grupo 1 
Nos Confins de Vila Monte 
Mário Barcellos


1976 - 9ª no Grupo 1 
Poemas de Máscaras e Sonhos 
Maria Augusta

1977 - 3ª no Grupo 1 
Domingo 
Maria Augusta


1978 - 4ª no Grupo 1 
O Amanhã 
Maria Augusta

1979 - 5ª no Grupo 1A 
O Que Será ? 
Adalberto Sampaio


1980 - 2ª no Grupo 1A 
Bom, Bonito e Barato 
Adalberto Sampaio

1981 - 7ª no Grupo 1A 
1910, Burro na Cabeça 
Adalberto Sampaio


1982 - 5ª no Grupo 1A 
É Hoje 
Max Lopes

1983 - 7ª no Grupo 1A 
Toma Lá, Dá Cá 
Wani Araújo

1984 - 5ª no Grupo 1A 
Quem Pode, Pode, quem não Pode ... 
Geraldo Cavalcante

1985 - 12ª no Grupo 1A 
Um Herói, uma Canção, um Enredo 
Luiz Orlando


1986 - 5ª no Grupo 1A 
Assombrações 
Arlindo Rodrigues

1987 - 9ª no Grupo 1 
Extra, Extra 
Alexandre Louzada


1988 - 6ª no Grupo 1 
Aquarilha do Brasil 
Max Lopes

1989 - 3ª no Grupo 1 
Festa Profana 
Ney Ayan

1990 - 7ª no Grupo Especial 
Sonhar com Rei dá João 
Ney Ayan

1991 - 9ª no Grupo Especial 
De Bar em Bar, Didi, um Poeta 
Ely Peron e Rogério Figueredo


1992 - 10ª no Grupo Especial 
Sou mais Minha Ilha 
Luiz Fernando Reis e José Felix

1993 - 11ª no Grupo Especial 
Os Maiores Espetáculos da Terra 
Sílvio Cunha


1994 - 4ª no Grupo Especial 
Abrakadabra, o Despertar dos Mágicos 
Chiquinho Spinoza

1995 - 9ª no Grupo Especial 
Todo Dia é Dia de Índio 
Chiquinho Spinoza

1996 - 12ª no Grupo Especial 
A Viagem da Pintada Encantada 
Chiquinho Spinoza

1997 - 12ª no Grupo Especial 
Cidade Maravilhosa, o Sonho de Pereira Passos 
Roberto Szaniecki


1998 - 9ª no Grupo Especial 
Fatumbi, A Ilha de Todos os Santos 
Milton Cunha

1999 - 10ª no Grupo Especial 
Barbosa Lima, 101 anos do Sobrinho do Brasil 
Milton Cunha


2000 - 8ª no Grupo Especial 
Pra não Dizer que Não Falei das Flores 
Mário Borriello

2001 - 13ª no Grupo Especial 
A União faz a Força, com Muita Energia 
Wani Araújo


2002 - 3ª no Grupo A 
Folias de Caxias: de João a João... É o Carnaval da União 
Mário Borriello

2003 - 2ª no Grupo A 
Chega em seu Cavalinho Azul uma Bruxinha Boa. A Ilha trouxe do Céu Maria Clara Machado 
Paulo Menezes


2004 - 7ª no Grupo A 
Com Pandeiro ou sem Pandeiro... Eu Brinco. Com Dinheiro ou sem Dinheiro... Eu também Brinco! 
Paulo Menezes

2005 - 2ª no Grupo A 
Das veredas dos trilhos a um sonho de fé... A Ilha traz a conquista do Pináculo, Corcovado tentação! 
Alaôr Jr. e Antônio Roberto

2006 - 3ª no Grupo A
As Minas Del Rei São João
Jack Vasconcelos

2007 - 4ª no Grupo A 
Ripa na Tulipa, Ilha!
Comissão de Carnaval

2008 - 5ª no Grupo A
É Hoje o Dia
Jack Vasconcelos

2009 - 1ª no Grupo A 
Viajar é Preciso - Extraordinárias Através de Mundos Conhecidos e Desconhecidos
Jack Vasconcelos

2010 - 11ª no Grupo Especial
Dom Quixote de La Mancha... o cavaleiro dos sonhos impossíveis
Rosa Magalhães

2011 - Grupo Especial (hors-concours)
O Mistério da Vida
Alex de Souza

2012 - 8ª no Grupo Especial
De Londres ao Rio: Era uma vez... uma Ilha
Alex de Souza

2013 - 9ª no Grupo Especial
Vinicius, no plural. Paixão, poesia e carnaval
Alex de Souza

2014 - 4ª no Grupo Especial
É brinquedo, é brincadeira: a Ilha vai levantar poeira!
Alex de Souza

2015 - 9ª no Grupo Especial
Beleza Pura?
Alex de Souza

2016 - 11ª no Grupo Especial
Olímpico por natureza, todo mundo se encontra no Rio!
Jack Vasconcelos e Paulo Menezes

2017 - 8ª no Grupo Especial
Nzara Ndembu - Glória ao Senhor Tempo
Severo Luzardo

SAMBAS-ENREDO

1973

Enredo: Y-Juca Pirama
Autores:
Barbicha, Jangada, Juca da Praia e Waldir da Vala  

Neste domingo de alegria e de emoção

É que a escola de samba da Ilha

Denominada União

Homenageia em forma de samba

Esse valente guerreiro tupi

Que foi Y-Juca Pirama

Recebendo intimação

Para entoar seu canto de morte

Ele pediu em lamento

Para ver seu pai que estava entregue à própria sorte

 

Auê, auê o meu pai eu quero ver (bis)

Chefe timbira ele não pode morrer

 

Ao libertar-se do sacrifício

Penetra pela mata em desespero

O velho apalpando-lhe o corpo sentiu

Que pela primeira vez seu filho mentiu

O jovem indignado ecoa seu pranto de guerra

Ao atacar o inimigo o velho tupi chorou

Pelo filho que ele sempre confiou

 

Auê auê, o meu pai eu quero ver (bis)

Chefe timbira ele não pode morrer

1974

Enredo: Lendas e Festas das Yabás
Autores: Aroldo Melodia e Leôncio da Silva

Era madrugada
Quando a natureza me inspirou
Para mostrar os nossos rituais
Lendas e festas das Iabás
Oh, Deusas, oh Orixás
Agô Agô iê
Trago para este carnaval
Esta homenagem a vocês
Na apologia do mistério
O misticismo propagou
No Brasil é lindo e merece
O nosso amor

