PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

Os Sambas de 2008 (São Paulo)
Os sambas de 2008 (São Paulo)


Foto: SASP

A GRAVAÇÃO DO CD – É uma bela safra do carnaval paulistano. É o primeiro trabalho da gravadora das escolas de samba, que se desvincula do Diário de São Paulo. A bateria no disco é boa e com uma forte participação de caixas e surdos. Daqui, pelo menos 4 sambas brigaram pelo melhor do ano. A primeira passagem com o interprete e a segunda somada ao coro é o ideal para uma faixa de disco de sambas de enredos. Parabéns as escolas, que pela ultima vez vinham juntas num único CD. E parabéns também pela valorização dos sambas do Grupo de Acesso, que pela primeira vez vem num CD secundário, nesse álbum duplo. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,8 (Weinny Eirado).

MOCIDADE ALEGRE – Samba de qualidade, com dois fortes refrões. Nasceu da fusão de dois sambas vencedores das eliminatórias da escola. A mudança de cadencia é perceptível, porem não compromete a obra. Uma boa reestréia de Clovis Pê (que já havia gravado o enredo de 2001, ao lado de Daniel Collête) no microfone da “Morada do Samba”. É o quarto samba da escola falando de São Paulo, sendo o único entre eles que não venceu o carnaval. NOTA DO SAMBA: 9,6 (Weinny Eirado).

Quatro anos depois de ser campeã homenageando São Paulo, a Mocidade Alegre voltava a fazer um enredo sobre Sampa; Na comparação entre os dois sambas, o de 2004 leva vantagem. A obra de 2008 têm poucas variações melódicas (Mesmo sendo fruto de uma fusão), tornando o samba um pouco cansativo. A única explosão de criatividade vem no refrão do meio - "O dia vai/a noite vem/eu vou/Sair, viver a boemia" - De letra excelente e melodia empolgante. Samba mediano, mas que funcionou no desfile. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

VILA MARIA  - Uma obra prima da escola do Jardim Japão! O melhor samba falando dos 100 anos de imigração japonesa no ano. Um refrão central que dá gosto aos bambas: “Pra massa toda aplaudir, A bateria ta aí... Vem ver! E vamos comemorar, o centenário brindar... Saquê!”. Uma belíssima atuação de Quinho nos cacos. O ponto negativo fica na falta da informação do nome do interprete salgueirense no encarte do CD. Mas Fernandinho SP e Baby não ficam atrás, e fazem uma boa participação cantando cada um uma parte do enredo. NOTA DO SAMBA: 10 (Weinny Eirado).

Em São Paulo, assim como no Rio de Janeiro com a Porto da Pedra, Japão deu samba! Apesar de usar e abusar do tom menor, a obra da Vila Maria é excelente em termos de emoção e letra; Versos como "O shodo não se apagou/A arte deu movimento à vida" e "Com a imigração/Somos filhos de uma só nação", apesar de possuírem melodias quase iguais, incorporam um ar emocionante ao samba que embalou um belíssimo desfile da escola. NOTA DO SAMBA: 9,8 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

VAI-VAI – O samba da campeã do ano é uma beleza. Uma critica num enredo leve, sobre educação. Carlos Junior estréia muito bem a frente dos microfones da saracura. Foi feita uma pequena mudança sobre o samba que havia vencido as eliminatórias, deixando o samba mais corrido na primeira estrofe. Afonsinho, que reforçou a equipe de Carlão na avenida, deveria ter gravado no disco dele. Mas isso não diminui a força desse samba que deu a escola da Bela Vista o seu 13° campeonato. NOTA DO SAMBA: 9,8 (Weinny Eirado).

Samba arrepiante, que traz um clamor de esperança muito bonito e bem feito pelos compositores; A sacada do refrão no fim da primeira parte, dá destaque a uma das melhores partes do samba ("Um lindo sonho/Nesta vida se torna real..."); O refrão principal é outro ponto forte, trazendo a pegada característica dos sambas da escola do Bexiga. É o melhor samba da safra, e embalou o desfile campeão do Vai-Vai. NOTA DO SAMBA: 9,9 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

ÁGUIA DE OURO – Um samba fraquinho sobre o sorvete. O problema é que outra escola já fala sobre o mesmo tema (Tucuruvi). Se você ouvir o samba sem saber do que se fala antes, não vai entender nada, pois a palavra “sorvete” só é pronunciada no ultimo verso. O ponto positivo fica nas crianças contando no final da faixa. NOTA DO SAMBA 6,8. (Weinny Eirado).

