PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

MOISÉS SANTIAGO

MOISÉS SANTIAGO

       

 

               Ano de nascimento: 1966

 

 

 


               

                                                                    

   
Moisés Santiago é um exemplo da renovação com qualidade no mundo do samba. Além de ser bastante atuante no carnaval, Moisés também tem vida própria como autor de MPB. Formado nos pagodes e rodas de samba do Cacique de Ramos, ele foi responsável por diversos sucessos nas vozes de Almir Guineto, Beth Carvalho, Fundo de Quintal, Grupo Raça e Dudu Nobre.

Muito jovem ainda, Moisés Santiago estreou como intérprete oficial em 1992, ao vencer a disputa na Tradição com “O espetáculo maior... as flores”. Mesmo com a queda para o Grupo A, o cantor prosseguiu no ano seguinte quando, com “Não me leve a mal... é carnaval”, conquistou o campeonato e ajudou a escola de Campinho a retornar para a elite do carnaval. Em 96, foi apoio de Edmilton de Bem na condução de um samba seu, ainda na Tradição.

A partir daí, Moisés Santiago passou a peregrinar em várias escolas, concorrendo nas disputas da Tradição, Imperatriz Leopoldinense e Salgueiro, entre outras. Em 1998, aceitou o desafio de ingressar no carnaval paulistano e defendeu a Barroca Zona Sul até 2000, quando se transferiu pra Imperador do Ipiranga, onde foi a voz oficial por 10 anos. No Salgueiro, venceu por três vezes o concurso dos hinos oficiais da escola para os carnavais de 2005, 2006 e 2009. Nos últimos anos, vem emplacando obras na Imperatriz Leopoldinense. Em 2015, chegou a presidir a Acadêmicos da Abolição e ainda trabalhou na direção de carnaval da Caprichosos de Pilares.

O modo de interpretação de Moisés Santiago é caracterizado como animado, com preferência para o samba de empolgação.

 
Primeiro ano como intérprete oficial: 1992

1992 e 1993 – Tradição

1996 – Tradição (apoio de Edmilton de Bem)

1998 a 2000 - Barroca Zona Sul (SP)

2000 a 2010 – Imperador do Ipiranga (SP)

2005 - Salgueiro (apoio de Quinho)

2013 - Viradouro (apoio de David do Pandeiro, Diego Nicolau, Gilberto Gomes e Niu Souza)

 

GRITO DE GUERRA: Que emoção! Bate forte coração!

 

CACOS CARACTERÍSTICOS:em cima!”; “segura, segura, segura”; “se dedica, minha escola”; “dá show, dá show”; “alegria, minha harmonia”; “baila minha porta-bandeira... agita meu mestre-sala”; “alô, minha velha guarda”; “maravilha... maravilha”; “lindo, lindo, lindo”; “tá bonito demais”; “tá certo, tá certo”; “sacode, minha bateria”; “canta, minha escola”; “quero ouvir, quero ouvir”.

 

SAMBAS DE SUA AUTORIA:O espetáculo maior... as flores” (Tradição/92, com Luizinho Professor e Toninho); “Do barril ao Brasil” (Tradição/96, com Luizinho Professor); “Imperador na Velha República” (Imperador do Ipiranga/2000, com Djalma Falcão, Jota R, Wanderley Alemão e Vicentinho); “Sonhando, brincando e sambando - toda criança tem um brinquedo no coração” (Imperador do Ipiranga/2001, com Amador, Dodô, Jackson Baianinho, Richard e Wanderley Alemão); Do fogo que ilumina a vida, Salgueiro é a chama que não se apaga” (Salgueiro/2005, com Fernando Magaça, Luiz Antônio e Waltinho Honorato); Microcosmos: o que os olhos não vêem, o coração sente (Salgueiro/2006, com Waltinho Honorato, Fernando Magaça, Paulo Shell, Tiãozinho do Salgueiro, Abs, Leonel e Luizinho Professor); Tambor (Salgueiro/2009, com Paulo Shell, Leandro Costa e Tatiana Leite); "Paixões Proibidas e Outros Amores" (Nenê de Vila Matilde/2014, com Gabriel Cacique, Luciano Rosa, Marcelo Careca e Nilson Feijão); “É o amor que mexe com a minha cabeça e me deixa assim. Do sonho de um capira nascem os filhos do Brasil” (Imperatriz Leopoldinense/2016, com Zé Katimba, Adriano Ganso, Jorge do Finge e Aldir Senna); "Xingu - O Clamor que vem da Floresta" (Imperatriz/2017, com Adriano Ganso, Jorge do Finge e Aldir Senna) e "África de Todos Nós" (Os Rouxínóis/2017, com João Pedro Silva, Wagner Mariano, Claudio Piegas e Delson Patrício).