PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

Os sambas de 2009 - Grupo Rio de Janeiro 1

Os sambas de 2009 - Grupo Rio de Janeiro 1

A GRAVAÇÃO DO CD – Em mais uma belíssima produção, os sambas-enredo do Grupo Rio de Janeiro 1 (o antigo Grupo B) são muito bem apresentados neste CD, produzido por Leonardo Bessa e Chico Frota. A gravação é diferenciada com relação aos anos anteriores. A grande novidade em 2009 é a primeira passada do samba entoada sem bateria, procurando valorizar a melodia das obras. É um procedimento já utilizado em discos como os do Grupo Especial de 1996 e 2004. A cadência nesta primeira passada é perfeita, dando um toque de qualidade a mais na melodia do samba. A partir da entrada na bateria (bem mais natural que nos CD's anteriores) na segunda passada, o andamento acelera, mas ainda assim não deixa de manter uma bela cadência (à exceção da faixa do Boi da Ilha). Os sambas são executados com duas passadas e meia, com total valorização à voz do intérprete. A qualidade da safra é similar a dos últimos anos no Terceiro Grupo. Destaque para os sambas de União de Jacarepaguá e Alegria da Zona Sul, além da reedição do extraordinário "Afoxé", samba da Cubango cantado em Niterói em 1979. Sereno de Campo Grande e Corações Unidos do Amarelinho também apresentam sambas-enredo qualificados. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9 (Marco Maciel).

Uma boa gravação. Considero esta um pouco inferior, ainda, aos anos anteriores. Em relação à safra, está boa, talvez a melhor dos três principais grupos do carnaval carioca. Existem alguns sambas com melodias já bem usadas no carnaval carioca, mas nada que estrague o disco. Amarelinho e Cubango têm, pra mim, os melhores sambas do disco. União de Jacarepaguá também tem um grande samba, mas ainda inferior aos dois já citados. Em relação a 2008, Alegria, Boi da Ilha, Sereno e Tradição melhoraram seus sambas (Cubango eu não estou contando por ser reedição). União da Jacarepaguá, Arranco e Lins Imperial estão no mesmo nível. As que pioraram foram Curicica, Independente, Jacarezinho e Unidos de Padre Miguel. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,5 (Vitor Pedrassi).

1 - UNIDOS DE PADRE MIGUEL - "O consumo moderado faz bem ao coração". Para falar sobre o vinho, a Unidos de Padre Miguel opta por uma obra que prima pela descrição, citando a origem da bebida e reservando para o final o recado ao bamba para que se beba com moderação. Ou seja, os compositores procuraram colocar na letra todos os setores do desfile. A melodia é apenas correta, fazendo com que o samba tenha características mais funcionais. Os refrões não têm muita força. NOTA DO SAMBA: 8,5 (Marco Maciel).

Simpático, inferior à média do CD e dos últimos da escola, mas um bom samba. Para um enredo já meio batido, os compositores foram bem, mas poderiam ter se saído melhor. A melodia é leve, sem nenhuma novidade. A letra conta o enredo bem, apenas no final que dá uma forçada (apesar que essa parte é a que a melodia mais me agrada). O refrão principal é um dos pontos fracos do samba, não que seja ruim, mas já está muito batido. A primeira parte me agrada, mas os últimos versos que têm uma melodia parecida com o refrão acaba cansando. O refrão central é eficiente, mas tem o problema que eu já citei. A segunda parte é a que mais me agrada, principalmente em seus últimos versos, que podem ser forçados, mas mesmo assim me agradam bastante. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

2 - UNIÃO DE JACAREPAGUÁ - "Meu coração tem mania de amor". Um samba à altura do homenageado. Foi o que a União conseguiu ao escolher essa belíssima obra para o enredo sobre Paulinho da Viola. Os compositores valorizam mais a poesia do que a descrição, e a melodia também se destaca pelo lirismo, encorpada por mais uma excelente interpretação de Rixxa. Não considerando a reedição da Cubango, é o melhor samba do Grupo RJ-1 em 2009. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Marco Maciel).