Um enredo falando sobre o sorvete já é bizarro por si só; Então pense em duas escolas falando sobre o sorvete, no mesmo ano, e no mesmo dia de desfile! Foi o que aconteceu em 2008 com Águia de Ouro e Tucuruvi, e a Águia saiu em desvantagem ao levar pra avenida um samba de muitos clichês e que retratava o sorvete de maneira muito subjetiva; Pra completar, no desfile o samba ganhou um andamento completamente acelerado que contribuiu para o rebaixamento da escola. NOTA DO SAMBA: 8,3 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

IMPÉRIO DE CASA VERDE – Para mim um bom samba. Não merecia ficar fora do grupo especial. Falando sobre a musica, a escola da Casa Verde conseguiu fazer o que era esperado para o tema. Mais um samba de autoria de Raphael do Império. Boa atuação de Bruno Ribas, com uma participação de Belo no samba. A Mancha Verde reclama sobre essa participação (ver mais em “Mancha Verde”). NOTA DO SAMBA: 9,1 (Weinny Eirado).

O enredo do Império para 2008 era muito rico, não era pra menos, falava sobre a música popular brasileira; Mas, como é um assunto muito extenso acabou resultando num samba "colcha de retalhos", em que os diferentes setores do desfile vão sendo jogados no samba, sem muita cerimônia. A estrutura do samba se assemelha aos antigos "sambas-lençol", com apenas um refrão e uma estrofe gigante, uma iniciativa legal dos compositores mas que deixou o samba cansativo. O samba interpretado por Bruno Ribas, no seu único ano no Tigre da Casa Verde, teve participação de Belo no CD. NOTA DO SAMBA: 9,0 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

ROSAS DE OURO – Se você reparar bem na letra, verá que ela é bem completa pra fala do tema (perfume). Darlan faz sua melhor atuação na gravação de um CD com “Rosessencia”. Apesar do refrão principal parecer com o da Vai-Vai (“oi, ia ia” com o “sou Vai-Vai”), o samba é forte e bem animado. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Weinny Eirado).

Enredo totalmente ligado à Roseira, falando sobre a história do perfume. O samba é empolgante com uma letra bem feita e uma melodia sem erros; No desfile, a bateria de Mestre Tornado deu show e ajudou o samba a ter uma ótima passagem pelo Anhembi. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

NENÊ DE VILA MATILDE – Longe de estar no nível da escola de Vila Matilde, esse samba é um pouco perdido e pouco original. Falando de um tema que muitas escolas já falaram, sobre superstição. Nem Royce consegue salvar. NOTA DO SAMBA: 5,0 (Weinny Eirado).

Samba extenso, mas de ótima qualidade, percorre as cinco regiões para descrever perfeitamente o folclore brasileiro; A obra em relação a versão das eliminatórias mudou bastante, e ficaram alguns erros de métrica e versos que atropelam outros, como no refrão principal; Mas o resultado final é excelente, principalmente pela segunda parte de versos expressivos como "Que som é esse?/Que cadência diferente/Protegida pelos deuses/Me responda quem vem lá". NOTA DO SAMBA: 9,8 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

TOM MAIOR – Uma boa letra pra falar do mesmo tema da Mocidade, mas com outros olhos. Rendeu o melhor lugar da escola na sua história (5° lugar). Boa participação de René no microfone da escola. O segundo refrão é o ponto alto da letra. A abertura com os repeniques é muito interessante. NOTA DO SAMBA: 9,4 (Weinny Eirado).

O samba, que fala sobre a história paulistana sob a perspectiva econômica, é meio sem sal, sem versos inspirados e melodia que não chama a atenção; Porém, na avenida causou grande surpresa, ao ser um dos mais cantados do ano, graças ao ótimo trabalho da bateria de Mestre Carlão e do carro de som liderado por René Sobral. NOTA DO SAMBA: 9,0 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

X-9 PAULISTANA – Um samba que empolgou o Anhembi no sábado de carnaval. Não podia ser diferente, com Daniel Colletê na estréia na escola da Zona Norte. Para lembrar, ele veio vestido de Urso Polar no sambódromo. Uma critica sobre a falta de cuidados com a natureza, tema semelhante ao que a escola apresentou em 2003. Rolou um boato na época, que Daniel compôs o samba sozinho e entregou a escola como condição da sua participação. Mas isso nunca foi confirmado. Não importa que o fez, é um belo samba. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Weinny Eirado).

Nos últimos anos, a preservação da natureza virou enredo-clichê, tendo sido tema em muitas escolas nos mais variados carnavais; Em 2008, a X-9 apostou nesse tema e o samba acabou saindo com cara de déjà vu; "Fazendo um alerta geral", "Nossas florestas, nosso pulmão", "Não custa nada refletir", "A água pode ter um fim"; Lógico que é necessária a conscientização sobre os problemas ambientais, mas isso acaba deixando o samba com cara de jingle de ONG; Mas há de se ressaltar a beleza do refrão principal em forma de clamor. NOTA DO SAMBA: 8,9 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

ACADÊMICOS DO TUCURUVI – O mesmo tema da Águia, porem com o olhar histórico. O melhor samba da escola dos últimos anos. Com um belo refrão central, esse samba manteve a agremiação da Cantareira no grupo especial, num ano de briga de gigantes para ficar na elite. Uma belíssima atuação de Fredy Vianna na avenida e no CD! NOTA DO SAMBA: 8,9 (Weinny Eirado).

