PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

CELSINHO

CELSINHO MODY

      

   

 

 

     Nome completo: Celson Mody 

    

       

     Ano de nascimento: 1988

     

                                                                    

Esse garoto é a maior revelação que o carnaval paulistano produziu nesse século. Dono de uma voz suave e altamente melódica, Celsinho é considerado um dos melhores interpretes da atualidade pelos bambas, não apenas de São Paulo, mas também do Rio e do Brasil inteiro.

Entrou no samba muito jovem. Segundo ele mesmo, em entrevista ao SAMBARIO, disse que já empurrou carro, foi ritmista e passista mirim. Certa vez, Celsinho revelou no programa Grito de Carnaval da JUSTTV, que começou como interprete na Prova de Fogo, em 2000. O interprete tinha apenas 11 anos e meio! Pouco tempo depois, foi para o Peruche, onde começou a brilhar.

Foi na equipe de canto de Eliana de Lima, em que Celson Mody começou pra valer no samba. Sua atuação no carro de som rendeu o convite do tradicional Camisa Verde e Branco, para compor a equipe de interpretes. Ele já fazia parte da ala de compositores da escola. Em 2004, chegou a cantar uma parte do samba no CD. Mas, foi em 2005, que Celsinho foi promovido a interprete oficial da escola da Barra Funda. Ao lado do veterano Juscelino, Celsinho puxou o "Disque Camisa", fazendo cacos no CD e cantando a segunda parte do samba. Recebeu o "Premio de Melhor Carro de Som" do carnaval desse ano.

Em 2006, após uma derrota na eliminatória do Trevo da Barra Funda, Celsinho deixou o Camisa. Muitos dizem que magoado. Foi para o Acadêmicos do Tatuapé, onde pela primeira vez veio como único dono do microfone no carro de som. A excelente atuação rendeu o Premio de Interprete Revelação. Mesmo com a escola rebaixada, Celsinho continuou crescendo. E, com a saída de Vaguinho da Mancha Verde, Celsinho assumiu o microfone da escola alvi-verde.

Foi na Mancha em que Celson chamou a atenção do Brasil inteiro pela primeira vez. O seu grito de guerra emocionou a todos, inclusive aos comentaristas da Globo. Recebeu o premio de melhor interprete do SASP. O garoto que chamava a atenção de muitos sambistas se tornou a fera que é hoje. Voltou para o Camisa a "peso de ouro", sendo o grande reforço para a Barra Funda para o carnaval de 2008. Mesmo com o rebaixamento da escola, Mody continuou na agremiação em 2009, no acesso.

Logo após o carnaval, foi anunciado que Mody sairia do Camisa. Durante a entrevista concedida ao Sambario, Celsinho, muito bem humorado, não quis revelar a escola para qual estava de mudança, apesar de dar uma dica: estaria indo para uma escola em que já tinha participado no passado. Na semana seguinte foi anunciado: Celsinho estava de volta a Mancha, para fazer uma dupla com Vaguinho no carro de Som. A partir de 2011, tornaria-se uma espécie de rei do Acesso. De volta ao Camisa Verde e Branco, ajudou a escola a voltar ao Especial com o vice do Acesso. E em 2012, puxou o lindo samba da Nenê de Vila Matilde sobre Chica da Silva, que embalou o título do Segundo Grupo. Em 2016, voltou à Tatuapé depois de 10 anos, conduzindo a escola ao seu primeiro campeonato no ano seguinte.  Em 2018, estreará na Sapucaí sendo o intérprete oficial da Paraíso do Tuiuti ao lado de Nino do Milênio.

Também no programa Grito de Carnaval, o interprete e compositor Juninho Berin interrompeu Mody para dizer algumas palavras ao amigo: "Não querendo cortar a idéia dele, mas eu queria dizer que esse cara aqui (apontando para Celsinho), é um dos caras mais íntegros que eu conheço no carnaval. Integridade é o sobrenome dele! Esse cara aqui é malandro", afirmou.

E não é só Berin que gosta de Celsinho. Pelo seu carisma, Celsinho possui uma legião de fãs. Boa parte deles, no Camisa Verde e Branco, Tatuapé, e Mancha Verde. Sem contar os interpretes que revelam admirar o talento do puxador de samba. Isso tudo comprova: Celsinho não apenas é um grande cantor, mas também, uma grande pessoa.

