PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

UNIDOS DO PAIOL

UNIDOS DO PAIOL

PRESIDENTE Michel Laczynski
CARNAVALESCOS Charlton Júnior e Michel Laczynski
INTÉRPRETE Marcinho do Umarizal
CORES  Verde, Azul e Branco
FUNDAÇÃO 20/03/1991
CIDADE-SEDE Nilópolis-RJ
SÍMBOLO Pomba
SITE http://mrlmonteiro81.wix.com/unidosdopaiol

A Unidos do Paiol surge em 20 de março de 1991 como uma escola de maquetes com desfiles caseiros no bairro Paiol em Nilópolis. Sua transformação em escola virtual se dá em 2004 com sua entrada na LIESV (Liga Independente das Escolas de Samba Virtuais) onde se filiou e passou a participar do Grupo de Acesso a partir de ano de 2005 com enredo sobre a educação.

As cores originais são o azul e branco, em homenagem à Beija-Flor de Nilópolis, escola de seu município de origem. O verde entrou apenas em 2005 quando seu presidente passou a integrar a bateria da escola de samba União de Jacarepaguá e se apaixonou pela escola do Campinho.

A Unidos do Paiol desfilou dois anos na LIESV. Em 2005 com o enredo “Educação: Direito de Todos, Utilizado Por Poucos – A Pomba Voa Para o Futuro! É o Paiol Melhorando o Mundo” e em 2006 com o enredo “O mais importante é o Amor”. Apesar de não conseguir o acesso, a escola nilopolitana conquistou admiração e respeito dos integrantes do Carnaval Virtual.

Para 2007 houve a contratação do carnavalesco Raphael Soares, a escola contaria a história de sua cidade, mas a escola acabou enrolando sua bandeira em Dezembro de 2006 e de lá pra cá esteve fora do Carnaval Virtual.

Em 2015 aconteceu o retorno triunfal da pomba nilopolitana aos desfiles virtuais da Liga Independente das Escolas de Samba Virtuais. Filiada à CAESV, a Unidos do Paiol trouxe um belíssimo samba e enredo intitulado “João Saudade!”. A escola nota 10 em enredo ficou com a 8ª colocação e conseguiu sua ascensão ao Grupo de Acesso da LIESV para 2016.

2016 a Paiol retornou à LIESV e traz um enredo de cunho crítico com o título: “2016. Rio, cidade calamitosa”, com o objetivo de fazer um grande carnaval e continuar construindo sua história no Carnaval Virtual. A escola terminou o Grupo de Acesso em sexto.

“Seja noite ou seja dia, brilha a lua ou o sol
Na avenida brilha a Unidos do Paiol”

Ano

Enredo

Colocação

2017 Libertos nunca Fomos! -º (Acesso)
2016 2016. Rio, cidade calamitosa 6º (Acesso)
2015 João Saudade 8º (CAESV)
2006 O mais importante é o Amor 6º (Acesso)
2005 Educação, um direito de todos, utilizado por poucos. A pomba voa para o futuro, é o Paiol melhorando o mundo! 5º (Acesso)

SINOPSE ENREDO 2017

Libertos nunca Fomos!


Assim conta a história
Que uma princesa “bondosa”
Em uma divina inspiração
Assinaria a lei da libertação

Mas em além-mar, lá em Portugal
Impulsionados pela Revolução Industrial
Um sopro ideológico bretão surgiu:
“Era preciso consumir o que se produziu”

Logo floresceu o ideal do lado de cá
Libertar então para “escravizar”
Não apenas uma raça afinal
Mas uma escravidão social

Cantam os negros em louvor
A sonhada liberdade chegou
Mas o que a história omitiu
É que a Lei Áurea apenas iludiu

Novas formas, novos contornos
Mas velhos castigos e transtornos
A chibata volta a estalar
Não sentiremos e ainda vamos gostar

Uma nova Casa Grande se institui
Em bancos, empresas e indústrias se constitui
Uma nova Senzala nos abrigará
Em favelas e guetos a se formar

Mudam a forma dos antigos tumbeiros
Que viram transportes perigosos e cheios
Escravos do consumo e da ostentação
Cegos pelo capital, a nova escravidão

E os senhores do poder
Parecem limites não conhecer
Sempre prontos e dispostos a conquistar
Não importando a quantos precisará sangrar

E aos poucos vão roubando nossos direitos
Transformando nosso suor em dinheiro
Rasgando as leis e convenções
Nos acorrentando em seus grilhões

É preciso lutar, manter nosso ideal
De que uma real Lei Áurea surja afinal
É preciso enfrentar, resistir
Ser os novos inconfidentes a surgir

Neste carnaval virtual
A Paiol conclama afinal
É hora de lutar por nossos direitos
E por mais dignidade e respeito

Sem perder a força, nem a ternura
Também é hora de acabar com nossa clausura
Num desfile de resistência e fulgor
Vem sambar para abrandar a dor

Michel Laczynski
Autor do Enredo