A curiosa história do sorvete no carnaval paulistano já foi contada acima; Mas se a Águia de Ouro se deu mal ao falar da delícia chinesa, o mesmo não se pode falar da Tucuruvi, que abordando a história do sorvete, fez um samba interessante de boas variações melódicas, principalmente na segunda parte; A letra descreve bem a sinopse, e o resultado é muito superior ao conseguido pela escola da Pompéia. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

PÉROLA NEGRA – Ninguém acreditava na escola da Vila Madalena até a entrada na avenida. Esse samba sobre a cidade de Jaguariúna veio crescendo desde a gravação até a ultima alegoria cruzar a linha final do sambódromo. Não é fantástico, mas fez o suficiente para segurar a Perola, num ano que já era dada como forte candidata ao rebaixamento. Douglinhas é o ponto alto da gravação. NOTA DO SAMBA: 8,9 (Weinny Eirado).

Samba sobre cidade é aquela coisa: Tudo começou com os índios, depois chegou o colonizador, a cidade enriqueceu com o ciclo da cana ou do café, chegam as ferrovias, chegam as indústrias, a cidade vira a locomotiva da nação, um paraíso na terra. Isso limita muito o compositor, que acaba tendo que tirar leite de pedra; Foi o que fizeram os compositores da Pérola Negra, que ao falar sobre Jaguariúna criaram uma melodia envolvente e dois refrãos empolgantes; A letra segue o roteiro pouco original da sinopse, mas é mais uma boa obra da escola da Vila Madalena. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

MANCHA VERDE – Saindo da fase de sambas “na contra-mão” de Cláudio Cebola, a Mancha fez um bom samba para o ano de 2008, falando de maneira bem completa sobre o grande escritor Ariano Suassuna. O curioso é que o autor exigiu que sua esposa, Dona Zélia, fosse citada na letra. Porem surge um momento flash-back de 2007 na letra, com “a luta do bem e do mal, herança medieval”, mas não compromete essa bela obra. Há critica feita no encarte do cd, sobre Belo, que preteriu a escola alvi-verde, depois de assumir compromisso com Paulino Serdan de gravar o samba ao lado de Vaguinho. Alias, uma boa volta do interprete carioca à Mancha. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Weinny Eirado).

A homenagem ao imortal escritor Ariano Suassuna virou um belo samba, marcado no CD pela ótima inclusão de instrumentos tipicamente nordestinos na bateria, como triângulo e sanfona. Na avenida teve alguns problemas, que acabaram custando décimos preciosos na apuração, mas é uma ótima obra. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

GAVIÕES DA FIEL – Voltar e pra ficar. Esse era o objetivo (alcançado) da escola corintiana no ano de 2008. Depois de vir numa má fase onde chegou a se comentar uma desvinculação da Liga, a Gaviões trouxe para a avenida um samba de alto nível sobre Santana do Parnaíba. O refrão central é bom: “A energia pioneira brasileira... veio de lá! Usina condutora do progresso, Fez o bonde caminhar”. Uma fortíssima atuação de Ernesto na avenida e no cd. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Weinny Eirado).

O enredo é sobre Santana de Parnaíba, e aí caímos no velho roteiro de sambas sobre cidades descrito acima; A obra não empolga, é muito fria, só melhora na segunda parte mais animada, e com uma letra que procura fugir um pouco da mesmice da sinopse. Mas serviu para embalar o desfile de volta da Gaviões ao Grupo Especial. NOTA DO SAMBA: 9,0 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba

CAMISA VERDE E BRANCO – Um samba que gera opiniões divididas entre os sambistas. Para mim é fraco para a escola da Barra Funda. Os refrões são o que ainda não me faz desistir de ouvir esse enredo. O que não é discutível é a bela participação de Celsinho na gravação da faixa. NOTA DO SAMBA: 7,9 (Weinny Eirado).

Tinha tudo para ser um "boi com abóbora", afinal, falar sobre o cabelo é um tanto quanto insólito; Mas graças a habilidade dos compositores do Camisa, a saga do cabelo virou um belo samba, de melodia grave e acreditem, uma letra poética; Os dois refrãos são fortíssimos e ecoaram forte na avenida, mas a tradicional agremiação da Barra Funda acabou rebaixada para o Acesso. NOTA DO SAMBA: 9,7 (Cristiano Roncari). Clique aqui para ver a letra do samba