E a nossa escola colorida
Vem mostrar nessa avenida (bis)
Todo o seu valor

Oiá Oiá Oiá eu
Oiá matamba (bis)
De cacurucaia zinguê

1975

Enredo: Nos confins de Vila Monte
Autor: Cezão

Sob o sol escaldante
Gemia o Nordeste de dor
Nos confins de Vila Monte
Uma triste história se passou
O beato rezadeiro
Arrastava a multidão
E a fúria do cangaço
Assolava o sertão
Violeiros, repentistas
Cantavam trovas ao luar
Bumba-meu-boi, maracatu
Mulé-rendê, mulé-rendá

Ô Sinhô, ô Sinhá
Só Isaura na viola (bis)
Fazia o Nordeste cantar

Numa união de sangue
Num adeus a despedida
Nhá Branca deu a Bento
Seu amor pra toda vida
Velho Coroné Tunico
Num ataque traiçoeiro
Transformou menino Bento
Num temível cangaceiro
Correu chuva, correu sangue
Misturando-se no chão
Branca e Bento Lampejo
Foi mais um drama no sertão

1976

Enredo: Poemas de máscaras e sonhos
Autores: Da Vala, L. Barbicha, Wilson Jangada, Dito e Mestrinho

Delira a Praça Onze de encanto
Com o mesmo quê de quebranto
Em fascinação, feitiço e magia
Ela que foi berço de bamba
Santuário do samba
Das escolas e folia
A União com seu lirismo
Deleitada em romantismo
Vem acrescentar
Poemas de máscaras e sonhos
Para a velha praça engalanar

Em qualquer terra
O sonho fascina (bis)
Na roda do tempo
O amor de colombina

(Como é lindo...)
Como é lindo e divinal
O colorido de confete e serpentina
E o desejo ardente de arlequim
Por amar a linda colombina
Oh, mulher fascinação
Dos cabelos cor de sol
És a luz, minha vida, o arrebol
Pierrot, eu te amo e te quero
Te adoro e venero, coração do meu peito
Pierrot abraçado a guitarra
Sufoca o sonho do amor desfeito

Crava, crava, crava as garras
No meu peito em dor (bis)
Diz o poeta, no seu desamor

1977

Enredo: Domingo
Autores: Waldyr da Vala, Aurinho da Ilha, Ione do Nascimento e Adhemar de A. Vinhaes

Vem amor
Vem à janela ver o sol nascer
Na sutileza do amanhecer
Um lindo dia se anuncia
Veja o despertar da natureza
Olha amor quanta beleza
O domingo é de alegria

No Rio colorido pelo sol
As morenas na praia (bis)
Que gingam no samba
E no meu futebol

Veleiros que passeiam pelo mar
E as pipas vão bailando pelo ar
E no cenário de tão lindo matiz
O carioca segue o domingo feliz
Vai o sol e a lua traz no manto
Novas cores, mais encanto
A noite é maravilhosa
E o povo na boate ou gafieira
Esquece da segunda-feira
Nesta cidade formosa

Há os que vão pra mata
Pra cachoeira ou pro mar (bis)
Mas eu que sou do samba
Vou pro terreiro sambar

1978

Enredo: O Amanhã
Autor: João Sérgio

A cigana leu o meu destino
Eu sonhei
Bola de cristal, jogo de búzios, cartomante
Eu sempre perguntei
O que será o amanhã
Como vai ser o meu destino
Já desfolhei o mal-me-quer
Primeiro amor de um menino
E vai chegando o amanhecer
Leio a mensagem zodiacal
E o realejo diz
Que eu serei feliz

Como será o amanhã
Responda quem puder (bis)
O que irá me acontecer
O meu destino será como Deus quiser

1979

Enredo: O que será?
Autores: Didi e Aroldo Melodia

Eu queria saber agora
O que será
Vou perguntar
A menininha do Gantois
Pode ser um grande herói
Índios, africanos ou magia
Ou será um tema da velha Bahia
Já ouvi dizer que é Debret
Ou antigos carnavais

Mas se for candomblé
Eu peço axé (bis)
Aos meus orixás

Depois no barracão
Suor, amor e fantasias
Alas, figurinos e passistas
Harmonia e ritmistas
Até o raiar do dia
E as lágrimas de alegria e dissabor
Modificam o rosto do poeta
No meio de um cenário multicor

Está na hora, é Carnaval
O artista descreveu (bis)
Um enredo original

1980

Enredo: Bom, bonito e barato
Autores: Robertinho Devagar, Jorge Ferreira e Edinho Capeta

Colori
Com toda minha simpatia
Um visual de alegria
Cante comigo essa canção de amor
Sou a comunicação
Não tenho luxo e nem riqueza
Há simplicidade e beleza
Na festa do seu coração

Muito bom
O meu bonito é barato (bis)
Da simpatia, o retrato
Do povo no carnaval

Obrigado madrinha Portela
Que me ajudou a caminhar
(Caminhei)
E onde andei
Pelos caminhos meu nome deixei

Nos confins de Vila Monte
Eu decantei
Com um sorriso de esperança
A Praça Onze delirei
Domingo, na sutileza do amanhecer
Meu colorido encantou você
O Amanhã
O que será, o que será
E outra vez na passarela
Colorida e tão singela
O sangue novo faz toda gente vibrar

Sou eu, sou eu
Trazendo felicidade (bis)
Sou eu

1981

Enredo: 1910 - Burro na Cabeça
Autores: Franco, Barbicha, Jangada e Dazinho

O mago ô
Do tempo me apareceu em um sonho
E me levou
Por um chão salpicado de estrelas
Numa carruagem encantada voltei
Ao meu Rio de Janeiro
Cantando em poesia
Louca fantasia eu vivi
As cocotes me chamaram de cherrie
Mon amour, oui oui, mon petit
O bonde de ceroulas eu peguei
Pra ver "Aída" no municipal
Na Avenida Central eu vi
A moda e o charme de Paris

Tudo era festa
E meu povo era feliz (bis)

E no palácio do Catete
Com seu violão num dedilhado
Dona Nair de Teffé
Tocava Chiquinha Gonzaga
Provocando um movimento musical
Rui "Barboseava" no senado
Dizendo ser grosseira
A música popular brasileira

Num requebrado bem apertado
O corta-jaca eu dancei (bis)
Cortajacando bem gostoso num roçado
Foi tudo um sonho, eu acordei

1982

Enredo: É hoje
Autores: Didi e Mestrinho

A minha alegria atravessou o mar
E ancorou na passarela
Fez um desembarque fascinante
No maior show da Terra
Será que eu serei o dono desta festa
Um rei
No meio de uma gente tão modesta
Eu vim descendo a serra
Cheio de euforia para desfilar
O mundo inteiro espera
Hoje é dia do riso chorar

Levei o meu samba
Pra mãe-de-santo rezar (bis)
Contra o mau olhado
Carrego o meu Patuá

