PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

Os sambas de 2008 - Acesso B

Os sambas de 2008 - Acesso B

A GRAVAÇÃO DO CDPelo terceiro ano seguido, os sambas do Acesso são reunidos em um álbum duplo contendo os sambas dos Grupos A e B. A grande iniciativa mais uma vez é do produtor Leonardo Bessa, intérprete da São Clemente. A qualidade do CD é semelhante a do ano passado, sem praticamente nem tirar nem pôr, com andamento acelerado na maioria das faixas e uma bateria mais verdadeira, sem os fru-frus manjados no CD do Grupo Especial. Por conta disso, muitos bambas consideram o disco do Acesso melhor do que o do Especial. Talvez as únicas diferenças sejam o show da bateria no final de algumas faixas, ao invés do início, como era anteriormente; e o fato dos sambas terem sido gravados na quadra da Estácio em vez de na da Curicica, como antes. O grande porém, infelizmente, se mantém: a distribuição restrita à cidade do Rio de Janeiro, mais precisamente na sede da AESCRJ e nas quadras das escolas. Cansei de sugerir ao Leonardo Bessa a distribuição do CD duplo pelo menos nas quadras das agremiações das principais capitais do país, como Porto Alegre, São Paulo, Belo Horizonte, Florianópolis, etc. Vamos ver se isso melhora em 2009! Sobre a safra, ela mantém a média do ano passado nos dois grupos; No A, destaque para Cubango, Império da Tijuca e Estácio, além da reedição (única entre os 24 sambas) da União da Ilha, é claro! No Grupo B, aparecem com grandes sambas Unidos de Padre Miguel (que tem, na minha opinião, a melhor obra de todos os grupos este ano), Curicica, Inocentes de Belford Roxo e Tuiuti. NOTA DA GRAVAÇÃO: 8,5 (Marco Maciel).

Se o "bolo" vem agradando a todos então pra quê mudar a receita? É com ese pensamento que Leonardo Bessa e sua equipe de produção vem mantendo desde 2006 o formato de gravação e arte gráfica dos cds dos Grupos A e B. Para se ter uma idéia de como o album duplo ganhou identidade própria, até o logotipo "Sambas de Enredo" vem ano após anosendo padronizado com as cores do campeão do acesso A, tal como as bolachas digitais. Logicamente, a capa está banhada em amarelo e preto mencionando a São Clemente, a campeã de 2007. Gravado ao vivo na quadra da Estácio de Sá, os cds do acesso tem o estilo diferenciado que o Especial. Enquanto na elite a sonoridade é extremamente artificial e com sonoplastia bizarras, no acesso não há defeitos sonoros. As baterias são das próprias agremiações. Elas estão mais audivéis e os instrumentos de cordas mais perceptíveis. Sinto falta apenas das tumbadoras e atabaques que geralmente dão aquele gingado gostoso. O álbum duplo tambem tem suas imperfeições. Poucas é verdade, mas tem que ser registrado. Pra começar, o andamento dos sambas está muito acelerado, principalmente no CD 1 correspondente ao Grupo A. Outro ponto negativo é o encarte com as letras dos sambas. Há sambas que tem a letra imcompleta por falta de algumas palavras. Além disso na letra do samba da Mocidade de Vicente de Caravalho há um notável erro de ortografia na palavra "pajé" que está escrita como "pagé". Tirando esse pequenos deslizes, é um cd que vale a pena ter em mãos o mais rápido possível. A SAFRA DE SAMBAS DO GRUPO B é muito, mais muiiiiiiiiiiiito superior que a de 2007. Talvez é a melhor da primeira década do século XXI neste grupo. A novidade no "Bezão" é que nenhuma agremiação reeditou algum samba. Os destaques positivos são os sambaços da Padre Miguel, Curicica e Tuiuti. A campeã Inocentes, Praça da Bandeira e União de Jacarépagua tambem desfilaram com ótimos sambas. Uma curiosidade: das 14 agremiações do grupo B apenas 3 não colocaram a palavra "AMOR" em seus sambas. Quanto amor pra dar hein??? E pra terminar quero tambem ressaltar a maravilhosa safra de interpretes que valorizaram ainda mais a bolacha digital do Bezão. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9 (Luiz Carlos Rosa).

Ótima gravação, quem me dera que fosse do Especial. A gravação desse ano está um pouco melhor que a do ano passado, apesar de mais acelerada. As diferenças são poucas, destaco o show da bateria no fim da faixa, especialmente a do Império Serrano. Temos ótimos sambas nesse ano. As faixas que se destacam no Grupo A são os sambas as do Império Serrano, da União da Ilha, Cubango, Caprichosos e Estácio. No CD do Grupo B são as da Unidos de Padre Miguel, Arranco, Tuiuti e Curicica. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,5 (Vitor Ferreira).