Ótimo samba, para alguns o melhor do ano, mas não acho isso tudo, não. A interpretação de Rixxa (pra mim, sempre assim) é muito boa, mas considero a gravação dos compositores um pouco superior. A melodia é bem feita. A letra idem. O refrão principal é um dos pontos fortes do samba, momento muito feliz dos compositores. A primeira parte é de grande qualidade, uma das melhores do samba. O refrão central é considerado o melhor do ano para algumas pessoas, mas, pra mim, não é tudo isso, não. É muito bem feito, mas não é aquela maravilha. A segunda parte é, na minha opinião, a melhor do samba, muito bem feita. Um dos melhores sambas do ano. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

3 - SERENO DE CAMPO GRANDE - "Serenou na passarela". Em mais uma atuação irrepreensível do intérprete Antônio Carlos, a simpática escola de Campo Grande traz outro samba-enredo daqueles que o bamba não se cansa de ouvir. O enredo é até batido: sobre Carmem Miranda. Mas a leveza da obra, aliada à voz de Antônio e à deliciosa cadência da bateria, tornam a faixa a melhor e mais bem produzida do CD na minha opinião. A melodia é valente, sendo também funcional em alguns trechos. Enfim, é um samba tão simpático como a própria escola, seguindo a fórmula do hino anterior, que fez com que a Sereno fosse a única escola do Grupo B a levar notas 10 de todos os jurados do quesito Samba-Enredo em 2008. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Marco Maciel).

Sambão! Ótima atuação do intérprete Antônio Carlos, um dos melhores em atuação no carnaval carioca. A melodia é alegre, mas como todos os sambas, não traz nada de novo. A letra é um pouco diferente de outros sambas sobre Carmem Miranda, o que já é um tremendo elogio. O refrão principal é a melhor parte do samba, de uma explosão muito grande, já dá até prá ver a Sapucaí cantando o “Serenou na passarela”. A primeira parte me agrada bastante e é bem simples. O refrão central é muito bom também. A segunda parte é bem legal também. Samba muito bom. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

4 - ALEGRIA DA ZONA SUL - "Muito prazer, eu sou Heitor nessa avenida". Em mais uma homenagem do grupo, dessa vez a Heitor dos Prazeres, o samba do Alegria foi bastante modificado com relação à obra original, mas mesmo assim manteve-se igualmente bonito. O refrão principal destoa um pouco das demais partes da obra, com a primeira, refrão central e - principalmente - a segunda parte possuindo impecável conjunto melódico, valorizado pela excelente interpretação de Edmilton de Bem, que estréia no Alegria depois de quase uma década na Unidos de Lucas. NOTA DO SAMBA: 9,4 (Marco Maciel).

Ótimo samba. Na versão das eliminatórias eu não gostava muito, mas a gravação oficial me agradou bastante. A letra é bastante competente e a melodia é vibrante. O refrão principal não me agrada muito, pelo seu jeito bem batido. A primeira parte é interessante, principalmente nos versos “Abram alas que vamos passar, com Tia Ciata vou cantar/O morro é a raiz, axé meu povo diz/O samba no terreiro é mais feliz”. O refrão central também não me agrada muito, sendo muito parado. A segunda parte é simplesmente maravilhosa, do início ao fim, sem tirar nem pôr. Um dos melhores sambas do ano. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

5 - LINS IMPERIAL - "Malandra, boêmia, abrigo de bambas". A primeira passada do samba da Lins sem bateria talvez seja a melhor sacada do CD. Ouvir esta obra bem cadenciada é simplesmente tudo de bom. A partir da entrada da bateria, ocorre uma natural aceleração no andamento. Mesmo assim, é uma das mais bem produzidas faixas do álbum. Sobre o samba, apresenta um simpático refrão principal, com as demais partes tendo características mais funcionais e até alguns trechos que, de vez em quando, figuram em escolas de grupos inferiores, como "Tô bebum de tanta emoção". O intérprete Marcelinho, após anos defendendo a Vizinha Faladeira, estréia na Lins Imperial apresentando uma notável evolução em seu desempenho, pelo menos na gravação. Interessante também a batida funk do pandeiro na segunda passada do refrão principal, antes da aparição da bateria na faixa. NOTA DO SAMBA: 8,8 (Marco Maciel).

