PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

NEGUINHO DA BEIJA-FLOR

NEGUINHO DA BEIJA-FLOR

       

     

        Nome Original: Luís Antônio Feliciano Marcondes

 

 

        Ano de nascimento: 1949   

                                                                      

   
          O público presente à passarela instalada no Mangue na noite de 29 de fevereiro de 1976 assistiu surpreso e estupefato aquela desconhecida escolinha de samba vinda da Baixada Fluminense que apresentava um enredo sobre o jogo do bicho. O povão nas arquibancadas ficou mais surpresa ainda com um jovem de pouco mais de 25 anos e, com uma voz potente, cantava “Sonhar com rei dá leão”, um animado samba de sua autoria e, volta e meia, gritava ao microfone, como se apresentasse sua até então semi-obscura agremiação ao público, insistindo: olha a Beija-Flor aí, gente! Bem, depois daquele desfile, todos sabem o que aconteceu. A “escolinha” agigantou-se, virou Beija-Flor de Nilópolis, ficou conhecida no Brasil e no mundo inteiro e floriu para o carnaval grande parte de seus componentes: a destaque Pinah, o patrono Aniz Abrahão David, recuperou o nome do ex-salgueirense Joãosinho Trinta (que praticamente inventou a profissão de “carnavalesco”) e apresentou para todos o ex-soldado do Corpo de Bombeiros Luís Antônio Feliciano Marcondes, o Neguinho da Beija-Flor.

Antes de ser Neguinho da Beija-flor, Luis Antônio – nascido em Vila Isabel – foi Neguinho da Vala, no início da década de 70, época em que cantava no então bloco carnavalesco Leão de Nova Iguaçu. Em 1975, mudou-se para Nilópolis, entrou para a Beija-Flor e ganhou o concurso de samba-enredo para o carnaval do ano seguinte. Em seguida, a emergente agremiação emplacou um tricampeonato e Neguinho era uma das marcas da escola.

Além de samba-enredo, Neguinho também compõe sambas românticos, partido alto e pagode. Em 1979, emplacou nas paradas o samba “O campeão”, lançado em compacto, até hoje executado e entoado nas arquibancadas dos estádios de futebol. De lá para cá, já gravou mais de 20 discos e firmou-se como um grande intérprete e compositor da MPB. É um caso raro de puxador de samba que permanece na mesma escola – no ano que vem completará 30 carnavais ininterruptos pela BF. Pequenas exceções foram feitas em 1980, quando ajudou a puxar o samba "Delmiro Gouveia" pela Unidos da Tijuca (onde Laíla, atual diretor de carnaval da Beija,  atuava na época); em 1998, quando cantou o samba da Mocidade Alegre, em São Paulo; e em 2005, no fim de fevereiro (num desfile fora de época), quando foi o intérprete da escola Os Rouxinóis, de Uruguaiana, interior do Rio Grande do Sul. Nestas três ocasiões, é óbvio que Neguinho também puxou a sua Beija-Flor nos mesmos anos.

Em 2009, viveu um momento especial. Mesmo tratando de um câncer no intestino, Neguinho puxou a Beija-Flor na avenida com uma performance irrepreensível, motivada principalmente por seu casamento, realizado minutos antes do começo do desfile na concentração da Marquês de Sapucaí, centralizando todas as atenções e motivando um dos acontecimentos mais marcantes dos últimos anos no Sambódromo.

Neguinho da Beija-Flor já conquistou 13 campeonatos no Grupo Especial e incontáveis vices. Em seis oportunidades a escola desfilou com sambas de sua autoria. Foi agraciado com cinco Estandartes de Ouro (1985, 2002, 2003, 2009 e 2013).

 
INÍCIO: Bloco Carnavalesco Leão de Nova Iguaçu (1970)

De 1976 até hoje – Beija-Flor de Nilópolis  

1980 - Unidos da Tijuca (apoio)

1998 – Mocidade Alegre (SP)  

2000 - X-9 (Santos)

2005 - Os Rouxinóis (Uruguaiana-RS)

2014 - Tradição (participação especial no CD)

2016 - Tatuapé (SP - participação especial no CD)

GRITO DE GUERRA: Olha a Beija-Flor aí, gente!

CACOS DE EMPOLGAÇÃO:chora, cavaco”; “bonito”; “alô, Nilópolis”; “o couro tá comendo”; “beleza, beleza, beleza”; “alô papai, a família Beija-Flor te ama”; “vaaaaaaaaai”; “vai morrer o pagode!

SAMBAS DE SUA AUTORIA: "Sonhar com rei dá leão" (76); "Criação do mundo na tradição nagô" (78); "Carnaval do Brasil, a oitava das sete maravilhas do mundo" (81, com Dicró, Nego e Picolé); "A grande constelação das estrelas negras" (83, com Nego); "O gigante em berço esplêndido" (84, com Nego); "Há um ponto de luz na imensidão" (92, com Dinoel Sampaio e Itinho); "A deusa da passarela" (samba de quadra).

ESTANDARTE DE OURO: 5 (1985, 2002, 2003, 2009 e 2013). Conquistou o Prêmio Sambario de melhor intérprete e personalidade em 2009. Foi o melhor intérprete pelo Prêmio Sambario também em 2011. Possui um Estrela do Carnaval de intérprete do Especial de 2009 e cinco Tamborins de Ouro de Voz da Avenida em 2002, 2005, 2006, 2013 e 2014, além de um Tamborim de personalidade em 2009 e um Tamborim de Ouro de intérprete da década recebido em 2007.

MAIS FOTOS DE NEGUINHO DA BEIJA-FLOR


Em 2009, defendendo a Beija-Flor em pleno tratamento contra o câncer, com a esposa (com quem casara em plena Sapucaí minutos antes) ao fundo








Com o irmão, Nêgo, no começo da década de 80


Com Paulinho Mocidade (foto cedida por Igor Munarim)


O abraço dos irmãos

Voltar à seção Intérpretes