1 – UNIDOS DE PADRE MIGUELOlokum, lava minh’alma, clareia”. A versão demo deste samba na voz de Bruno Ribas é de arrepiar, pois ela está cadenciada, com a melodia perfeita, sendo algo arrebatador. Seria digna de uma nota dez, se não fosse a péssima gravação no CD oficial. Pra começar, a melodia no trecho “lava minh’alma” teve uma infeliz e péssima mudança, passando de lírica na versão com Bruno para marcheada na voz do intérprete oficial Edson Carvalho (que, mesmo prejudicado, teve grande atuação na gravação). E o andamento de marchinha no disco foi uma grande decepção, tirando e muito o brilho deste samba que, mesmo atrapalhado pela horrível gravação, ainda é o melhor de todos os grupos em 2008. NOTA DO SAMBA: 9,9 (Marco Maciel).

Para muitos, a mais injustiçada do carnaval 2008. A vermelho e branco de Padre Miguel era a superfavorita para conquistar uma das duas vagas ao acesso A 2009, pois fez um desfile maravilhoso e com pouquíssimos erros. Entretanto, na apuração, a escola acabou ficando na 3ª posição com uma diferença de apenas um décimo para a vice-campeã Tuiuti. Chiadeiras a parte, uma coisa é inegável; "O Reino Das Águas De Olokum" está entre os melhores sambas de toda a história da escola, iniciada em 1957. Tanto que merecidamente ganhou o troféu Sambanet neste quesito. O enredo que fala sobre as águas possui letra inteligentíssima, feita em primeira pessoa. Há pitadas de poesia na obra e um dos exemplos é o lindo verso "Chorei ó lua/ao ver que dos teus olhos nasce o rio-mar...". Sua melodia é extremamente envolvente, passando toda emoção do lirismo para a audição do ouvinte sambista. Realmente o melhor samba da bolacha digital 2. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,7 (Luiz Carlos Rosa).

A grande cacetada do ano. Tá certo que a gravação ficou muito ruim, comparando com a dos compositores. O refrão principal é muito bom. A primeira parte é maravilhosa, e o trecho "Indumentária nobreza / De Olofin a tristeza / Que fez a princesa chorar / Mistérios que se escondiam / Segredos serão revelados / Sob a luz de Obatalá" é excelente. O refrão central é esplendoroso, a melhor parte do samba, acho que é o refrão do ano, "Ouço o canto da sereia no ar / Essa onda que me leva à Iemanjá / É Nanã quem purifica todo o mal / Das águas claras pro meu carnaval". A segunda parte mantém o nível. Maravilhoso. NOTA DA GRAVAÇÃO: 10 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

2 – TRADIÇÃO “Levantou poeira em Madureira”. O samba-enredo é bonito, o melhor inédito composto pela escola desde 1998 (é complicado achar um samba qualificado da escola depois de 1994, fora as reedições). Mesmo com o andamento marcheado demais, Igor Vianna dá um verdadeiro show na gravação do samba, mesmo dando uma de narrador de rádio ao pronunciar o verso “Pintado com tinta de guerra o condor ecoou”. Sambas que exaltam o próprio passado da escola geralmente são bonitos, e este, embora com um estilo um tanto marcheado, não foge à regra. Rendeu bem na Sapucaí, muito por conta dos dois refrões animados. NOTA DO SAMBA: 9,1 (Marco Maciel).

A agremiação de Campinho antecipou seu jubileu de prata em um ano para contar e reviver sua própria história. Mas o sambinha é muito fraco. A letra é tenebrosa alem de mal elaborada. Inclusive reeditaram versos dos sambas "Passaro Xingu" e "Silvio Santos". Pura falta de criatividade e inspiração. A melodia não me emocionou e chega a ser irritante em algumas passagens. Igor Vianna ainda canta um pagodinho sem graça na introdução do samba. Um desastre. No desfile, a escola acabou ficando na 7ª posição. NOTA DA GRAVAÇÃO: 6,1 (Luiz Carlos Rosa).