Não me agrada muito, não. É mais um daqueles que a gente já está cansado de ouvir (principalmente na Santa Cruz), com os refrões daquele estilo de Fernando de Lima. Está certo, também, que o intérprete não valoriza em nada o samba. O refrão principal é bom, nele já dá prá perceber o que vem pela frente. A primeira parte é boa, principalmente nos últimos versos, que me agradaram bastante. O refrão central é aquele estilo de sempre, mas é legal, apesar do verso “Tô bebum de tanta emoção” ser de gosto duvidoso. A segunda parte mantém o nível, mas, ao contrário da primeira, não gostei do seu final. NOTA DO SAMBA: 9,1 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

6 - BOI DA ILHA - "Eu sou guerreiro e vou lutar". É um samba que tem o mesmo pecado com relação à Alegria da Zona Sul: um fraco refrão principal, destoando do restante da obra que é bem qualificada ao falar do centenário do Theatro Municipal. A primeira parte alia muito bem ginga com lirismo, servindo de gancho para o bonito refrão central. A segunda parte, mais lírica, também é boa melodicamente. O Boi tem a missão de misturar samba com balé na Sapucaí, daí a expressão "sambarino" (mistura de sambista com bailarino). Uma pena que o samba-enredo teve uma gravação muito acelerada no CD, sobretudo a partir da segunda passada. O compositor multicampeão do Boi, Aloísio Villar, alega que a aceleração foi feita para valorizar a dicção do intérprete Marquinhos do Banjo. Mesmo assim, achei um grande erro terem acelerado tanto a obra, tirando um pouco sua beleza. NOTA DO SAMBA: 9 (Marco Maciel).

Outro samba simpático. Fruto de uma fusão, o samba do Boi da Ilha me agrada bastante. A melodia é muito boa, romântica até. A letra é confusa em alguns momentos. O refrão principal é, pra mim, a pior parte, sem grande explosão. A primeira parte é pequena, mas é muito boa. O refrão central é excelente, um dos melhores momentos do samba. A segunda parte é a melhor da obra, com um final bem interessante em termos de melodia. Uma curiosidade sobre o samba: em nenhum momento a letra cita o nome da escola, só diz o “Boiadeiro”, nome do torcedor do Boi da Ilha. NOTA DO SAMBA: 9,4 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

7 - TRADIÇÃO - "Os Saquaremas, nobres senhores". A escola de Campinho, para mostrar a história da cidade de Saquarema, apresenta uma obra de boa qualidade. Descritiva, o samba possui agradável melodia, com mais uma boa atuação do intérprete Igor Vianna. Curioso que mais uma vez a Costa do Sol figura em um enredo da Tradição, assim como em 2002. Só faço uma pequena ressalva à falsa rima de "igual" com "voleibol" (este último creio que apareça pela primeira vez numa letra de samba-enredo). NOTA DO SAMBA: 8,9 (Marco Maciel). 

Bom samba, mas prejudicado pelo andamento da gravação (muito lenta). A letra conta bem o enredo, mas sem sair daquele tipo de letra sobre cidades (povo guerreiro, belezas naturais, colonização, economia...). A melodia é bem feita. O refrão principal é muito bom, mas é a parte mais prejudicada pela gravação, na minha opinião. A primeira parte do samba é boa, mas sem grandes novidades. O refrão central também me agrada. A segunda parte também, embora alguns versos estejam meio soltos. Boa sorte à Tradição, já que ela anda meio mal das pernas. Que o Condor volte a brilhar entre as melhores do carnaval. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

8 - CORAÇÕES UNIDOS DO AMARELINHO - "De amarelo ouro e azul pavão". A emergente escola estréia na Marquês de Sapucaí com o pé direito em termos de samba. De autoria de Claudio Russo e parceiros, o samba-enredo fala sobre a origem do Hino Nacional Brasileiro, um enredo que certamente trará muita curiosidade aos bambas sobre como será desenvolvido. A melodia do samba é valente, com um adendo lírico no excelente refrão central, cantado num tom mais baixo. Algumas características particulares de Cláudio Russo aparecem neste samba, como a saudação à escola e suas cores ("De amarelo ouro e azul pavão") e o "bate no peito", já ouvido no samba da Beija-Flor de 2008. Outra característica nilopolitana é a frigideira que abrilhanta a segunda passada do samba. Amarelinho trará uma bela obra em seu debute na Passarela. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Marco Maciel).

