PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

INDEPENDENTE DA PRAÇA DA BANDEIRA

INDEPENDENTE DA PRAÇA DA BANDEIRA

FUNDAÇÃO  26/03/76
CORES  Verde, Branco e Azul
QUADRA  Rua Clemente P. Leandro, 25
São João de Meriti
Telefone: 2651-2308
Fax: 2757-2207
BARRACÃO Praça Almirante Mariath, 63
Santo Cristo
LEMA  100% Meriti

 

RESULTADOS - SAMBAS-ENREDO

 

HISTÓRICO

 

A escola de samba Arrastão de São João passou a se chamar Independente da Praça da Bandeira, porque, em 2001, se juntou com um Bloco (de mesmo nome), na Localidade de Praça da Bandeira, no Município de São João de Meriti, e não, na famosa Praça que todos nós conhecemos, próximo ao Estácio e a Vila mimosa. O Bloco sempre foi muito mais forte que a escola, em São João de Meriti, por isso, a diretoria da agremiação, optou pela união das duas agremiações.

 

Com o novo nome, a Independente conseguiu uma grande ascensão a partir do primeiro ano em que desfilou, já sendo campeã em 2002 e levantando o caneco também em 2003 e 2004. Permaneceu no Grupo B de 2005 a 2009, apresentando na Marquês de Sapucaí belíssimos sambas de enredo. Em 2010, desfilará no Grupo C na Intendente Magalhães e, em virtude da fusão da antiga Independente da Praça da Bandeira com a Unidos do Coqueiro, a escola estreou um novo nome no carnaval 2010: Independente de São João de Meriti. A nomenclatura deu sorte, com o título do Grupo C que devolveu à agremiação o direito de desfilar na Sapucaí em 2011. Porém, a Independente ficou em penúltimo lugar no Grupo B e enrolou a bandeira depois aquele carnaval.

'

Para 2018, a escola se filiou à LIESB e está inscrita para desfilar na Série E, retomando assim suas atividades.

 

RESULTADOS DA ESCOLA

 

2002 - 1ª no Grupo E
No Movimento das Águas, Sou Fonte de Vida e Luta em Defesa da Preservação
Comissão de Carnaval

 

2003 - 1ª no Grupo D
Bio-diversidade com Justiça Ambiental: o Ouro Verde voltará a Brilhar
Comissão de Carnaval

2004 - 1ª no Grupo C
Oswaldo Cruz, o médico do Brasil no Palácio da Saúde
Soler Vianna

 

2005 - 9ª no Grupo B
Josué de Castro: Ecoa um grito contra a fome, pela cidadania e pela paz na Terra
Amarildo de Mello

2006 - 9ª no Grupo B
O sertão vai virar mar, o Velho Chico quem vem avisar
Comissão de Carnaval

 

2007 - 12ª no Grupo B
Ecoa um grito de liberdade nos Quilombos da Baixada
Comissão de Carnaval

 

2008 - 6ª no Grupo B
Viagem Fantástica ao Mundo do Circo: seja de Lona ou Social
Ricardo Paulino e Humberto Abrantes

fd

2009 - 12ª no Grupo B
Redescobrindo a História e a Cultura do Rio de Janeiro
Ricardo Paulino e Ricardo Netto

.

2010 - 1ª no Grupo C
Da chibata à gravata, São João canta a africanidade
Robson Goulart

.

2011 - 11ª no Grupo B
Refavela
Robson Goulart

.

SAMBAS-ENREDO

2004

Enredo: Oswaldo Cruz, o Médico do Brasil no Palácio da Saúde
Autores: Nino do Cabuis, Marcelo Marron, Adalto Adm e Paulo Lopitas


Diz a história que outrora

Em São Luiz do Paraitinga ele nasceu

E no Rio de Janeiro

Com sua família se estabeleceu

Do estudo fez sua arma principal

Rompeu fronteiras em busca do ensinamento

Na França se especializou

Foi no Brasil que fundou

A medicina experimental

 

Contra os micro-assassinos

A batalha ele travou (bis)

E a revolta da vacina

Com sucesso contornou

 

Seguiu o lema do seu pai

Algo de muito valor ô ô (bis)

Vitorioso, a doença erradicou

 

No palácio da saúde

Campanhas célebres realizou (ô ô)

Mandou caçar os gabirus

E o mosquito exterminou

Com a vacina, a moléstia controlou

Oswaldo Cruz é o exemplo

Que devemos seguir

Prevenir é melhor que remediar

Diz o ditado popular

 