Bom samba, mas parece um colcha do retalhos, olhe: "Pintado com tinta de guerra o condor ecoou (85)", "Sonhos de Natal (87)", "O melhor da raça, o melhor do carnaval (88)" "Samba, amor e Tradição (89)", "Isto sim é a Tradição, amor, amor / Um beijo no seu coração (lema da escola)", "Voa Xingú, pássaro guerreiro (85)", "A coroação, festa do maracatu (90)", "Quatro séculos de glórias, viajei / Nos braços de Jacarepaguá (99)", "Qual é o prêmio Lombardi, diz aí / Qual é a música quem sabe, canta aí / Com Sílvio Santos brinquei na Sapucaí (01)" e "Levantou poeira em Madureira (acho que é pelo Lourenço)". O refrão principal é bom. A primeira parte é muito boa. O refrão central também e a segunda parte igualmente. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,4 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

3 – MOCIDADE DE VICENTE DE CARVALHOO índio dança pra lá e pra cá”. A escola, que surpreendeu a todos em 2007 com o título do Grupo C, voltou à Sapucaí depois de três anos e apresentou um samba de melodia valente, que compensa a sucessão de clichês na letra. Brilhante a interpretação de Gordinho (que já defendera a Unidos de Lucas em 1994), que deixa a boa faixa ainda mais agradável de se ouvir. Porém, a Mocidade Vicentina foi rebaixada e desfilará novamente na Intendente em 2009... NOTA DO SAMBA: 8,9 (Marco Maciel).

A Mocidade Vicentina apresentou o enredo "Brasil País Mulato" que fala sobre a miscigenação. O samba é de mediano para fraco tecnicamente, com letra bastante simplória, recheada de clichês do quilate de "a Mocidade hoje na Sapucaí" (desatualizado, hein!) que é muito frequente em escolas vindas da Intendente ou que estão há anos sem pisar na Passarela do Samba. A melodia é bem animadinha. O refrão central tem ao meu ver o verso mais trash do ano entre os três principais grupos: "O indio dança pra lá e pra cá". Tosco, mas que inexplicavelmente gruda no ouvido, não tem como odiar isso. A campeã do acesso C 2007 não teve chance de permanecer por mais uma temporada no Bezão. Foi rebaixada com o 12º lugar. Uma rapidinha: o carnavalesco Antonio Carlos Cerezzo tem o mesmo nome completo do ex-jogador do Atlético-MG, São Paulo e Seleção Brasileira Toninho Cerezzo. NOTA DA GRAVAÇÃO: 7,4 (Luiz Carlos Rosa).

Não gosto muito desse samba, mas é bom. Possui um tema mais que ultrapassado, que já foi usado mil vezes, e contém muitos clichês. O refrão principal é razoável, como todo o resto do samba. A primeira parte é boa. O refrão central na minha opinião é a melhor parte do samba. A segunda mantém a linha da primeira. Enfim, um médio samba, em alguns momentos trash, mas nada que não dê para escutar... NOTA DA GRAVAÇÃO: 9 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

4 – UNIDOS DE LUCAS Obrigado Piauí, lindo tema”. A letra é simplória, com alguns clichês, mas a melodia possui qualidade, principalmente na segunda parte. A gravação no CD, aliada à magistral interpretação de Edmilton de Bem, melhorou consideravelmente a obra de Lucas. Curiosidade: a faixa tem menos de quatro minutos, fato raro nos discos de sambas-enredo de hoje. NOTA DO SAMBA: 8,8 (Marco Maciel).

Por toda a história que tem, por todas as obras-primas que produziu, por sua comunidade, por seus torcedores ilustres e anônimos, a Unidos de Lucas não merecia passar por essa situação. Mas o Galo de Ouro da Leopoldina passa por sérios problemas financeiros - assim como 70% das agremiações de todos os grupos de acesso. Dizem as bocas miúdas que a subvenção de 2010 já foi entregue. A bem da verdade, o rebaixamento era questão de tempo. E, num desfile marcado por irregularidades (haja vista que alguns componentes do Arranco ajudaram a completar as alas) não teve jeito: a escola acabou perdendo 4 pontos preciosos e foi rebaixada. Com relação ao samba, possui letra muito simples aliada a melodia bastante agradavel, apesar da palavra artesanato ter a nota demasiadamente alongada. Os refrões são de apenas dois versos de qualidade discutível. Como sempre Edmilton de Bem e a bateria da escola capitaneada pelo mestre Orelha dão um show na faixa do mediano samba da agremiação da Parada de Lucas. NOTA DA GRAVAÇÃO: 8 (Luiz Carlos Rosa).