Melhor samba inédito do grupo. Para um enredo tão estranho (não estou dizendo que é ruim, até que me agrada, pois precisamos de mais enredos desse tipo), os compositores foram muito felizes na confecção do samba. Há também de se elogiar o intérprete Róbson Moreira, um dos melhores em atuação no CD. A melodia é maravilhosa e a letra não fica muito atrás, não. O refrão principal é bom, mas não acompanha a beleza do resto do samba. A primeira parte é do jeito que eu gosto, com uma letra bem elaborada e encaixada. O refrão central é um dos pontos fortes do samba, ganha muitos pontos por ser simples. A segunda parte também é excelente, principalmente no trecho “Mas esse povo precisava de um poema/Feito a flor da açucena, feito a luz de um novo dia”. Sambaço. NOTA DO SAMBA: 9,7 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

9 - CURICICA - "Viro amigo do Seu Zé". O samba chama mais a atenção por se referir a um certo "Seu Zé", cuja citação não está muito bem explicada na sinopse do enredo da escola. Mas o "Seu Zé" em questão é Zé Pilintra, um espírito umbandista considerado boêmio e malandro, ao estilo do povo carioca, homenageado pela Curicica no enredo. O samba-enredo é discreto, de melodia agradável e letra simples. Destaque para a cadência da bateria e a bela atuação de Ronaldo Yllê no CD. NOTA DO SAMBA: 8,3 (Marco Maciel). 

Samba chato toda a vida. É mais um daqueles que a gente já ouviu mil vezes e que também fala sobre o Rio. Algumas mudanças na letra foram bem realizadas e outras nem tanto, como no refrão principal. A melodia é bem comum e a letra, que é irreverente, também. O refrão principal é mediano e tem uma letra confusa com as mudanças feitas. A primeira parte começa mal, mas vai melhorando em seu final. O refrão central é um pouco superior ao primeiro, mas não é uma maravilha. A segunda parte é a melhor da obra. NOTA DO SAMBA: 8,9 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

10 - CUBANGO - "Ofila laê olê loá". O samba dispensa qualquer tipo de comentários. É uma obra-prima, um dos melhores sambas-enredo de todos os tempos. Apresentado pela Cubango em 1979, na época em que desfilava na avenida Amaral Peixoto em Niterói, a escola dessa vez traz "Afoxé" para a Sapucaí. Só acho que, para essa reedição, o samba merecia ser interpretado por uma voz mais marcante. Bola fora da escola a dispensa do excelente Tiãozinho Cruz, que certamente faria uma interpretação daquelas de marcar época dessa obra-prima. O novato Júnior Duarte, no CD, apenas não compromete. Uma pena também que a faixa se encerre durante uma irresistível bossa da bateria no refrão central. NOTA DO SAMBA: 10 (Marco Maciel). 

Segundo melhor samba do ano, apenas perdendo pro samba da Império da Tijuca. A primeira vez em que ouvi o samba-enredo, não gostei muito, já que na minha opinião havia alguns versos soltos em relação à boa melodia. A letra é simples, mas de muito bom gosto. O refrão principal é maravilhoso e também muito simples. A primeira parte é boa, com os versos soltos sendo consertados. O refrão central também é maravilhoso, assim como o principal. A segunda parte é linda melodicamente. Samba maravilhoso! NOTA DO SAMBA: 9,9 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

11 - ARRANCO - "Paquerei, me entreguei, gamei". De autoria de Lequinho e parceiros, o samba do multicampeão mangueirense possui características próprias do compositor, sendo mais pra cima e com um andamento mais acelerado. Como o Arranco será a última escola dentre as 14 a desfilar no Terceiro Grupo, já no amanhecer da Quarta-Feira de Cinzas, daí a opção por um samba mais descontraído e funcional, mesmo para falar sobre o amor, o que a princípio poderia sugerir algo mais lírico e poético. Na letra, ouvimos expressões da moda como "se é pra ficar, fiquei". O samba marca também a estréia do competente intérprete Leléu na agremiação do Engenho de Dentro, após anos na Independente da Praça da Bandeira. NOTA DO SAMBA: 8,9 (Marco Maciel).

Samba muito bom. A obra do Arranco me agrada bastante, pois é bem empolgante (essa característica estava mais presente na versão das eliminatórias). Muito boa a atuação do intérprete Leléu, que já está merecendo uma chance no Especial há muito tempo. A melodia é alegre e muito bonita. A letra busca mais falar sobre o sentimento "amor", e não sobre histórias. Isso é muito bom. O refrão principal é de grande qualidade. A primeira parte é muito boa, a melhor da obra. O refrão central é um dos pontos fortes do samba. A segunda parte me agrada, principalmente o seu final, apesar do verso “O negócio é amar”, que pode gerar duas interpretações: prostituição ou uma forma mais irreverente, mais popular de falar que o bom é amar, ou alguma coisa assim. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

