PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

UNIDOS DE BANGU - 2018

UNIDOS DE BANGU - 2018

Enredo: A Travessia da Calunga Grande e a Nobreza Negra no Brasil
Autores: Diego Nicolau, Dudu Senna, Richard Valença, Renan Diniz, Orlando Ambrósio, Rafael Tinguinha, Rafael Prates, André Kaballa, Marcio de Deus, Washington Motta e Ivan Câmara

A linda lua de África
Vai refletir, na tua pele (negra)
Somos herdeiros do Alafin de Oyó
O elo maior com a natureza
Olhar de serpente, nobreza da raça
Que quebra a corrente
E não se entrega não
Tem a valentia de um leão
Brilhou…
Nos olhos o fogo ancestral
Alumiando o ritual
O céu e o mar, Orum e aiyê
Se unem pra te proteger

Ôôôô calunga é dor
É um clamor por piedade
Ê maré! Que dança 

Ê maré! Balança o tumbeiro
Velho prisioneiro da desigualdade
Ôôôô calunga é dor
É um clamor por piedade
Ê maré! Que dança 

Ê maré! Balança o tumbeiro
Oceano inteiro é pranto de saudade

O brado de Agotime ecoava
Rainha, mãe naê do agongonô
Galanga virou Chico-rei
Palmares é o meu ylê
Tem festa no quariterê
Seguindo em devoção eu vou
Ao ébano altar da “ginga”
Toque de cabaça enfeitiçado
Eu quero ver o negro ser coroado
No porão da fé ôôô
Leva afefé, meu afã (pro mar)
E eterniza esse canto yorubá

Eabadeiaia
Iaia aiê eabadeiaia eiaiá 
Eabadeiaia
Iaia aiê eabadeiaia Bangu vai cantar!