PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

Sambas da década de 40

Sambas da década de 40

Aqui serão analisados os sambas datados entre 1941 e 1950. Se você conhece sambas antigos e quer comentá-los, escreva um texto sobre cada um e envie para sambariobr@yahoo.com.br , que iremos publicá-lo neste espaço.

CONFERÊNCIA DE SÃO FRANCISCO - PAZ UNIVERSAL (Prazer da Serrinha - 1946) - Este samba marca um momento crucial no carnaval carioca. A Prazer da Serrinha era presidida por Alfredo Costa, que determinava os rumos da escola, comandando tudo com mão de ferro. Em 1946, a escola escolheu o samba de Silas de Oliveira e Mano Décio da Viola. Trata-se daquele que talvez seja o primeiro samba-enredo da história. A Portela já tinha feito alguns carnavais temáticos, mas "Conferência de São Francisco" seria a primeira vez que uma escola contaria uma história. Para quem não sabe, a Conferência de São Francisco serviu para a criação da Organização da Nações Unidas - a ONU. Entretanto, na hora do desfile, o presidente resolveu obrigar a comunidade a cantar um samba de terreiro, o que gerou uma revolta geral. Por conta disso, Sebastião de Oliveira, o Molequinho, e seus amigos, resolveram fundar uma nova escola. Em março de 1947, surge o Império Serrano, com uma filosofia nova, diferente: a democracia. No mesmo ano, as outras escolas já passam a desenvolver sambas de enredo - a Mangueira, por exemplo, apresenta o belo "Brasil, Ciências e Artes". A história dos desfiles começa a mudar. E o marco inicial é este samba, que apesar de não ter servido ao desfile, entrou para a história. Com relação aos comentários: julgá-lo, sessenta anos depois, é complicado. Em 1946, a realidade era outra. O próprio gênero "samba-enredo" inexistia. Não existiam muitas referências; as fórmulas de composição ainda não tinham sido desenvolvidas por milhares de compositores ao longo dos anos; não havia clichês para se apoiar. Silas de Oliveira e Mano Décio da Viola praticamente partiram do zero. E mesmo assim, temos um belo samba, iniciado por uma "lá iá lá ia", que acabou se tornando constante nos sambas que se seguiram. A melodia é bem diferente do que estamos acostumados a ouvir, apesar da idéia de sustentação do tom ser mais presente do que a da viariação. É visível a intenção dos compositores de fazer uma obra que servisse perfeitamente para o canto de centenas de pessoas. A letra é bem simples, mas longe de ser simplória. As rimas são inteligentes, como "latina/Argentina" "interferência/conferência". É bem curta, para facilitar a memorização. Enfim, é um samba bem interessante e tem de ser ouvido com uma mentalidade diferente de quem ouve o CD das escolas de samba deste ano. A faixa pode ser encontrada na voz do próprio Mano Décio da Viola, no disco "O Legendário Mano Décio da Viola". NOTA DO SAMBA: 8,8 (João Marcos). Clique aqui para ver a letra do samba

CIÊNCIA E ARTE (Mangueira - 1947) - A autoria deste samba é ninguém mais que Agenor de Oliveira e Carlos Moreira de Castro, ou melhor dizendo, Cartola e Carlos Cachaça. A obra aborda um tema bastante complexo, parecendo ser de difícil leitura. Porém, um enredo complexo não é problema nenhum para esta dupla. A letra é de uma simplicidade de dar inveja a qualquer compositor. Uma melodia leve como uma pluma. A leveza e simplicidade foram o ponto exato para consagrar o vice-campeonato da escola. E a parte "Quero neste pobre enredo / Revivê-los glorificando os nomes teus / Levá-los ao pantheon / Dos grandes imortais / Pois merecem muito mais" é um primor! Muito bonito mesmo, um dos melhores dos anos 40 e da história da escola! Pouco tempo atrás, li um artigo falando um pouco da vida do grande físico brasileiro César Lattes, o homenageado do enredo, junto com Pedro Américo. Nele, constava que César já esteve perto de ganhar o prêmio Nobel, mas na verdade nunca o ganhou. Porém disse que o maior prêmio que poderia ter ganho não era o Nobel, mas uma manifestação popular: este samba-enredo! Não é comum que cientistas saiam por aí recebendo homenagens de músicos populares. Ainda mais no Brasil, um país onde a física padece de desconhecimento e falta de incentivos. O enredo de 1947 teve sua razão de ser. Ele não partiu, espontaneamente, da vontade dos sambistas, mas pelo fato de seu nome correr o mundo após ele ter descoberto e provado a existência da partícula méson pi (e eu sei lá o que é isso!). Só sei que o samba é lindo (ah, isso é sim)! O samba sempre emocionou o cientista, assim como emociona qualquer um que o ouça, inclusive eu. Foi gravado pelo próprio Cartola no LP "Cartola 70 Anos", de 1979. Em 1997, Gilberto Gil o regravou no álbum "Quanta" e recebeu o prêmio Grammy na categoria World Music. Tenho ambas regravações, sendo a de Gil muito mais lírica e animada. NOTA DO SAMBA: 10 (Gabriel Carin). Clique aqui para ver a letra do samba