Uma das mais tradicionais agremiações do Rio de Janeiro traz um médio samba, muito pequeno e meio marcheado. O seu refrão principal, apesar de pequeno, é bem qualificado, deve ter funcionado bem no desfile, é a melhor parte do samba com certeza. A primeira parte não traz nada de mais, é boa e corrida. O refrão central também é muito bom, mas não se compara ao principal. A segunda parte é apenas agradável. Enfim, é um samba mediano sustentados pelos refrões. NOTA DA GRAVAÇÃO: 8,9 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

5 – UNIÃO DE JACAREPAGUÁOh, mãe Sant’Anna, abençoa essa nossa União”. A escola mais uma vez traz um samba pesado, com letra descritiva e comprida, cujo estilo cai como uma luva no vozeirão do experiente Rixxa. A melodia alia lirismo a valentia, o que qualifica esta belíssima obra da União, que volta a apresentar um belo samba depois de duas obras contestadas, mais pelos enredos limitados que a escola apresentou. NOTA DO SAMBA: 9,4 (Marco Maciel).

Depois de alguns anos apresentando sambinhas muito furrecas, a "arroz com couve" finalmente em 2008 deu a volta por cima. "Miquié Maca ê" é uma obra correta, possuindo letra extensa - característica marcante da escola atualmente - e acima de tudo descritiva. É notória a diferença da primeira parte (mais curta) com a segunda (mais longa). A parte mais bonita do samba é sem dúvida o refrão central "Oh, Mãe Sant' anna! Abençoa essa nossa União" melodicamente perfeita e inquestionável. No desfile, com sérios problemas na harmonia, a escola ficou na 10ª colocação. Foi o último ano de Rixxa como intérprete da agremiação de Jacarepaguá. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9 (Luiz Carlos Rosa).

Outro samba mediano, mas que me agrada. Ao contrário dos colegas acima, acho esse samba inferior aos últimos da agremiação... Rixxa dá um show neste samba, que eu odiava na gravação dos compositores, mas agora é audível... O refrão principal é mediano, acaba sendo estranho pela sua melodia. A primeira parte é média, nada demais. Porém, se há alguma coisa boa, é o refrão central, muito qualificado. A segunda parte é muito boa, principalmente a parte: "Qualidade de vida, cultura / Tão importante se tornou para a nação / Feliz cidade com tão bela arquitetura / É nota dez no quesito evolução". Um samba médio. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

6 – INDEPENDENTE DA PRAÇA DA BANDEIRAHoje eu quero gargalhar, quá quá quá”. Mais uma vez a Independente mantém a excelente média de sambas de qualidade, e o enredo que mistura circo com inclusão social realmente ajuda. Mesmo com a bela letra comprida, a melodia em nenhum momento se perde, sempre apresentando boas variações melódicas. O extraordinário intérprete Leléu se afirma a cada ano, dando mais um show no CD assim como nos dois anos anteriores. Mas uma vez a Praça da Bandeira vem com um belíssimo samba para a Sapucaí, trazendo grandes obras desde 2004. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Marco Maciel).

Assim como a União de Jacarepaguá, a agremiação de São João de Meriti adota o estilo de montagem de obras extensas com versos longos. O enredo que fala sobre o circo gerou um samba maravilhoso, que alia irreverência com seriedade, marcas registradas da Independente. A melodia é indiscutivelmente agradável, rica em variações melódicas. Os refrões são extremamente contagiantes fazendo com que o sambista cante até mesmo dentro de uma jaula cercada por leões. A letra conta o tema com precisão. Destaque mais do que positivo para o lindo verso "Ah! Se essa rua fosse minha/infâncias eu mandava resgatar...". Apesar do 6º lugar, a Independente ganhou um prêmio: Leléu recebeu com toda justiça o troféu Sambanet de melhor interprete do grupo B. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,3 (Luiz Carlos Rosa).

Ah, como eu gosto do estilo de sambas da Independente, pesado, enorme... Que delícia. Apesar de ser inferior ao do ano passado, essa obra é muito boa, destaque desse ano. A princípio não havia gostado desse samba pelo refrão central, que achei de mau gosto, mas hoje adoro. O refrão principal eu acho que é a melhor parte desse lindo samba. A primeira parte é excelente, sem comentários. O refrão central é bem qualificado, apesar de não gostar do "quá, quá, quá", também presente na Viradouro e São Clemente em 1991 e na Imperatriz em 1988. Outro excelente samba. A segunda parte é lindíssima, também sem comentários, principalmente o seu final já destacado pelo Luis Carlos Rosa. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,9 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

7 – ARRANCO“Minha alegria é viver dançando” . Como é bom ver a dupla Sylvio Paulo e Juan Espanhol de volta com todo o seu carisma. Espanhol e seus cacos inspirados e Sylvio com a voz em plena forma, nem parece que a última atuação dos dois juntos ocorrera no distante 1991. Um momento para ser louvado no carnaval! Quanto ao samba, de autoria de Lequinho (campeão também na Mangueira) e Igor Leal (vencedor na Mocidade), ele possui uma característica mais funcional (em contrapartida ao lirismo comum na escola), com dois belíssimos refrões e uma melodia bem gingada, principalmente na segunda parte. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Marco Maciel).