Independente eu sou

Da Praça da Bandeira (laiá)

Vamos exaltar (bis)

O grande nome da saúde brasileira

2005

Enredo: Josué de Castro: Ecoa um Grito contra a Fome, pela Cidadania e pela Paz na Terra
Autores: Dil da Baixada, Jurandir JB, Gil Valente e Toinsinho do Vilar


Oriundo eu sou
Das desigualdades sociais
Senti a fome pulsando
Como os caranguejos em lamaçais
É impossível ver
Ignorar e não sofrer
Os cavaleiros da miséria
Lutando pra sobreviver
No futuro eu vejo
Tudo é ou será caranguejo
Com a fome no mundo não dá pra sorrir
Melhor somar para dividir

Mergulhei nesse mar de descaso social
Vi dor, discriminação, pobreza total (bis)
Relutei, deparei ao chegar ao fundo
Os borrões de miséria
Manchas que envergonham o mundo

Bem sei que o reino do céu
Aos pobres tá reservado
O reino da terra aos privilegiados
Eu quero ter reforma agrária nesse chão
Chegar ao céu com a eterna proteção
Betinho foi a luz, Don Mauro trouxe a direção
Neste meu país a fome de direitos é a expressão
Contra as desigualdades sociais eu peço
Que se cumpra a constituição

Canta Independente
Com Josué de Castro nessa passarela (bis)
Ecoa um grito contra a fome
Pela cidadania e pela paz na Terra

2006

Enredo: O Sertão vai virar Mar, é o Velho Chico quem vem Avisar
Compositores: Marcelinho, Alex, Lula, Alexandre, Jorge Machado e Anacleto

Deixei o meu Cariri
Na certeza de um dia encontrar
Na cidade grande
A solução pra minha vida melhorar
Oh, minha terra adorada
Quanta saudade no peito ainda há
Já pedi em oração
A Padim Ciço, São José e Frei Damião

Em busca de sonhos e muita fartura
Comida na mesa e um teto, então (bis)
Perambulando pelas ruas
Que desgosto, é só decepção

Lá vem, descendo a serra
O Velho Chico grandioso
Anunciando que suas águas
Podem salvar esse povo
Esse é o afã de todo nordestino
Só a transposição das águas
Vai mudar o seu destino
Sambando com a nossa Independente, Opará
O Velho Chico chegou e mandou avisar
Que o sertão vai virar mar, alô
A hora é essa, o galo cantou, já vou

O roçado cresceu, iaiá
Minha terra molhou, amor (bis)
Simbora pra casa, no meu pau-de-arara
A seca acabou

2007

Enredo: Ecoa um grito de liberdade nos Quilombos da Baixada
Compositores: Marcos Machado, China do Vale, Gilson Novaes, J.B, Toinzinho, Joãozinho do Vilar, Chiquinho do Bar, Everton Já É, Samuka e Renê Siqueira

África, de onde veio a raça negra açoitada
Ecoou um grito forte nos quilombos da baixada
Trazido em navios negreiros, bantos para trabalhar
De Angola pra Baixada Fluminense
Os negros atravessaram o mar
No mosaico da escravidão, cansados de tanta tirania
Sonhavam a com sua libertação
Jesuítas em catequese, o tempo é colonial
O sagrado e o profano na mistura cultural

Um grito forte ecoou ô ô ô
Contra toda opressão ô ô ô (bis)
Quilombolas vão formar
Na baixada uma nova região

Na resistência, exemplo de coragem e fé
Com sutileza, o negro é a raiz do candomblé
Ô mamãe ê, minha adorada mãe de santo
Deito a cabeça no teu colo
Me faz um cafuné, seca meu pranto
Um vento de fogo, um ponto de luz e fé
Joãozinho da Goméia, rei do candomblé
Negra Lorença, eterna escrava do amor
O mestre-sala dos mares
Que um dia o poeta inspirou
Salve a raça negra
E todo o movimento cultural
Com pré-vestibular pra negros e carentes
Vou brilhar no carnaval

Tem, Ojuobá axé
Frei Davi, Frei Tata com muita fé (bis)
Oya Matamba, Amalyra e Odara
E a cota para o negro estudar

2008

Enredo: Viagem fantástica ao mundo do circo: seja de lona ou social
Compositores: Renê Siqueira, Samuka e Tarzan

