PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

GAMBAZINHO

DARCY MARAVILHA

        

        Nome completo: Darci Souto Amorim da Cruz

    

        Ano de nascimento: 1947

       

                                                                   

Darcy Maravilha, antes de mais nada, é um boêmio do Irajá. Não se trata apenas de quem aprecia as madrugadas no bairro da zona norte do Rio de Janeiro. Cantor e percussionista, o músico começou seus primeiros passos no carnaval nos anos 70, na Ala de Compositores do Bloco Carnavalesco Boêmios de Irajá, subúrbio carioca onde foi criado. Um pouco antes, fez parte do Grupo Chega de Choro.

Após vencer alguns sambas no bloco, Darcy tornou-se o intérprete oficial dos Boêmios, levando para a avenida sua voz e simpatia, conquistando admiradores. Após esse aprendizado, foi convidado a ingressar na ala de compositores do Império Serrano. Logo na estreia, sem assinar, venceu a disputa na verde e branco para o carnaval de 1980, sendo inclusive convidado pelo presidente da escola da Serrinha para gravar o disco (até agora seu único registro em um disco de samba enredo) e interpretá-lo na Marquês de Sapucaí ao lado do titularíssimo no posto, o mítico cantor Roberto Ribeiro.

A seguir, Darcy Maravilha passou a integrar a ala de compositores da Portela e também da Caprichosos de Pilares, sem no entanto, se afastar dos Boêmios de Irajá. Ainda nos anos 80, fez parte do Grupo Lá Vai Samba, dividindo o palco em shows de artistas do quilate de Elza Soares, Jorge Aragão e Noca da Portela.

Voltou às disputas de samba enredo e foi vencedor na Caprichosos em 1997, quando a agremiação desfilou no Grupo A, após ter amargado o rebaixamento no ano anterior. Com o samba “Do tambor ao computador”, (parceria sua com Carlinhos da Ceasa e Flavinho), a escola foi vice-campeã e ganhou o direito de retornar ao Grupo Especial. O samba marcou também a estreia do saudoso intérprete Jackson Martins como o microfone número 1 da azul e branco de Pilares.

Mas sua escola de coração chama-se Portela. Teve por três ocasiões (1998, 1999 e 2005) seus sambas-enredos levados na avenida pela azul e branco de Madureira, conquistando por duas vezes consecutivas (1998 e 1999) o Estandarte de Ouro de melhor samba. O músico também ganhou samba em São Paulo. No ano de 2003, foi consagrado vencedor pela Leandro de Itaquera.

Darcy Maravilha, no entanto, não se restringe a compor apenas para o carnaval. Fora desse período, alguns sambas de sua autoria foram gravados por Jair Rodrigues, Grupo Raça, Alcione, Beth Carvalho, Arlindo Cruz, Dicró, Ircéa, Fundo de Quintal, Grupo Sensação, Zezé Motta e tantos outros. Foi parceiro de diversos compositores, como: Toninho Gerais, Paulinho Rezende, Serginho Meriti, Darcy da Mangueira, Dicró, Adilson Victor, Guilherme Nascimento, Maurílio Faria, P.C. Ribeiro e, claro, seu parceiro mais constante, Noca da Portela. Em 2010, lançou de forma independente, seu primeiro disco solo, o CD “Darcy Maravilha, a cara do samba”.


INÍCIO: Anos 70, com o bloco carnavalesco Boêmios de Irajá. Em escola de samba, estreou na Império Serrano.
1980 – Império Serrano (gravou o samba no disco, e na avenida dividiu a interpretação com Roberto Ribeiro)

GRITO DE GUERRA: Olha o Império Serrano aí, gente boa!

GRITOS DE EMPOLGAÇÃO: “Alô Madureira!”, “beleza, gente”, “simbora, gente”, “rererê”.

SAMBAS DE SUA AUTORIA: “Império das ilusões, Atlântida, Eldorado, sonho e aventura” (Império Serrano /1980, com Durval e Joaquim”); “Do tambor ao computador” (Caprichosos de Pilares/1997, com Carlinhos da Ceasa e Flavinho), “Os olhos da noite” (Portela/1998, com Noca da Portela, Colombo, J. Rocha e Celino Dias), “De volta aos caminhos de Minas Gerais” (Portela/1999, com Noca da Portela, Colombo e J. Rocha), “O que é o que é? Qualidade de vida: direito do povo – Sistema "S’” (Leandro de Itaquera/2003, com André Muniz, Du Bebeto, Pecê Ribeiro, Jurandir, Diane e Bombril), “Nós podemos: oito ideias para mudar o mundo!” (Portela/2005, com Noca da Portela, J. Rocha e Noquinha).

ESTANDARTE DE OURO: (Portela 1998, melhor samba).

DISCOGRAFIA:

- LP Sambas enredo das escolas de samba do Grupo 1 1980
- Darcy Maravilha, a cara do samba (2010)


MAIS FOTOS DE DARCY MARAVILHA




Com Noca da Portela