PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

IMPERATRIZ LUDOVICENSE

IMPERATRIZ LUDOVICENSE

PRESIDENTE Marcelo Ferreira
VICE-PRESIDENTE Matheus Bianck
CARNAVALESCO Leandro Ramos
INTÉRPRETE Murilo Sousa
DIRETOR DE CARNAVAL Afonso Cecel
CORES  Azul, Vermelho e Ouro
FUNDAÇÃO 01/01/2014
CIDADE-SEDE Curitiba-PR
SÍMBOLO Coroa e Leões

A Sociedade Escola de Samba Virtual Imperatriz Ludovicense fundada em 01-01-2014 na época com sede em São Luís-MA, nasceu da reunião de amigos que resolveram criar uma agremiação virtual para disputar o carnaval virtual. O nome fora escolhido pelo ex-presidente da agremiação Samuel da Cruz Imperatriz faz homenagem à cidade de Imperatriz, o termo ludovicense faz referencia a quem nasce em São Luís, a capital do Estado. Para o carnaval de 2016 a escola estreou na LIESV, contando com novos componentes para reforçar a escola. Marcelo Jakare assumiu a presidência, com o novo vice presidente sendo Matheus Bianck, ambos com experiência no carnaval virtual. A escola teve sua sede mudada para Curitiba, o restante da equipe da escola foi mantida para a folia virtual, e com o enredo afro "Sansakroma", a escola conquistou o título do Grupo de Acesso, se classificando para o Especial em 2017. As cores oficiais são o vermelho, azul e ouro, os símbolo é uma coroa ladeada por dois leões.

Ano

Enredo

Colocação

2017 Axé Carybé, Axé -º (Especial)
2016 Sansakroma: A fênix africana 1º (Acesso)
2015 Odoyá, Rainha Iemanjá 13º (CAESV)

SINOPSE ENREDO 2017

Axé Carybé, Axé

Òkê  Aro meu guia!
Axé meu irmão,
Neste carnaval a Imperatriz Ludovicense me chamou, este humilde filho de Oxossi que a fé nunca deixou,
Guardado pelo Ofá do senhor da floresta, retorno e faço dessa avenida um terreiro em festa.
Para contar minha missão.

Em terras argentinas nasci, mas por lá não fiquei;
Meus pais terrenos de Hector me batizaram; fui singrando e a muitos lugares me levaram.
As  terras Sebastianas cruzaram meu caminho; lá tornei-me Carybé, conheci a arte que marcou meu destino.
Segui até chegar em Salvador e pela mítica Bahia me apaixonei.

Nas benditas ruas segui meu guia,
Em cantos, danças, capoeiras e festejos de louvor, traduzi em traços e cores a pureza e o amor;
A beleza dessa negra gente, e logo me vi ser mais um daqueles baianos sorridentes.
E fui ao terreiro levado por meu pai Cosme em uma noite de alegria.

Oxossi meu pai Òkê Aro!
No Ilê Axê Opô Afonjá por Mãe Senhora fui consagrado, tornei-me Otun Onã Shokun e recebi um novo legado.
Como Ogan servi a casa até o fim da vida, e esse mesmo terreiro também foi palco da minha partida.
E  sigo ao lado de amigos como eternos Obás de Xangô

Deixei na terra um vasto legado;
Uma arte latina, brasileira, genuinamente da Bahia, retratei o povo em um esplendor de fantasia.
E hoje a juventude tem inspiração, colocando a cultura negra em exposição;
Vou conduzindo a coroa Ludovicense e seguindo o meu eterno reinado.

Salve a Bahia!
Nesse dia de folia ouço um grito de amor:
Axê Carybé, Axê.

Pesquisa e texto: Michel Laczynski e Leandro Ramos