INÍCIO: Na Prova de Fogo, em 2000. Mas foi no Peruche em que fez o seu primeiro trabalho notável.
2003 - Unidos do Peruche (Apoio de Eliana de Lima)
2004 - Camisa Verde e Branco (Apoio de Marquinhos Trindade)
2005 - Camisa Verde e Branco (Interprete Oficial, ao lado de Juscelino)
2006 - Acadêmicos do Tatuapé
2007 - Mancha Verde
2008 a 2009 - Camisa Verde e Branco
2009 - Camisa 10 (LIESV)
2010 - Mancha Verde
2011 - Camisa Verde e Branco
2012 e 2013 - Nenê de Vila Matilde
Desde 2013 - Fazendo Arti (LIESV, com Léo Reis)
2014 - Pérola Negra (ao lado de Mydras Schmidt)
2015 - Torcida Jovem
Desde 2016 - Acadêmicos do Tatuapé
2018 - Tuiuti (ao lado de Nino do Milênio)

GRITO DE GUERRA: Se liga ae, vai pensando que tá bom! A chapa vai esquentar! Alô (nome da escola), é tudo nosso!

GRITOS DE EMPOLGAÇÃO: "Ta em choque? Hahaha", "em cima", "vambora", "o que?", "ooooi", "de novo, de novo, de novo", "o que que tem"; "é pegada de africano". Tem também uma grande capacidade de adaptar os cacos sobre a letra do próprio samba que está interpretando.

Troféu Nota 10: Nenhum. Possui o premio de "Melhor Interprete" de 2007 do SASP. Recebeu o Estrela do Carnaval em 2016 pela Tatuapé.

Samba de sua autoria: "Os Saltimbancos" (Alegria da Zona Sul/2012, com Daniel Katar, Rodney Chêto, Vinícius Amaral, Pixulé, Rodrigo Bola, Xuxa do Cavaco e Al Big Dan), "Do Canindé ao Samba no Pé, a Vila Madalena nos Passos do Balé" (Pérola Negra/2016, com Jairo Roizen, Guga Mercadante, Nando do Cavaco, Marcelo Zola, Sidney Arruda, Filosofia Diley e Xandinho Nocera), "Travessias de Milton Nascimento, todo artista tem de ir aonde o povo está" (Tom Maior/2016, com Maradona, Turko, Paulinho Miranda, Ricardo Neto e Léo Reis), "Mvemba-a-Nizinga-Dom Afonso I, um Rei Cristão no Império Africano no Congo" (Morro da Casa Verde/2016, com Thiago SP, Rodrigo Atração, Godoy, Edson Liz, Gordinho, Ricardo Pais, Betão e Tigrão), "A Peruche no maior axé, exalta Salvador, cidade da Bahia, caldeirao de raças, cultura, fé e alegria"(Unidos do Peruche/2017, com Xangô, Douglas Chocolate, Leo Reis, Juliano, Guga Pacheco, Tio Do, Paulinho Sorriso e Marcio Zanato), "Elba Ramalho canta em oração o Folclore do Nordeste. Toque sanfoneiro forro, frevo e xaxado…" (Tom Maior/2017, com Maradona, Turko, Ricardo Neto, Paulinho Miranda, Rafa Do Cavaco, Celsinho Mody, Léo Reis e Tinga), "Zé do Brasil, um Nome e Muitas Histórias" (Mancha Verde/2017, com Alê, Rodrigo e Wladi), "O Brasil de duas Imperatrizes: De Viena para o novo mundo, Carolina Josefa Leopoldina; De Ramos, Imperatriz Leopoldinense" (Tom Maior/2018, com Maradona, Turko, Rafa do Cavaco, Ricardo Mandú e Léo Reis).

MAIS FOTOS DE CELSINHO MODY

Com outros grandes interpretes do carnaval: Daniel Collête (E) e Royce do Cavaco (D).

Puxando o Camisa Verde e Branco, em 2009. (FOTO: SASP)

No desfile de 2008, pelo Camisa.

Dando entrevista, nos preparativos do Carnaval 2009.


No seu grande desfile pela Mancha Verde, em 2007.


Com Thiago de Xangô, no Programa Grito de Carnaval, da JustTv.


Com sua equipe de canto, em ensaio técnico do Carnaval 2008.

Com Daniel Collête, na final das eliminatórias do Tucuruvi, em 2009.

Voltar à seção Intérpretes