12 - ARRASTÃO DE CASCADURA - "O que me fascina é a volta por cima do meu Arrastão". A simpática agremiação de Cascadura está de volta à Marquês de Sapucaí com um complexo enredo sobre as parcerias, as duplas que marcam as vidas. Tanto que o tema não fica tão claro na letra. Mas a boa melodia certamente é o ponto forte da obra. O refrão principal - bem grudento no ouvido, por sinal - é comum em agremiações de grupos de acesso, exaltando a dita "volta por cima" da escola, longe da Passarela do Samba desde 2000. As duas partes têm qualidade similar melodicamente, enquanto o refrão central é mais funcional. O intérprete Marquinhos Silva conseguiu valorizar mais a melodia do samba-enredo, já que, na versão demo, Luizinho Andanças exagerou nos tons agudos. NOTA DO SAMBA: 9,1 (Marco Maciel).

É um bom samba, com uma letra um pouco confusa, mas nada que estrague o samba. A melodia é muito boa. O refrão principal é muito bom, talvez a melhor parte da obra. A primeira parte me agrada bastante. O refrão central mantém o mesmo nível de todo o samba. A segunda parte é um pouco superior à primeira, porém nada muito gritante. Uma falha nela é que o intérprete não dá muita explosão ao último verso. Há também de se citar a ótima interpretação do cantor oficial do Arrastão, cuja voz lembra a do intérprete do Peruche. Está aí um dos melhores sambas do CD. NOTA DO SAMBA: 9,4 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

13 - JACAREZINHO - "Tira o dedo do pudim". A tradicional rosa-e-branco de Jacarezinho também retorna à Sapucaí, com um enredo sobre os portugueses no samba. Considero o refrão principal longo demais, o que pode arrastar o desfile da escola. A primeira parte e o refrão central não apresentam muitas inovações. Destaco apenas a segunda parte do samba-enredo, bem mais valente e melhor em termos de melodia, principalmente nos belos versos" E hoje.../O manto rosa e branco almejando o apogeu/Estou feliz da vida/O samba agonizou mais não morreu". A obra é até simpática, mas certamente o Jacaré pode apresentar sambas melhores. NOTA DO SAMBA: 8 (Marco Maciel). 

Samba bem criticado, mas que me agrada bastante. A letra pode até ser de um gosto duvidoso, mas é interessante. A melodia, embora seja boa, não traz nada inovador. O refrão principal é bom, mas dá a impressão de não haver rima, ficando meio estranho. A primeira parte começa muito bem, mas perde um pouco do brilho em seu final, em que a melodia dá uma quebrada nos dois últimos versos. O refrão central é a parte mais criticada pelo seu verso “Tira o dedo do pudim”, mas pra mim é a melhor parte do samba-enredo. A segunda parte cai no lugar comum, e o seu final me dá a impressão de ter ouvido no samba concorrente do veterano Djalma Sabiá para o enredo "Tambor" do Salgueiro. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba

14 - INDEPENDENTE DA PRAÇA DA BANDEIRA - "Eu sou orgulho do meu Rio de Janeiro". O enredo, sobre a história e a cultura do Rio de Janeiro, é batido. E tome citações à Cinelândia, bonde, bloco Bola Preta, malandro, futebol... Até o Zepelin figura na letra do samba-enredo, que sintetiza perfeitamente a proposta do enredo, sendo mais gingado e pra cima, com melodia genérica em alguns momentos. Na faixa, excelente a cadência da bateria Terremoto, segundo seu intérprete Diego Chocolate. NOTA DO SAMBA: 8,3 (Marco Maciel). 

Mesmo caso do samba da Curicica: muito batido. Pra falar de um tema bem parecido (um sobre o povo carioca, outro sobre a cultura carioca), a Independente da Praça da Bandeira (marcada pelos ótimos sambas nos últimos anos) foi mais feliz. A melodia não traz nada de inovador, mas é de grande qualidade. A letra conta bem o enredo. O refrão principal é a melhor parte do samba, na minha opinião. A primeira parte é pequena e me agrada bastante. O refrão central é a segunda melhor parte do samba. A segunda do samba é boa, mas em alguns momentos é muito rápida, dificultando o canto dos componentes menos treinados. NOTA DO SAMBA: 9,1 (Vitor Pedrassi). Clique aqui para ver a letra do samba