Hoje tem espetáculo, o nosso show vai começar
Vem num sonho fantástico, na emoção viajar
Lá no Oriente, a arte circense floresceu
Em Roma continua sua história
Um palco de glórias o coliseu
Enfim, outras culturas vão se unir
No picadeiro, a multidão vai aplaudir
Palhaços, trapezistas, domadores
Brilhando sobre a luz dos refletores
Mostram toda sua expressão
Neste solo tropical, ciganos pioneiros
Desta arte universal

Hoje eu quero gargalhar, quá quá quá
Chegou o rei do Picadeiro (bis)
Sagaz, maneiro e seresteiro
Salve o talento do palhaço brasileiro

Que magia, um delirio de felicidade
Luzes, cores, fantasia, a encantar toda cidade
Fez escola buscando primazia, é internacional, é terapia
Na baixada, um projeto social
A casa da cultura, abraçando o ideal
No sinal fechado uma criança, malabarista da esperança
Ah! Se essa rua fosse minha
Infâncias eu mandava resgatar
Para aprender a lição, a arte no coração
E o futuro não será de ilusão

Sou artista irreverente neste palco iluminado
Alegrando tanta gente, nosso circo está armado (bis)
Seja de lona ou social
A Independente vai brilhar no carnaval

2009

Enredo: Redescobrindo a História e a Cultura do Rio de Janeiro
Autore(s): Jurandi JB, Chiquinho do Bar, Carlinho do Cavaco e Dedelio do Samba

Beleza pura, formosura
Cidade maravilhosa
Herança portuguesa
Que trouxe a realeza
Enriquecendo o litoral
Arte e cultura
Referência, estrutura
Ao passo imperial
Rio de Janeiro, atração turística
O mais lindo visual

Pra Cinelândia eu vou cantando
Arquitetura do samba faz o carnaval (bis)
O bonde é tradicional
No Bola Preta a alegria é geral

Vem ver o museu encantando... amor
Darcy Ribeiro, eterno professor
Gênio que o tempo consagrou
Zepelin sobrevoando
O espaço cultural
Olha a ginga do malandro
Minha paixão é o futebol
Redescobrindo a história
Minha escola vai cantar
Lembranças que não vão se acabar

Independente, eu sou, sou brasileiro
Eu sou orgulho do meu Rio de Janeiro
Tu és a porta do país (bis)
Braços abertos
Te recebo mais feliz

2010

Enredo: Da Chibata a Gravata, São João de Meriti Canta sua Africanidade
Autores: Jurandi JB, Chiquinho do Bar, Ricardo e Dedelio do Samba

Vem de lá
Deslumbrante fascinante surge a África
Essa terra encanta a gente
São povos envolventes
Bantos, gêge e nagô
Mama África
Se expandiu para o mundo inteiro
Mistérios, magias, ritos e danças
Plantou no coração do brasileiro

Eu sou filho da raça
E bato tambor
Independente semeando a fé (bis)
É a cor que predomina
Trago na veia o samba no pé

Vou em busca da paz encontrar o amor
Tenho força e axé
O santo maior revelou a paixão
Santa padroeira da nação
Tem festa vamos comemorar
O marinheiro em alto mar
Extravasa a sua vitória
Bené fez história o rei bom de bola
Mandela a luz do amanhã
Obama pacificou
E a negritude consagrou
Na terra do Tio Sam

Da chibata eu vim
Sim sinhô
De gravata eu tô e sou feliz (bis)
Em São João de Meriti
O negro exalta a sua raiz

2011

Enredo: Refavela
Autores: Chiquinho do Bar, Jb, Dedelho do Samba e Manelão 

É real
A paisagem que paira no ar
Mosaico, da arte de zinco que veio marcar
É bela ô... Arquitetura tão singela
O samba ecoa e na voz da favela
O tom da canção que nos leva a sonhar
A Independente, nos versos exalta a comunidade
E dá o acorde a dignidade
Fazendo a cultura se manifestar

Ah seu doutor
Coragem e garra de um povo vencedor (bis)
Me orgulho do meu chão e vou lutar
Com a esperança da vida melhorar 

Refavela
Surge um novo jeito de viver
Saúde, educação e moradia eu posso ter
É nós no morro, tenho direito a cidade e vou buscar
A integração perfeita
Cultura pra poder se expressar
É arte entre os becos a transformar
E resgatar

Eu só quero é ser feliz
Mostrar ao mundo o que eu sempre quis (bis)
O progresso da nação, o bem estar do cidadão
A marca desse meu país