PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

EDSON BOMBEIRO

EDSON BOMBEIRO

       

    

       Nome completo: Edson Menezes 

.

.

       

                                                                

Edson Bombeiro é mais um grande intérprete que está ausente dos carros de som do carnaval já há alguns anos. Foi a principal voz da Império da Tijuca nos anos 90.

O cantor é cria da Baixada Fluminense. Oriundo de Nova Iguaçu, assim como tantos outros sambistas nascidos e descobertos artisticamente na cidade, como Neguinho da Beija-Flor, Dedé da Portela, Jairo Bráulio, etc.

Sua história no samba vem desde o final da década de 60, com raízes na Mocidade Independente de Padre Miguel. Seus tios Isaque e Ítalo foram respectivamente da ala de compositores e da direção de harmonia da escola. Seus padrinhos foram nada menos do que os míticos Mestre André (diretor de bateria) e o compositor Toco. Edson permaneceu na escola até 1972.

Depois da Mocidade, Edson Bombeiro peregrinou por alguns blocos carnavalescos, como o Bloco do Bolinha e o Quem Quiser Pode Vim, ambos em Vila Rosali, sendo inclusive presidente das duas agremiações, além de cantar, é claro.

Já com uma estrada bem percorrida como cantor, acabou parando na Beija-Flor, em 1980. Após fazer um teste compondo um samba de terreiro, foi aprovado para ingressar na Ala de Compositores da Deusa da Passarela. Edson Bombeiro permaneceu em Nilópolis até 1986, onde foi parceiro de nomes como Claudinho Inspiração, Marcelo Guimarães, Cabana, João Menezes, Carlinhos Bagunça, Dinoel Sampaio e tantos outros.

No período de 1987 a 1990 o intérprete integrou a Ala de Compositores da Caprichosos de Pilares, onde foi parceiro de Jorge 101, JR, Wanderlei Novidade e Xandinho. Em 1991, pelas mãos de Osmar Valencia – homem forte do Salgueiro nas décadas de 60, 70 e 80, com influência também no Morro da Formiga – Edson Bombeiro foi apresentado ao presidente Carlão, da Império da Tijuca. Na verde e branco tijucana foi apoio de Celino Dias em 1992.

De 1993 a 1996, Edson Bombeiro assumiu finalmente o microfone número 1 da escola do Morro da Formiga, quando seu carnavalesco foi o diretor e ator global Miguel Fallabella. A Imperinho viveu uma excelente fase no Grupo A e coroou esse período quando subiu para a elite e desfilou no Grupo Especial em 1996. Com um timbre de voz muito parecido com o de Neguinho da Beija-Flor e com dicção e interpretações muito boas, Edson Bombeiro foi conquistando o respeito e a admiração dos bambas do carnaval. Sua voz conduziu a Império da Tijuca quando apresentou os enredos “Vitis Vinífera, o Império é uma uva” (1993), “Nelson Rodrigues, um beijo na Sapucaí” (1994), “No sassarico da Colombo” (vice-campeã do Grupo A em 1995) e “O Reino Unido Independente do Nordeste” (17º lugar no grupo Especial em 1996, sendo rebaixada).

No ano seguinte, Edson foi convidado por Jorginho do Império para ser o segundo intérprete no carro de som do Império Serrano, no ano do “Mundo encantado de Beto Carreiro”. A partir daí passou a se dedicar à música e a formar e orientar conjuntos de pagode na Baixada Fluminense, como os grupos Acalanto, Puro Sangue e Quem Sabe É Nós. O próprio Edson foi vocalista de um, o Grupo Inspira Samba Show.

O cantor também desfilou pelas escolas de samba iguaçuenses Acadêmicos de Miguel Couto e Leão de Nova Iguaçu.

Hoje Edson Bombeiro está afastado do carnaval, vivendo com a família em Belford Roxo, na Baixada.

 
Início: Mocidade Independente de Padre Miguel (final da década de 60). Como intérprete, passou por blocos carnavalescos em Nova Iguaçu e estreou na Império da Tijuca.  

TRAJETÓRIA

1992 – Império da Tijuca (apoio de Celino Dias)
1993 a 1996 – Império da Tijuca (cantor principal)
1997 – Império Serrano (apoio de Jorginho do Império)

.

GRITO DE GUERRA: Alô meu povão da Império da Tijucaaaa! Sacode a Sapucaí!! .


CACOS DE EMPOLGAÇÃO: “Aí tá certo”, “vamos, Nelson”, “tá bonito”, “bateria nota 10”,” obrigado, Fallabella”, “vai suingue, bateria”, “vem, Formiga”, “vem baianas”, “que que tem”, “lá em  cima!”, “desce Nelson”. Além dos cacos característicos, Edson Bombeiro também fazia a chamada da primeira palavra dos versos.


DISCOGRAFIA: 

Sambas Enredo Grupo 1-B 1993 (faixa Império da Tijuca)
Sambas Enredo Grupo 1-B 1994 (faixa Império da Tijuca)
Sambas Enredo Grupo 1-B Liesga 1995 (faixa Império da Tijuca)
Sambas Enredo Grupo Especial 1996 (faixa Império da Tijuca)

MAIS FOTOS DE EDSON BOMBEIRO

No clipe do samba sobre Nelson Rodrigues (1994)

'

 Edson Bombeiro (em primeiro plano) e seus cantores de apoio na concentração da Império da Tijuca em 1995, ano que a escola foicampeã do Grupo de Acesso.

'

Na vinheta do início de desfile na transmissão da TV Manchete em 1996

 

Edson Bombeiro na sua estréia como microfone número 1 da Império da Tijuca (1993)

'

Edson comandando o carro de som da Império da Tijuca, escola que abriu o desfile do Grupo Especial em 1996

'

Edson Bombeiro mandando ver no gogó na Império Serrano, no desfile homenageando Beto Carreiro (atrás, o compositor Maurição, noapoio)

'

Foto de 2011, já afastado do carnaval

'

Junto a Jorginho do Império e Jovaci, na arrancada do Império Serrano em 1997.

'

Voltar à seção Intérpretes