PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

MÁRCIO SOUTO

MÁRCIO SOUTO

                                    Nome completo: ????

 

 

            Ano de nascimento: ???? 

 

 

            

                          

   
Márcio Souto surgiu para o grande público em 1993, ao gravar o samba "Não existe pecado do lado de lá do Túnel Rebouças", pela Caprichosos de Pilares. Em sua estréia como puxador no Grupo Especial, teve a árdua tarefa de substituir o mítico Carlinhos de Pilares. Desde então, o cantor teve uma carreira meteórica, até seu sumiço dos carros de som a partir de 2000.

Ao gravar o samba em 93, Márcio Souto se limitava a apenas interpretar o samba, arriscando pouco nos cacos de empolgação. Com o passar dos anos e adquirindo mais cancha, o intérprete, além de aperfeiçoar o canto, foi se deixando contagiar e passou a transmitir mais vibração na avenida.

Após uma estréia não muito feliz (a Caprichosos enfrentou problemas naquele desfile e só não foi rebaixada graças ao tapetão), Márcio Souto não teve continuidade na escola e foi substituído por Luizito. No ano seguinte, o cantor se transferiu para a Canários das Laranjeiras, que ainda engatinhava como escola de samba, depois de uma trajetória de 40 anos como bloco. Márcio puxou o samba "Quem é bom já nasce feito", vencedor do Estandarte de Ouro do Grupo A daquele carnaval. No ano seguinte, no entanto, um fato inusitado marcou a carreira do intérprete: a escola enfrentou problemas estruturais e as fantasias de diversas alas - entre elas, a bateria - não ficaram prontas a tempo do desfile. Os ritmistas não se apresentaram no sambódromo e a Canários das Laranjeiras entrou na Marquês de Sapucaí sem os componentes da bateria, apenas com um surdo de marcação pontuando o samba. Márcio Souto, os cantores de apoio e os componentes da Canários levaram o samba "Seu conductor, dim dim, seu conductor" literalmente à capella. O esforço, no entanto, não foi suficiente para a escola da Zona Sul escapar do rebaixamento.

Após a infeliz experiência no bairro das Laranjeiras, o intérprete exerceu dupla função no carnaval de 1997: foi contratado para defender a São Clemente, que desfilaria no Grupo A e também foi anunciado como o cantor oficial da Acadêmicos do Cubango, que desfilaria no Grupo B. Para o carnaval do ano seguinte, Márcio Souto iria repetir a dobradinha São Clemente/Cubango. No entanto, a São Clemente não conseguiu uma vaga para o Grupo Especial. A escola terminou empatada em primeiro lugar com o mesmo número de pontos de Tradição e Caprichosos. Como apenas duas entidades subiriam, a São Clemente acabou preterida pelos critérios de desempate. A entidade se sentiu prejudicada e recorreu à Justiça para assegurar a presença no desfile principal em 1998, o que acabou não ocorrendo. Como não seria possível cantar em duas escolas da mesma categoria - já que a Cubango havia subido para o Grupo A -, Márcio Souto teve que optar e preferiu permanecer na escola de Niterói, cedendo seu lugar na amarelo e preto da Zona Sul para David do Pandeiro.

Em 1999, com a classificação da São Clemente para o Grupo Especial, Márcio Souto novamente foi recontratado e chegou a gravar o samba "A São Clemente comemora e traz Rui Barbosa para os braços do povo" no disco oficial. No entanto, logo em seguida, foi substituído por Serginho do Porto, que cantou o samba na avenida. O mesmo aconteceu na Cubango: o intérprete gravou o samba de 1999 da escola de Niterói, mas foi substituído por Rixxa na avenida. Desde então, Márcio Souto não figurou mais nos carros de som na Marquês da Sapucaí. Chegou a comandar um conjunto, o Samba Solto. Como compositor, teve canções gravadas pelo Grupo Revelação, como "Coração Radiante".

 Primeiro ano: Caprichosos de Pilares, em 1993
1993 - Caprichosos
1994 - Canários das Laranjeiras
1995 - Canários das Laranjeiras
1997 - São Clemente e Cubango (grupo B)
1998 - Cubango (grupo A). Também gravou o samba da São Clemente num CD-demo produzido pela escola, mas não cantou na avenida.
1999 - São Clemente e Cubango (só gravou os sambas no CD, mas não cantou na avenida)

GRITO DE GUERRA: Briiilha (diz o nome da escola)! Canta (diz o nome do bairro)!

CACOS CARACTERÍSTICOS: "ih, quero ouvir bateria"; "que beleza"; "que liiiindo"; "roda, baiana"; "tá chegando a hora"; "aja coração"; "vamos lá, gente"; "sacode, sacode"; "só no suíngue".

SAMBAS DE SUA AUTORIA: "Os pontos de nossos contos" (Cubango/97, com Boró, Fernando de Lima e Márcio André); "Nausicaa - A odisséia cubanga nos verdes mares" (Cubango/98, com Boró, Fernando de Lima, Huguinho e Marcio André).

MAIS FOTOS DE MÁRCIO SOUTO


As duas últimas fotos foram batidas por Rixxa Jr e mostram Márcio puxando o samba da Caprichosos em 1993 na Sapucaí