Acredito ser o mais valente
Nesta luta do rochedo com o mar
(E com o mar)
É hoje o dia da alegria e a tristeza
Nem pode pensar em chegar

Diga espelho meu
Se há na avenida (bis)
Alguém mais feliz que eu

1983

Enredo: Toma lá dá cá
Autores: Robertinho Devagar e Armandinho

Simpatia
O poeta me batizou
A poesia me abençoou
A mão da parceria me afagou
Construindo um sonho novo
A nova morada do amor

Comigo eu levo
Uma figa de guiné (bis)
Mandei buscar na Bahia, meu axé

E eu estou aqui para colher
O que semeei, no solo dos corações
Onde plantei a paz
Nas mãos das crianças
A nossa esperança não se desfaz
Desarmar a mão da guerra
Seus aplausos irão julgar
Quem plantou para colher
Vai agora receber
Toma lá dá cá

Embala eu, mamãe
Na dança das mãos (bis)
Quero me embalar

1984

Enredo: Quem pode, pode, quem não pode...
Autores: Didi e Aurinho da Ilha

Vovó sempre dizia
Olha menino, leia o bê-á-bá
Na grande cartilha desta vida
Procure aprender um dito popular
Devagar se vai ao longe
Quem espera sempre alcança
E lá vou eu
Seguindo os conselhos de criança

Quem pode, pode
Quem não pode, quá (bis)
Quá, quá, quá
Quá, quá, quá

A lua só reluz a Terra
E brilha na serra
Mas ouro não é
Canta, canta
Espanta esse mal da garganta e vem brincar
É hoje que o circo pega fogo
É hora do palhaço gargalhar (vovó...)

Vovó falou, falou
Esclareceu (bis)
Que a voz do povo, amor
É a voz de Deus, será

1985

Enredo: Um herói, um enredo, uma canção
Autores: Didi, Aurinho da Ilha e Aritana

Lá na minha aldeia
Já não canta a chibata
Sangrando a Guanabara
Um dia
Um novo Dragão Verdes Mares
Bailando nos mares e lares
Um lenço era o seu espadim

Unindo a negrura
Sacrifício e destemor (bis)
Se o sangue assina a tortura
O sangue se apaga com amor

E viu o cais sorrir
O mulherio vibrando de alegria
E viu também um batalhão
Cheio de feitiço e de magia
A mentira veio no fantasma da anistia
O mar nunca afogou
As ondas que agitam a liberdade
O vento que passou (passou)
Só ventou saudade

Yemanjá
Sentiu no ar (bis)
O cheiro do meu Brasil
Tempera o meu vatapá

O samba hoje impera
Frevo e bumba-meu-boi
O que vem da terra
Não encerra quem se foi

Taí, Elis, taí
Olha o feiticeiro negro (bis)
Na Sapucaí

1986

Enredo: Assombrações
Autores: Robertinho Devagar, Marcio André, Armandinho e Barbicha

Veio de lá, buscando riquezas
As treze naus de Portugal
Na viagem, tantas miragens
Chegaram até ver dragões do mar
O índio, o dono da terra
Deu grito de guerra
Também se assombrou
A lenda diz (oi, a lenda diz)
Que o lobisomem
Era o pavor das crianças
Diz então que Nhá Jança
Assombrava o Maranhão

O leão
Só morde o bumbum do pobre (bis)
E o rico é quem explode
A boca do balão

O FMI chegou aqui, fincou o pé
Devo e não nego
Um dia eu pago, leva fé
Coração (ai, coração)
Marca passo com esperança
O amor é a herança
Para o mundo se encontrar
Um carnaval eu vou fazer lá no céu
E a bomba nuclear
Mando lá pro beleléu

Quem carrega amor
Vai com Deus (bis)
Sem assombrações
Vai com Deus

1987

Enredo: Extra! Extra!
Autores: J. Brito e Bujão

Amor, acorda pra folia
Vem, desfolha o dia-a-dia
Novamente cruza o mar a alegria
Caminha mandô
Foi de cocheira, foi de notícia de primeira
Seu Cabral, que legal

Olha eu aí, olha eu aí
Vim botar a banca na Sapucaí (bis)

(E aí)
Li que a lição do "economês" é exportar
Diz a manchete que a guerra vai acabar
Aqui na terra tem Cruzado pra valer
Caderno "B", o dia "D", é luxo só
É bafafá, é tititi no tátátá
Olha a dica, vai na boa
Que o astral vai melhorar

Dançou, dançou
Dançou, dançou (bis)
Deu milonga nessa Copa
"Dona Zebra" até dançou

Quem tem amor pode dar
Quem não tem vai achar
Quem tem, ama
Você é a chama do meu coração

Oi, brilha emoção
Antes que eu me esqueça (bis)
Extra, extra
Deu Ilha na cabeça

1988

Enredo: Aquarilha do Brasil
Autores: Robertinho Devagar e Marcio André

Saudade, só deixou saudade
Pra ser mais um dos menestréis
Vem na cegonha pra ver
Ari Barroso, o tema é você
Na Bela Época, nasceu em Ubá (em Ubá, em Ubá)
O menino iluminado
Hoje atravessa o mar
Com a minha Ilha
Nessa Aquarilha do Brasil
Marcou gerações, ligou corações
E o povo ainda canta as suas canções
Tia Ritinha, foi ela
Que abriu as portas pro seu caminhar (ô dá nela)
Machucou meu coração
Ô Maria (aonde foi, aonde foi)

Na palma da minha mão
Vai cantar o quê, calouro
Morena da boca de ouro

Quindim gostoso
Quem vai provar (bis)
No tabuleiro de Iaiá

Boneca de piche, faceira, grau dez
Trabalha, trabalha, nego
Alô amigos, Zé Cariocou
Divina musa
Sua voz maior no exterior

A gaitinha tocando, é gol
A galera vibrando, Mengo (bis)

Na homenagem veio a paz, a emoção
Minha Ilha risque agora (bis)
A saudade nesse chão

1989

Enredo: Festa profana
Autores: J. Brito, Bujão e Franco

O rei mandô cair dentro da folia
E lá vou eu (bis)
O sol que brilha nessa noite vem da Ilha
Lindo sonho que é só meu

Vem, vem amor
Na poesia vem rimar sem dor
Na fantasia, vem colorir
Que a vida tem mais cor
Vem na magia
Me beija nesse mar de amor
Vem, me abraça mais
Que eu quero é mais
O teu coração

Eu vou tomar um porre de felicidade
Vou sacudir, eu vou zoar toda cidade (bis)

Eh, Boi Ápis
Lá no Egito, festa de Ísis
Eh, Deus Baco, bebe sem mágoa
Você pensa que esse vinho é água
É primavera
Na lei de Roma, a alegria é que impera
Oh, que beleza!
Máscara negra lá no baile de Veneza

