PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

SIDNEY MORENO

SIDNEY MORENO

      

     

       Nome Completo: Sidnei Jorge Mairins

     

       Ano de nascimento: 1960

           

                                                                     

Sidney Moreno, carioca da gema e botafoguense roxo, começou seus primeiros passos no carnaval nas rodas de samba de Pilares, nos anos 80.
Sua primeira escola de samba foi a Caprichosos, onde em 1987 já cantava como apoio de Carlinhos de Pilares, ficando por lá durante quatro carnavais. Logo em seguida se transferiu para a São Clemente, onde juntamente com Izaías de Paula e Geraldão formou uma trinca afinada de intépretes que a cada ano se revezavam na avenida. Sidney Moreno foi o cantor principal em 1991, ano do polêmico enredo “Já vi esse filme” (Manelzinho Poeta, Jorge Moreira, Caburé, Jorge Melodia e Haroldo Pereira). Após cinco anos consecutivos no Grupo Especial – fazendo sucesso com seus enredos críticos e de cunho social – a escola de Botafogo foi rebaixada. No ano seguinte, permaneceu como microfone número 1 da São Clemente, ao cantar o samba “E o salário, ó” (Chocolate, Helinho 107, Maurício, Ricardo Góes e Naldo), no Grupo 1-B.

Em 1993, Sidney foi contratado pela Arrastão de Cascadura, que, no ano anterior, tinha se sagrado campeã do Grupo 2. Com o enredo “Quem canta seus males espanta” (Betinho, Nery e Valdo), a escola foi a penúltima colocada (15º lugar) do Grupo 1-B. Como não houve rebaixamento naquele ano, a entidade não caiu. Para o carnaval de 1995, Sidney Moreno se transferiu para a Unidos do Cabuçu, que homenageou os 60 anos do Teatro Rival. No carnaval do ano seguinte, defendeu na avenida “Do reclame ao merchandising, a história da propaganda no Brasil” (Beto Pernada, Carlos Werneck, Jadir, Karlinhos Madureira, Ney e Sérgio Magnata), merecedor do Estandarte de Ouro de melhor samba do Grupo de Acesso, prêmio oferecido pelo jornal O Globo.

Dono de uma poderosa voz grave, Sidney revelou, em uma reportagem realizada pelo jornal O Globo, às vésperas do carnaval de 1991 (quando desfilaria pela São Clemente, no Grupo Especial), os segredos para aguentar o esforço de cantar durante 80 minutos sem desafinar ou correr o risco de perder a voz: não beber, não fumar e não usar qualquer tipo de drogas. “Além disso, chupo pastilhas e gargarejo com água morna e limão. Repouso bastante e nunca bebo nada gelado. Água é sempre sem gás e na temperatura ambiente, para não agredir a garganta”, declarou o intérprete ao jornal na edição de 09 de fevereiro de 1991.

Após essa fase intensa de ser o cantor principal na avenida, Sidney Moreno se afastou dos holofotes carnavalescos e foi seguir outros rumos. Retornou à folia desta vez trajando as cores verde e branca e atualmente pertence à ala de compositores da Mocidade Independente de Padre Miguel. Trocou o nome artístico e hoje assina Sidd Jorge Moreno.

Sidd já trabalhou como segurança do metrô do Rio e sua atuação profissional hoje é de motorista.

Início: Caprichosos de Pilares (meados dos anos 1980).
1987 a 1990 - Caprichosos de Pilares (apoio de Carlinhos de Pilares, J. Leão e Aroldo Melodia)
1991 e 1992 - São Clemente (cantor principal)
1993 - Arrastão de Cascadura
1995 e 1996 - Unidos do Cabuçu

GRITO DE GUERRA: Arrebentaaaa (diz o nome da escola). Sapeca iaiá! No suingue, no suingue!  

GRITOS DE EMPOLGAÇÃO: “Lindo, lindo, lindo”; “arrebenta, bateria”; “vâmu lá”; “vaaai”; “no suingue, no suingue”; “o que que tem?”; “vamos lá minhas baianas”.

MAIS FOTOS DE SIDNEY MORENO

 
Foto atual de Sidney Moreno


Puxando a São Clemente em 1991 (imagem enviada pelo internauta Igor Munarim)

 
O distintivo no cavaquinho denuncia o torcedor botafoguense


 


"Mostrando a minha identidade, eu posso mostrar a verdade a essa gente, como eu sou da Mocidade Independente..."