PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

GUTO

GUTO

           

        
 

        

 

 

        Nome completo: José Augusto Silva de Oliveira 

       


        Ano de nascimento:
1987


     

                                                                     

Guto é oriundo do Carnaval de Nova Friburgo, celeiro de Jorge Freitas e Evandro Malandro. Começou cantando aos nove anos de idade, em 1996, no bloco de enredo Raio de Luar, onde morava perto. “Eu enchia o saco das pessoas pra cantar, porque minha referência eram os cantores de samba-enredo”, recorda, citando Nêgo Roger e Muniz, dois intérpretes populares da cidade, como os responsáveis por o colocarem ainda garoto no carro de som do bloco. Guto também era vizinho da quadra da Vilage no Samba, uma das mais tradicionais da cidade. Guto só voltaria a cantar no Raio de Luar cinco anos depois.

Em 2004, estreou na Vilage no Samba, estabelecendo uma carreira mais profissional a partir dali, sendo intérprete oficial a partir de 2012. Em 2013, chegou na Unidos da Saudade, iniciando uma grandiosa trajetória na escola, onde conseguiu o tricampeonato.

Guto iniciou sua trajetória na Marquês de Sapucaí na Império da Tijuca em 2010, como apoio de Pixulé. “Cheguei naquele ano, mas estava assustado, porque nunca tinha cantado nem defendido samba no Rio. Não era primeiro cantor nem em Friburgo”, relembra. Quando Pixulé se transferiu pro Império Serrano em 2016, Guto seguiu com ele, mas não chegou a desfilar, retornando pra mais dois anos na Império da Tijuca, como apoio de Rogerinho e Daniel Silva.

Com seu padrinho Pixulé, comentou que não queria mais cantar no Rio, devido à distância com Nova Friburgo, onde reside. “Estava praticamente pagando pra ir cantar, são duas horas e meia de uma cidade pra outra”, conta, planejando seguir com sua banda de Black Music em Friburgo. Então Pixulé fez a ponte com o presidente da Acadêmicos do Sossego, Wallace Palhares, apresentando ao mandatário vídeos de Guto na Saudade. Assim, quando pensava em desistir do sonho de ser principal na Sapucaí, recebeu a chance de ser intérprete oficial pela primeira vez na capital carioca, junto com Juliana Pagung no Carnaval 2019. “O samba da Sossego era sem rima, sem verbo, em forma de diálogo entre Jesus Malverde e Deus como mulher. O casamento com a Juliana foi maravilhoso, de alma, criamos uma cumplicidade e uma amizade que até hoje a considero minha irmã loira”, se diverte.

No entanto, mesmo após a renovação de contrato com a Sossego, Guto acabou dispensado pela agremiação depois de ter gravado o samba para o CD oficial de 2020. Um pouco antes da saída, o experiente Nêgo recém havia sido contratado pela escola. A demissão foi comunicada no dia de seu aniversário. “Acordei com uma mensagem do presidente me dando os parabéns, mas dizendo que não estava mais no quadro da agremiação. Não obtive nenhuma resposta até hoje”, lamenta, considerando que 2020 poderia ter sido o ano da sua afirmação.

Pelo menos pela Viradouro, onde é apoio desde 2020, Guto conquistaria o título do Grupo Especial pela primeira vez. O convite partiu do intérprete Zé Paulo Sierra, ainda com o desfile das campeãs de 2019 em andamento. “Eu estava na frisa do Setor 12. Zé Paulo me viu e disse que precisava falar comigo, enquanto cantava”, se diverte, com seu ingresso na Viradouro sendo oficializado dias depois.

Um dos feitos que mais orgulha Guto foi ter conseguido viralizar um samba-enredo em sua voz, o da Camisa 12 que desfilou no Grupo de Acesso 2 de São Paulo em 2019, com o tema “Professores: Camisa 12 Orgulhosamente desfila essa Homenagem a Vocês, Mestres na Arte de Ensinar”. “O compositor Wilson Bizzar me chamou, nem conhecia o samba, gravei por partes no estúdio e voltei pra casa tem as maiores pretensões. E de repente, a obra viralizou na minha voz”, relata, orgulhoso.

No Carnaval Virtual da LIESV, gravou sambas para várias escolas como Bandeirante da Folia, Paraíso da Folia e Imperatriz Paulista. Morador do bairro Duas Pedras em Nova Friburgo, Guto é formado em Design pela ESDI-UERJ, graduando em Licenciatura em Música.

FONTE: SAMBARIO ENTREVISTA com Guto

 
INÍCIO: Bloco Raio de Luar (Nova Friburgo), como intérprete em 1996
2003 – Bloco Raio de Luar
2004 a 2011 – Vilage no Samba (apoio de Braguinha, Evandro Malandro e Monstrinho)
2010 a 2015 – Império da Tijuca (apoio de Pixulé)
2012 – Vilage no Samba (intérprete oficial)
2013 a 2019 – Unidos da Saudade (intérprete oficial)
2017 e 2018 – Império da Tijuca (apoio de Rogerinho e Daniel Silva)
2019 – Acadêmicos do Sossego (intérprete oficial, ao lado de Juliana Pagung – em 2020, gravou o samba no CD mas não desfilou)
Desde 2020 – Viradouro (apoio de Zé Paulo Sierra)

GRITO DE GUERRA: Alô (nome da escola). Vamos juntos meu povo!

CACOS DE EMPOLGAÇÃO: "vambora, vambora", "oooi", "gira gira meu povo", "é agora, é agora", "bota pra cima", "e aí". 

SAMBAS DE SUA AUTORIA: Unidos da Saudade 2014 e 2020.


MAIS FOTOS DE GUTO






Em ação pela Sossego em 2019


Com Juliana Pagung e o presidente da Sossego, Wallace Palhares

Voltar à seção Intérpretes