Oi joga água que é de cheiro
Confete e serpentina (bis)
Lança perfume no cangote da menina

1990

Enredo: Sonhar com rei dá João
Autores: J. Brito e Bujão

Sonhei que a vida fez um rei
Que tinha o reino da folia
Sonhando o mar atravessei
Sorri pra minha alegria (alô)
Alô, bumba-meu-boi, meu boi-bumbá (obá)
Que veio lá do Maranhão
A fonte da manhã
Brilhou no ribeirão
Sonhar com rei dá João
Fez a cor salgueirar, em coro
Ilha D'Assombração, eh, touro
Salomão e Sabá, é ouro
Tesouro que mandou buscar

E no sonho de sonhar
É menino sonhador (bis)
No jogo popular
O palpite é Beija-Flor

Amor, vovó chorou sentida
O carnaval é multicor
Bailou no ar o show da vida
E vai girando o carrossel do amor
Reluz no céu, reluz Pinah
Rainha negra que seduz o meu cantar
Vem, vem meu amor
Que eu não quero acordar

E fez o luxo e fez o lixo do país
Rei do paetê, rei do miserê (bis)
No seu reinado fez o povo mais feliz

1991

Enredo: De bar em bar - Didi, um poeta
Autor: Franco

Hoje eu vou tomar um porre
Não me socorre
Que eu tô feliz (bis)
Nessa eu vou de bar em bar
Beber a vida
Que eu sempre quis

E no bar da ilusão eu chego
É pura a paixão que eu bebo
Amor, me deseja, me dá um chamego
Me beija e faz um cafuné

"Bebo" vem e "bebo" vai
Que nem maré (bis)
Balança mas não cai
Boêmio é

Garçom, garçom
Bota uma "cerva" bem gelada aqui na mesa
Que bom, que bom
Minha alegria deu um porre na tristeza
Poeta, enredo da canção
Cartilha que eu aprendi
Canta a Ilha de emoção
Saudade de você, Didi (Amor, amor)

Amor, amor, eu vô
É nessa aqui que eu vô
O sol vai renascer do meu astral
Amor, amor, eu vô (bis)
Ô skindô, skindô
Num gole eu faço um Carnaval

1992

Enredo: Sou mais minha Ilha
Autores: Carlinhos Fuzil, Maurício 100 e Marquinhos do Banjo

Viajando o mundo afora
Lá vou eu
A desfrutar dessa sorte
Que a vida me deu
De realizar o sonho meu
Ao passar nas ilhas me encantei
Ao ver o que jamais imaginei
Neblina Londrina, a Guarda Real
Que me fez lembrar meu carnaval

Nesse mar que me leva, amor
Pra Madagascar eu vou (bis)

A arte milenar me fascinou
A mais rica fauna conheci
Nessa viagem de encantos e magias
Eu tirei onda do Havaí
Depois de ver as outras maravilhas
Estou de volta ao meu Brasil
Da Ilha de Marajó naveguei
Ao paraíso natural
Vitória de natureza tão bela
Que saudade
Vou rever minha aquarela

Sou mais minha Ilha
Tu és meu amor (bis)
Em ti me planto
Ilha do Governador

1993

Enredo: Os maiores espetáculos da Terra
Autores: Bicudo, Djalma Falcão e Guará da Empresa

Alô, alô, chegou a hora
Brilhou no céu a luz da felicidade
Sob o clarão da poesia
Cruzo o mar da alegria
E me abraço com a cidade
Laiá, laiá, laiá, laiá
Batam palmas que o palhaço vai passar
Vovô vai sorrir, criança brincar
É muito bom poder sonhar
Cigano a dançar à luz do luar
O show tem que continuar

A vida é um grande circo
É o chão da ilusão (bis)
Sou artista na avenida
Vou roubar seu coração

Senhoras e senhores
Nossa atração principal
É o povo que está na corda bamba
Esperando a voz do samba pra brincar o carnaval
E vai desfilar, ô ô ô
Em preto e branco mais um sonho colorido
Mostrando na telinha com emoção
Que o domador quando entra em "senna"
Não dá mole pro "leão"

Compra que eu vendo alegria, meu amor
Sou a Ilha, sou a dona dessa festa multicor (bis)

1994

Enredo: Abrakadabra - O despertar dos mágicos
Autores: Almir da Ilha e Franco

Eu vou "zoar" nessa avenida
Meu samba da cartola vai rolar
E na luz da estrela-guia
Minha alegria vem nas ondas desse mar
(Desse mar, desse mar)
Meu fogo veio te aquecer
E o ouro fez o chão brilhar
Mago do mundo, mágico mundo
Que vem girando sem parar

É vida, é sorte, e fé
É figa de Guiné (bis)
Roda baiana que esse povo tem axé

Meu sonho, energia em verso
Porta do universo que Deus abrirá
E meu amanhã é paz e amor
Da "nova era" que virá
Eu sou um sonhador, sou ilusão
Que tá dentro do teu coração! (Amor, amor)

Amor, a noite brilha
A magia encanta a cidade (bis)
Amor, que maravilha
A Ilha dando um banho de felicidade

1995

Enredo: Todo dia é dia de índio
Autores: Almir da Ilha e Franco

Eu quero ver o sol brilhar
Eu vou nas ondas desse mar
Eu sou tupi, eu sou de quizumbar
E sou bem mais
Sou mestiço, moleque, sou "ruim" de aturar
E de cara pintada eu quero gritar, sou de paz
Sou bom sujeito e vilão
Inocente e brincalhão
Sou do povo, sou brigão
Cantando eu vou, ôôô, vou buscando a liberdade
"Mim só quer brasilidade"
Me deixa que eu quero sambar

Oi me larga, me solta, aqui é meu lugar (bis)
Sou Tupi, "tupini-ilha", sem canudo e de cocar

Arte é o sol, é cultura
É a vida em pintura, é, é, é
É o livro do saber, ê ê, ê ê
Um país que tem no palco essa chama
Tem no filme da memória amor à sua história
Como o canto de quem ama

A Ilha é minha tribo e vai passar
Vai batendo o seu tambor (bis)
Que é pro "dia" clarear!