VALE DO SÃO FRANCISCO (Mangueira - 1948) - Para vocês que pensavam que a verde-e-rosa só homengeou o Rio São Francisco em 2006, estavam errados! Em 1948, a Mangueira tirou 4º lugar, assim como em 2006, com enredo sobre o Velho Chico. O samba daquele ano também é sensacional, assim como muitos outros da agremição. A única diferença é que este não tinha jogada política, já que o carnavalesco Max Lopes fez este enredo de 2006 com o objetivo de apoiar a transposição do Rio São Francisco. Vi muitas reportagens dizendo que esse projeto do Governo Lula pode não dar certo e até secar o Rio, visto que seu curso seria desviado. Ou seja, a Mangueira apoiou algo que é muito perigoso, pois é melhor um pássaro na mão que dois voando (melhor um rio em seu curso normal, do que um correndo o risco de secar)! Voltando a falar do carnaval, a melodia mantém a categoria de sempre da dupla Cartola-Carlos Cachaça. Falando de melodia, chama bastante atenção o modo rápido e potente em que a parte "E se vires poeta o vale/ O Vale do rio em noite invernosa / Em noite de estio / Como um chão de prata / Riquezas estranhas" inicia a segunda parte do samba após o trecho interpretativo "Pergunta o poeta esquecido...". Inclusive, pra mim, a melhor parte da obra é esse trecho da pergunta do poeta e da resposta do campestre. A letra sabe exaltar muito bem o local e conta o enredo de modo fantástico. Muito bom mesmo, porém gosto mais do samba do ano anterior. Em 1947, os compositores conseguiram um equilíbrio de leveza e simplicidade bem mais perfeito que no ano seguinte. Mas, nada vai tirar o brilho de "Vale do São Francisco"! Um detalhe muito importante: este foi o último samba que Cartola e Carlos Cachaça fizeram para a Mangueira. Era um fim de uma era dourada no carnaval carioca. Neste ano de 1948, a agremição verde-rosa foi a primeira a colocar som no desfile e dizem que Cachaça se emocionou muito ao ouvir seu samba tocado pelos modestos equipamentos de áudio. Depois, a dupla começou a se afastar da escola, alegando que suas músicas eram esnobadas e que os sambas-enredo iam ficando cada vez mais distantes das obras deles. Se eles reclamavam naquela época, imagina hoje! O samba pode ser encontrado em muitas versões diferente. Foi gravado por Nuno Veloso num LP de 1960; pela Velha Guarda da escola em 1999 no CD "Mangueira - Sambas de terreiro e outros sambas"; pelo grande Abílio Martins no volume 6 da coletânea Som Livre "História das escolas de samba" (1976) e pelo próprio Cartola em 1974, no disco da Mangueira da coletânea "História das escolas de samba" do produtor Marcus Pereira. Todavia, no ano seguinte daquele carnaval (em 1949), iniciava-se o trabalho do maior cantor de samba de todos os anos: Jamelão começou sua trajetória na Estação Primeira de Mangueira! NOTA DO SAMBA: 9,9 (Gabriel Carin). Clique aqui para ver a letra do samba