PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

MOCIDADE CURITIBANA

MOCIDADE CURITIBANA

PRESIDENTE Diego Martins
CARNAVALESCOS Bruno Jesus
INTÉRPRETE Clóvis Pê
CORES Azul, Branco, Preto e Dourado
FUNDAÇÃO 13/03/2017
CIDADE-SEDE Curitiba-PR
SÍMBOLOS Águia e Coroa

Abram alas para a Mocidade Curitibana. Escola nova que vem com muita garra nesse carnaval, natural de Curitiba PR. Com carnavalescos muito talentosos, vem criar uma nova história no mundo virtual. Aguardem...

Ano

Enredo

Colocação

2020 Tia Ciata -º (Acesso)
2019 O Carnaval Conta a sua História 7º (A)
2018 Desperte a Criança que Existe Dentro de Você 6º (B)
2017 Mocidade Curitibana vem Cantar e desbravar um pouco do nosso Sudeste! não desfilou

SINOPSE ENREDO 2020

Tia Ciata

Hilária Batista de Almeida, conhecido como Tia Ciata, nasceu na Bahia em 1854, era cozinheira, iniciada no candomblé, mãe de santo e filha de Oxum. Aos 22 anos mudou-se para o Rio de Janeiro, fugindo da perseguição policial contra as mães de santo, conhecido como Diáspora Baiana. Logo na sua chegada ao Rio de Janeiro, Tia Ciata conheceu seu primeiro amor, Noberto de Rocha Guimarães, com quem teve sua primeira filha chamada Isabel, relacionamento que não foi adiante. Solteira e com uma filha para criar, ela começou a trabalhar como quituteira na rua Sete de Setembro, sempre paramentada de suas vestes de baiana, seu tabuleiro de quitutes era famoso e muito farto que fazia a alegria dos transeuntes. Além dos quitutes, Tia Ciata era costureira e alugava roupas de baiana para os teatros e clubes de carnaval.

Tia Ciata também era curandeira, ela teria curado o Presidente da República, Wenceslau Bras de um machucado na perna que não cicatrizava, incorporando um orixá que a entregou uma receita curadora com ervas.

Tempos depois, Tia Ciata conhece João Batista Silva, um home negro com quem se casou e teve 14 filhos, relacionamento que foi fundamental para a sua firmação na “Pequena África” como era conhecido a área da Praça Onze. Era na casa da Tia Ciata, na Praça Onze que aconteciam os melhores pagodes, que eram festas dançantes, regadas a música, comidas e bebidas. Tais reuniões reuniões traziam diferentes compositores e figuras da noite carioca, como Hilário Jovino Ferreira, Donga, Sinhô, João Baiana e Pixinguinha. Eram comuns as rodas de samba e no terreiro rolava as batucadas. A casa da Tia Ciata era o berço do samba, pois era lá que o samba carioca nascia, foi no quintal de sua casa que Donga compôs “Pelo Telefone, o primeiro samba gravado em disco. Esses encontros eram sempre perseguidos pelos policiais, pois assim como o candomblé, o samba também era reprimido, porque tudo o que era negro era reprimido.

Tia Ciata conquistou seu lugar de estrela no universo do samba e do carnaval carioca, era respeitada na cidade, ficou marcada como uma das principais animadoras da cultura negra nas nascentes favelas cariocas, nos primeiros anos de desfile das escolas de samba, era “obrigatório” as escolas passarem diante de sua casa, durante o carnaval, Tia Ciata armava uma barraca na Praça Onze, reunindo desde trabalhadores até a fina flor da malandragem, nesta barraca eram lançadas as marchinhas que ficariam conhecidas no Rio de Janeiro. Tornou-se símbolo da resistência negra, de axaltação do candomblé quando a prática era proibida e precursora do samba, é a força negra que luta para a sua cultura não sucumbir.

No ano de 1924, Tia Ciata deixa de ser nossa estrela terrestre para ser uma estrela lá no céu, as portas do céu se abre , Deus e os anjos a recebe no reino do céus. E assim deixamos o nosso muito obrigado a nossa tão querida e amada Tia Ciata por tudo o que ela fez pela nossa cultura, sem ela nada disso teria existido.

Autor: Bruno Jesus

Voltar ao Espaço LIESV

Leia a sinopse de 2019 da Mocidade Curitibana