1996

Enredo: A viagem da pintada encantada
Autores: Alberto Varejão e Vicentinho

Lendas que cruzaram além-mar
No Olimpo, a pintada foi buscar
É da Índia, é da Guiné, é do Egito, d'Angola é
Tem mistério e magia e muito axé
Viajando pelo oriente e por todo o ocidente
Mercados, mercadores fascinou
E chegando ao novo mundo
A mistura de cultura se formou
Holandeses no Brasil, ela pintou

A ie ie ô, a ie ie ô, a ie ie ô
Emakualê Oxum, erê (bis)
Samborokô, Samborokô, ô ô

Na cultura afro-brasileira assim surgiu
Seus costumes, raça, crenças nos uniu
Bicho feito que espanta a morte
Povo de santo, a primeira Iaô
Catulou, raspou, pintou
Canto, dança e esplendor
Oferenda para os orixás
Saravá, que a sorte quero mais
Vai, meu pombo branco, anunciar (que a Ilha)
Que a Ilha pede a paz

A Ilha tem na viagem sedução
Oxalá criou o mundo, deu ao povo a união (bis)

1997

Enredo: Cidade Maravilhosa, o sonho de Pereira Passos
Autores: Bujão, Carlinhos Fuzil e Wanderlei Novidade

O meu pensamento voa
Me leva ao infinito
Vou girando meu compasso
Passo a régua e mudo o traço
Fazendo o Rio ficar mais bonito

Botei tudo abaixo (botei)
Levantei poeira (levantei) (bis)
Dei muita porrada (eu dei)
Taí o Rio que sonhei

(O carioca)
Ah, o carioca está contente
A alegria bailou no ar
Gozando de boa saúde, muda de atitude
O esporte já pode praticar

No jogo de bola com muito prazer
O banho de mar se tornou lazer (bis)

Fiz brilhar
Pintei meu Rio com retrato de Paris
Com a cidade iluminada
O carioca tem a noite mais feliz
Mostrando ao mundo a riqueza nacional
Meu Rio agora é Belle Époque tropical
A burguesia me levou ao Teatro Municipal
Berço de boêmios seresteiros
Fervilham os bares do meu Rio de Janeiro
(Amanheceu)
Amanheceu, floresceu um novo dia
Vou passear, extravasar minha alegria
De bem com a vida eu tô ô ô ô
É lindo o meu carnaval
E hoje o Rio se tornou cartão postal

Lá vem a Ilha que vem
Toda gostosa também (bis)
Cantando o Rio, cidade maravilhosa

1998

Enredo: Fatumbi, a ilha de todos os santos
Autores: Márcio André, Almir da Ilha e Maurício 100

Vem brilhar, um dom divino
Na regência de Ifá, nasce o filho do destino
E com a Ilha atravessa o mar
O navio é negreiro, ô ô ô
E na vinda vem os orixás
Pra surgir nossos terreiros
Na cultura Yorubá nagô, ô ô
Se entrega por inteiro
E se sagrou babalaô
Homem branco feiticeiro

Negro chora, negro ri, amor, amor
Negro é raça, negro é grito (bis)
Negro é tão bonito
Fatumbi fotografou

E com Jubiabá na memória
Muda sua trajetória, vem-se embora
E da Bahia faz o seu canto
Se torna filho de santo, de mãe senhora
E sua obra no candomblé
Mostra a força do nosso axé
E a grandeza dessa nação
Iluminado pela paz de Oxalá
É luz que brilha com seu encanto
É Ilha de Todos os Santos

Vem ver, vem ver a bateria arrepiar
Xirê, Sapucaí vai tremer (bis)
Pra Fatumbi Ojuobá

1999

Enredo: Barbosa Lima, 102 anos do sobrinho do Brasil
Autores: Bicudo, Djalma Falcão, Dito e Jota Erre

A mesma lua que te viu nascer
Brilha no céu, volta pra te ver
Vem orgulhosa iluminar o carnaval
O seu menino é manchete de jornal
Assim a Ilha vem pra festa
Atravessando o mar azul
Taí o que você queria, sacode bateria
Hoje tem frevo e tem maracatu
Nas folhas do matutino
Sua história, seu destino (vem ver)
Um sábio com livro nas mãos
Um craque com a bola no pé (é gol, olé)
Mente sã, corpo são, entregou a paixão
Ao amor de uma mulher

Deixa, deixa eu te amar
Me assanha com teus beijos (bis)
Me faz sonhar

Liberta esse nó da garganta, vem cantar
Pra poder melhorar, tem que lutar
Vai dar a luz à esperança
Vai meu Brasil
Faz do povo a riqueza
Com Barbosa festeja
A cassação da tristeza

Cara pintada de verde e amarelo
De azul, vermelho e branco colori meu coração (bis)
Sou do Nordeste, sou cabra da peste
Meu país é meu patrão

2000

Enredo: Pra não dizer que não falei de flores
Autores: Marquinhos do Banjo, Niva e Franco

"Vô", eu "vô" que "vô"
"Vô" cantando em verso e prosa
Vou abrir meu coração (eu vô, eu vô)
Vou me libertar no perfume desse mar, num mar de rosas
Vou das cinzas pra folia, minha arma é uma flor
E vestido de alegria vou florir esta avenida pra falar de amor

Vem, vamos embora
Quem faz a hora bota o "bicho" para "correr" (bis)
Vem, vem, vem, que tá na hora
A Ilha canta, não espera acontecer

Eu "vô" botar a boca no mundo
Pode até me "censurá" mas a terra é do "hôme"
Carcará, é um pega, mata e come
Quem tem fé na paz de Deus e na mão que faz a guerra
Não vi, não sei, se ouvi, neguei, calei, mas resisti
Num anjo, mãe de um querubim, nas guerrilhas do Pasquim
Caminhando e cantando, seguindo a canção
Voltei "nas águas" do refrão

Marcha soldado, bate tambor, ôôô
Que o "barco da volta" chegou pra ficar, ai, iaiá (bis)
Rasga no peito esse meu coração, meu amor
Mais do que nunca é preciso cantar, ai, ioiô

2001

Enredo: A União faz a força, com muita energia!
Autores: Marcio André, Djalma Falcão, Almir da Ilha e Dito

Oh, luz da inspiração
Vem clarear meus versos
Faz da avenida uma corrente de emoção
Uma explosão de energia
Colorindo o universo
As águas vão rolar
Vem mergulhar na vida e ser feliz
Meu bem, vem ver a Ilha iluminada
Vem viver o sonho que eu sempre quis
Já pedi ao céu, estrelas e luar
Eu vou enfeitar a noite para te dar
Me manda um alô, me chama de amor
Que no primeiro bonde eu vou

Abre a porta e deixa o sol entrar
Quero amanhecer no teu olhar (bis)
Eu trago alegria, força e calor
Hoje o astro-rei eu sou

Vento que move os moinhos
Traz teus carinhos, vem me buscar
Me leva que além do infinito
Tem um futuro mais bonito
Toda magia que a terra me dá
É fonte, é vida do meu caminhar
Mas, todo cuidado é pouco
Quem brincar com fogo pode se queimar
Se liga, eu sou a voz do povo
E a vibração do teu cantar

A Ilha é
Paz e amor, felicidade
A energia está no ar (bis)
Eu vou zoar toda cidade
É nessa que eu vou te levar

2002

Enredo: Folias de Caxias - De João a João... É o Carnaval da União!
Autores: Maurício 100, Carlinhos Fuzil, Ronaldo Maiato, Muca, Ronald, Niva e Régis

Encanto, mistério e magia
Um canto, um ponto de luz
Ilumina um sonho na escuridão
Transformando em cores um imenso salão
Salve, o rei do candomblé
João da Golméia, a imagem da fé
Nos olhos se misturam, momentos de esplendor
Rufam os atabaques, Ogãs, Iabás e Iaôs
Vem mãe guerreira, vem dançar, epa-hei Iansã
Abre os caminhos para um novo amanhã

O tempo passou, Caxias mudou
É um novo lugar (bis)
'Feliz' 'Cidade', amor (amor)
Lar-doce-lar

Minha terra tem Xerém
Onde canta um sabiá (ô iaiá)
Você de lá e eu de cá, na festa do protetor
Anarriê no arraiá
O samba me levou pro coração de Caxias
Pulsa a Grande Rio, berço da folia
"Do lixo para as flores", Joãosinho é genial
Viva o rei do Carnaval

De João a João
A Ilha é pura emoção (bis)
Haja coração

2003

Enredo: Chega em seu cavalinho azul uma bruxinha boa. A Ilha trouxe do céu Maria Clara Machado
Autores: Marcio André, Almir da Ilha, Miguel e Roxinho

Vou me vestir de alegria, sonhar, sonhar
Brincando nessa fantasia
No faz-de-conta atravesso o mar
O tablado entra em cena
E essa avenida vai se transformar
Tem magia e emoção, tem bonecos da Ilusão
E o fantasminha tem medo de gente
Bruxinha boa, irreverente, que legal
Varre a tristeza e faz meu carnaval

Maria Clara Machado (meu amor)
Quero ser o seu menino (bis)
No mundo que você criou

Bye bye dragão (Cheguei)
Minha princesa eu agora sou seu rei
Tem bicho a bessa lá na Arca de Noé
Em Tribobó o couro como leva fé
Rolou trambique lá no circo
E quem dançou foi o leão
Cadê as cebolinhas, diz aí camaleão
Que fuzuê, que confusão

A estrela do meu céu, vem aí
Vem no cavalinho azul, vamos aplaudir (bis)
Vem com a Ilha na maior felicidade
Vem acordar e sacudir essa cidade

2004

Enredo: Com pandeiro ou sem pandeiro... eu brinco. Com dinheiro ou sem dinheiro... eu também brinco!
Autores: Tote, Tino Ayres, Miguel e Carlinhos do Sete

Amor, vem sorrir de novo
Minha alegria tomou conta da cidade
A tela que em preto e branco sonhei
Da Atlântida lembrei, era só felicidade
Vivo improvisando o ano inteiro
Sem pandeiro ou sem dinheiro
Vou brincar o Carnaval
Na arte da batucada sou bamba
Onde tudo acaba em samba
É a magia do cinema Tropical

Vou fazer um sassarico, amor, eu vou (bis)
Com Otelo e Oscarito, eu "tô"

(Mas da vida)
Da vida eu quero é mais
Quero a beleza dos antigos Carnavais
Teatro de Revista e o glamour dos musicais
(E o que que eu sou)
Sou banana da terra, amor
A Metro brasileira, eu sou
Tenho humor e simpatia
Vem pra chanchada colorida da folia

Vem brincar de "Roliúde"
Que o show vai começar (bis)
Sou a Ilha entro em cena
Faço o povo delirar

2005

Enredo: Da Vereda dos Trilhos a um Sonho de Fé... A Ilha Traz a Conquista do Pináculo, Corcovado Tentação
Compositores: Djalma Falcão, Bicudo e Marco Moreno

Nas ondas do mar viajou, o sol clareou
O brilho no olhar do grande navegador
Gente de além do horizonte
Vem conquistar o monte
Oh, bem-vinda tentação
A Ilha segue os passos do Imperador
Traz nos braços a fauna, a flor
Na magia do Criador
A águia traz os traços do pintor

Vem meu amor, vem, vem mergulhar
Meu Rio é carioca, as águas vão rolar (bis)
Da Fonte do Beijo, no calor do desejo
Vejo a cidade despertar

A corte passeia em delírio
Das trilhas, os trilhos vêm anunciar
O show é lá no Corcovado
Monumento abençoado
Paisagem que seduz e faz sonhar
Eu também tô nesse trem
Vou nesse zig-zag nos abraços do meu bem
Os anjos sorrindo, do céu vão surgindo
Em preces estão aplaudindo de pé
Meu povo em seu sonho de fé

No alto daquela colina tem uma luz
Uma imagem divina (bis)
Que nos ensina o que é paz e amor
E ilumina a Ilha do Governador

2006

Enredo: As Minas Del Rei São João
Compositores: Maurício Maia, Ricardo Grassano, Carlinhos Fuzil, Niva, Muca, Alberto Varjão, Carlinhos Daninho, Adilson Cobra Criada, Bebeto do Arrastão e Pinto

Reluz no teu olhar
Azul, vermelho e branco
Que me faz sonhar
O ouro seduziu
O aventureiro insulano que partiu
Eh, eh, Minas Gerais
Seu eldorado tem magia e muito mais
O quinto é dos infernos
O povo se cansou do imposto que pagou
No esplendor da fé, barroco é devoção
Os sinos falam ao coração

Se olho comprido traz má sorte, eu sei lá
Seu padre, se a moça é solteira, dá azar (bis)
Vai virar mula sem cabeça, eu quero ver
Essas beatas credo em cruz é bom benzer

Pisei no chão da liberdade
Berço da Inconfidência do meu país
Segui os passos da independência
Nova República, povo feliz
Nos "olhos livres" da artista
Refletem a arte e a brasilidade
Dessa gente divinal
Por São João Del Rei, eu me apaixonei
E dei as cores ao meu carnaval

Alegria, é a Ilha a cantar
Vem na Maria Fumaça (bis)
Vem que eu vou te levar

2007

Enredo: Ripa na Tulipa, Ilha!
Autor(es): Alberto Varjão, Carlinhos Fuzil, Jorginho, Mauricio Maia e Niva

Num toque de alegria
O doce sabor veio de lá
É tradição medieval, dá gosto no meu carnaval
Vem amor, saborear
Alimentar o corpo, bebendo com prazer
Em sacrifício à deusa, vamos oferecer
Osíris no Egito ao homem inspirou
Nasceu o suco de cevada
É a cerveja que o mundo encantou

Passa a espuma na pele que dá... beleza
Vem pode chegar (bis)
Levanta a jarra amor, cai na folia
Oi, deixa transbordar

Os incas bebiam, faziam festas e rituais
O índio abraça o descobridor
Com cauim, Tupinambá
Enche o pote e pede mais
Alô, Terra Brasil
Essa bebida conquistou a realeza
É canto, é dança, é pura emoção
Que delícia, sabor tropical
A “loura gelada”, sedução nacional
Faz a festa, Blumenau

Ripa na Tulipa, Ilha
No calor da bateria, vem sambar (bis)
Pisa forte nesse chão, incendeia o coração
Tem mais cerveja pra comemorar

2008

Enredo: É hoje
Autores: Didi e Mestrinho

A minha alegria atravessou o mar
E ancorou na passarela
Fez um desembarque fascinante
No maior show da Terra
Será que eu serei o dono desta festa
Um rei
No meio de uma gente tão modesta
Eu vim descendo a serra
Cheio de euforia para desfilar
O mundo inteiro espera
Hoje é dia do riso chorar

Levei o meu samba
Pra mãe-de-santo rezar (bis)
Contra o mau olhado
Carrego o meu Patuá

Acredito ser o mais valente
Nesta luta do rochedo com o mar
(E com o mar)
É hoje o dia da alegria e a tristeza
Nem pode pensar em chegar

Diga espelho meu
Se há na avenida (bis)
Alguém mais feliz que eu

2009

Enredo: Viajar é preciso - viagens extraordinárias através de mundos conhecidos e desconhecidos
Autores: Gugu das Candongas, Léo da Ilha, Sardinha, Rafael Bronze e Marcinho

Vou viajar!
Não tem distância que vá me segurar
Eu vou chegar a qualquer lugar
Com Julio Verne você pode imaginar
Sou essa máquina engrenada na folia
Vou levando alegria pro mundo inteiro
Da Terra eu vou pro céu
Do céu eu vou pro mar
Num delírio aventureiro!

Além do infinito, eu vou desvendar
O centro da Terra, o fundo do mar (bis)
Na grande floresta do "Imperador"
O desconhecido me encantou

O Brasil se ligou na tua história
De um livro de sonhos, às asas da glória
O brasileiro inspirado por ti
Voando, conquista Paris
Tocando o Céu, bem no alto iluminado
No Corcovado recebe feliz!
De braços abertos, o meu Redentor
Vai abençoando você que chegou
A mãe natureza se sente orgulhosa
Cidade maravilhosa!

É nessa que eu vou embarcar
É preciso sonhar... Chegou a Ilha! (bis)
De azul, vermelho e branco pintei meu carnaval
Do meu Rio sou cartão postal

2010

Enredo: Dom Quixote de La Mancha... O cavaleiro dos sonhos impossíveis
Autores: Grassano, Gabriel Fraga, Márcio André Filho, João Bosco, Arlindo Neto, Gugu das Candongas, Marquinho do Banjo, Barbosão, Ito Melodia e Léo da Ilha

Voltou a Ilha
Delira o povo de alegria
Nessa folia sou fidalgo, sou leitor
Cavaleiro sonhador
Meu mundo é de magia
Vou cavalgar no rocinante
Meu escudeiro é Sancho Pança
Se Dulcinéia é meu amor
Quem eu sou?
Dom Quixote de la Mancha

O gigante moinho me viu deu no pé
O povo grita... olé (bis)
Nesse feitiço tem castanhola
A bateria hoje deita e rola

Vesti a fantasia, fui à luta
Venci manadas, rebanhos
Fiz de uma bacia meu elmo de glórias
Meus livros se perderam pela história
Enfim, fui vencido pelo Branca Lua
Voltei pra casa esquecendo as aventuras
O tempo ficou com meus ideais
Quimeras são imortais

A Ilha vem cantar
Mais um sonho impossível... sonhar (bis)
Quem é que não tem uma louca ilusão
E um Quixote no seu coração

2011

Enredo: O Mistério da Vida
Autores: Gugu das Candongas, Marquinhus do Banjo, João Paulo, Márcio André Filho, Arlindo Neto e Ito Melodia

Minha alegria vai girar o mundo
Aventureira vai cruzando o mar
Trazendo Darwin na memória
Histórias vou desvendar
Um relicário de beleza natural
É o esplendor do carnaval
Que maravilha, nessa terra vou desembarcar
O show da Ilha vai começar

No fundo do mar eu vi brotar
Se multiplicar a vida (bis)
Mistérios vão se revelar
Nas águas que vão me levar a caminhar

A terra abriu um sorriso
E o paraíso vai me ver chegar
Seres estão antenados
Pequenos alados bailando no ar
Lindos animais na passarela
E lá no céu, a mais linda aquarela
Do alto surgiu diferente
Não sei se é bicho, não sei se é gente?
Somos frutos do mesmo lugar
A árvore da vida vamos preservar

Hoje eu quero brindar a Ilha
Nessa avenida dos sonhos brilhar (bis)
O meu amanhã, só Deus saberá
A vida vamos celebrar

2012

Enredo: Era um vez... uma Ilha
Autores: Marquinhos do Banjo, Alberto Varjão, Eduardo, Alan das Candongas, Márcio André Filho, Carlinhos Fuzil, Fabiano Fernandes, Aloisio Villar, Cadinho e Roger Linhares

Uma história vou contar
Tem lendas, mitos e magias
Era uma Ilha… onde um povo valente vivia
E um grande império conquistou
Virou cidade das realezas
O reino unido e seus heróis
“Peguem as armas” diz a voz
De um santo guerreiro
Os bravos vão lutar, cruzar fronteiras
Com sua fé estampada na bandeira

Vou botar molho inglês na feijoada
Misturar chá com cachaça (bis)
"Ser ou não ser, eis a questão!"
Tem choro e riso nesse palco de ilusão

Vão dominar o mar e grandes tesouros
Guiados pelos olhos da ciência
Lindos contos vão brotar…
A luz do cinema é a arte a brilhar
Olha, bicho, paz e amor suingou
Batuquei meu samba com rock n'roll
Na minha terra tem o reino da folia
Futebol que contagia… É gol!
É a vitória, um momento divinal
Acendo a chama pela paz universal

A minha Ilha é ouro é prata
Tem o bronze da mulata (bis)
Canta meu Rio, em verso e prosa
Com a cidade ainda mais maravilhosa

2013

Enredo: Vinícius, no Plural. Paixão, Poesia e Carnaval
Autores: Ginho, Júnior, Vinícius do Cavaco, Eduardo Conti, Professor Hugo e Jair Turra

Surgiu, ao som do mar, um poeta
Que brincava na areia
Na Ilha um menino, sempre a sonhar
Fez da sua vida um poema
"Como é bom se apaixonar"!
Ó pátria amada, recebe esse menestrel!
Voz do morro na folia, Orfeu chegou, raiou o dia!
Levou a bossa no "tom" d'alegria
Se é Canto de Ossanha menina, então não vá!
Um berimbau vai ecoar...
Vem, meu camará!

"Menininha me chamou... Vou pra Bahia
Sou da linha de Xangô... Caô meu guia (bis)
Odoyá... Yemanjá!
A benção meu pai Oxalá!"

Ê jangada... Na luz da manhã já vai navegar
Segue pra Itapuã, no brilho do sol... É bom vadiar!
Um jeitinho que fascina
Num doce balanço que não tem igual
Quando abrir a Arca de Noé...
Um riso de criança em cada olhar
Enfim, o que importa é amar
A noite é sua passarela
O show não pode parar

Onde anda você... "poetinha"?
Saudade mandou te buscar (bis)
A Ilha é paixão na avenida
Mais que nunca é preciso cantar!

2014

Enredo: É Brinquedo, é Brincadeira, a Ilha vai Levantar Poeira!
Autores: Paulo George, Régis, Gabriel Fraga, Carlinhos Fuzil, Canindé e Flávio Pires

Levanta a poeira
Vem nessa brincadeira que eu quero ver
Nesse baú da memória
São tantas histórias... é só escolher
Desperta, encanta sua alma de infância
Sem forma nem cor fabrica esperança
Na vitrine vejo o meu olhar no seu olhar
Perder ou ganhar, ganhar ou perder
Se conectar, jogar e aprender
Um super-herói pode ser você

Vem no reino da ilusão, me dê a sua mão
E pegue na estante, um livro fascinante (bis)
Personagens da imaginação (é tão bom, é tão bom)

Brinque com o que a vida lhe dá
O barro vira ouro no chão
Vem reciclar a saudade, de ioiô nas mãos de iaiá
Nas travessuras ao léu, por esse imenso país
Vai colorindo o céu em um bailado feliz
Meu carnaval é o quintal do amanhã
Tá na hora, vamos simbora
Amar é dar proteção ao maior tesouro da nação!

Hoje a Ilha vem brincar... amor!
Vem sorrindo cirandar que eu vou
(bis)
Dar meia volta, volta e meia no seu coração
Ser criança não é brinquedo não!

2015

Enredo: Beleza Pura?
Autores: Djalma Falcão, Carlos Caetano, Gugu das Candongas, Beto Mascarenhas, Roger Linhares e Marco Moreno

Floresceu… desabrochou uma explosão de cor
Bem-vinda oh mãe natureza
Transformando, esbanjando formosura, é beleza pura
Vem no tempo, vai no vento, quem vai julgar
O povo sempre deu um jeito de se enfeitar
Cada um é tão bonito quanto possa imaginar
Sou sambista, minha arte é universal
O que importa é estar na moda, no desfile principal
Me visto de ilusão, transbordo de emoção
Sou chique estou no Carnaval

Lá vem ela toda prosa, gostosa, fiu fiu
A beleza tá no seu interior 
(bis)
Nos olhos de quem vê, no verdadeiro amor

Diga espelho meu, no swing dessas feras
Tem mais bela do que eu? Ele respondeu
No reino encantado, quem nasce pra brilhar, jamais se apagará
Mamãe tô forte e tenho sorte
Meu charme é passaporte para ser superstar
Eu tô na tela da TV (eu sou, eu sou)
Sou a cara da riqueza
Tiro foto de mim mesmo, eu só quero aparecer
Vim sem nada pra vida, nada vou poder levar
O coração me diz que a eterna juventude é ser feliz... ser feliz!

A Ilha chegou, a festa começou
O show é da comunidade (bis)
Sem desmerecer ninguém
Sou a mais linda encantando a cidade

2016

Enredo: Olímpico por Natureza. Todo Mundo se Encontra no Rio
Compositores: Marquinhus do Banjo, Capitão Barreto, Miguel, Roger Linhares, Paulo Guimarães, Dr. Robson, Jamiro Faria e Gugu das Candongas

Vem, chega mais perto, sente o meu calor
Bem-vindo à Ilha do Governador
Braços abertos, vou te ver chegar
Os deuses, por Zeus abençoados
Pra terra onde o sol é mais dourado
É lindo o meu amanhecer
Águas... que vão me banhar, serenas...
Descendo ao encontro do mar
Vem nas minhas ondas mergulhar

Trilhar caminhos de rara beleza
No solo sagrado com a mãe natureza (bis)
Poder voar no azul infinito
Do alto sou ainda mais bonito

Ser carioca é tipo assim
Paixão, prazer, amor sem fim
Se misturar pela cidade
Compartilhar felicidade
Firma a batida na palma da mão
Os Jogos vão começar
Já somos todos irmãos
Os deuses querem ficar
E todo mundo cai no samba
Na ginga, no batuque e no compasso
Alô meu Rio, aquele abraço

Medalha de ouro a nossa União
Bordada nos louros do meu pavilhão
A minha alegria encanta você (bis)
Meu maior desejo é vencer ou vencer
Ilha... razão do meu viver

2017

Enredo: Nzara Ndembu - Glória ao Senhor Tempo
Compositores: Marinho, Lobo Junior, Felipe Mussili, Beto Mascarenhas, Dr. Robson, Rony Sena, Marcelão da Ilha, MM e Gusttavo Clarão

Êh êh no girê, êh no girê
Macurá dilê no girá (bis)
É tempo de fé, União
O tambor da Ilha a ecoar


Dos bantos Nzambi o criador…
Giram ampulhetas da magia
Salve rei Kitembo
Nzara Ndembu em poesia
Pra dar sentido à vida, transformar…
Numa odisseia rasga o céu, alcança a terra
Sagrada é a raiz Nzumbarandá
Katendê, segredos preserva
Avermelhou, Kiamboté nos fez caminhar
Na luta entre o bem e o mal, forjou Kiuá
Senhores sagrados irão celebrar
Kukuana é fartura, natureza a festejar

Ndandalunda a me banhar (me banhar)
Seiva que brota do chão
Em rituais de purificação
E no balanço da maré (da maré)
Samba Kalunga nos traz
Rara beleza e peixes abissais

A chama ardente é fogo
O fogo que queima é paixão
É Nzazi fazendo justiça
Na força de um trovão
Que dita as leis do universo
E nos ensina a lição
Quando o sol beijou a lua
Viu no céu inspiração
Matamba soprou…
O vento levou pra Angola reinar
Plantou o amor…
A árvore da vida é a vida que dá