A agremiação do Engenho de Dentro passou por vários problemas ao longo de 2007: administrativo, financeiro... inclusive, às vésperas do desfile, um incêndio no barracão da escola acabou com os adereços de uma alegoria. Mas graças aos componentes que desfilaram com uma garra descomunal, que o falcão obteve um honroso 4º lugar, quando se esperava uma colocação bem pior. "Andanças e Folias" com toda sua pujança, tambem foi um dos principais fatores para a ótima apresentação na Sapucaí. A obra que fala sobre as danças, apesar de marcheada, é altamente funcional. O verso "Lundu, tem maxixe e maracatu/firma o batuque que eu quero sambar..." tem uma pegada impressionante e é muito gostoso de se cantar. Outro fator fundamental na escola foi a volta do experiente Silvio Paulo interpretando o samba tanto na gravação quanto na avenida. NOTA DA GRAVAÇÃO: 8,4 (Luiz Carlos Rosa).

Gosto muito desse samba, apesar de ser bastante marcheado. Apesar de não gostar muito da voz do intérprete, até que ele tem uma boa atuação. O refrão principal é de intenso agrado, apesar de ter uma melodia meio estranha, muito marcheada. A primeira parte é muito boa, mas tem algumas repetições de palavras. O refrão central é a parte que mais me agrada no samba inteiro. A segunda parte é pequena, porém também é muito boa. Enfim, falando de samba, não é grande coisa, mas como marchinha é excelente. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,1 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

8 – ALEGRIA DA ZONA SUL – “Confetes e serpentinas, que o show vai começar”. A letra que exalta a figura de Albino Pinheiro, fundador da Banda de Ipanema, é descritiva e a melodia do samba da escola da Zona Sul é animada, pra cima. O intérprete Pixulé, acostumado a cantar sambas mais pesados, tem grande atuação. Mas o samba é bastante discreto, passa despercebido no CD. NOTA DO SAMBA: 8,6 (Marco Maciel).

A escola exaltou o fundador da Banda de Ipanema, Albino Pinheiro, com um sambinha sem graça e bem marcheado. A letra é bastante previsível, um resumo básico de sinopse. Em termos melódicos, a obra não apresenta variações relevantes além de alternar bons e maus momentos. Na avenida, a agremiação de Copacabana passou muito bem, ficando na 5ª colocação. Porém, na gravação, o sambinha só não é pior do que a da Tradição. Muito fraco!!! NOTA DA GRAVAÇÃO: 6,9 (Luiz Carlos Rosa).

Isso é samba? Na minha opinião, não! E às vezes fico pensando no sambaço da escola em 2007, o intérprete Pixulé... quanto desperdício! O refrão principal, não me agrada nem um pouco. A primeira parte é ruim, como todo o resto. O refrão central é bom, a melhor parte do samba disparado. A segunda parte é média, muito melhor que a primeira, mas não é lá grande coisa... O samba é uma marchinha sem vergonha, definitivamente. Acho que de bom só o intérprete. NOTA DA GRAVAÇÃO: 8 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

9 – TUIUTI “Voa num sonho, Tuiuti”. Nesta belíssima faixa, o experiente intérprete Ciganerey conta com a ajuda de ninguém menos do que Alcione para abrilhantar o excelente samba da Paraíso do Tuiuti em homenagem ao centenário do nascimento de Cartola. O samba está à altura da história do homenageado, sendo lírico, emocionante e poético. Destaque absoluto também para o surdo um do estilo da Mangueira, que aparece na segunda passada do samba. Sem dúvida, um dos grandes momentos do disco. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Marco Maciel).

Vestida de verde-e-rosa para exaltar o centenário de nascimento do mestre Cartola, a Tuiuti obteve uma das duas vagas para o acesso A 2009, ao conquistar um discutível vice-campeonato do Bezão. A agremiação de São Cristovão teve seríssimos problemas em suas alegorias. Com relação ao belíssimo samba, possui forte apelo emocional, pois trata-se de mencionar uma das figuras mais relevantes não só do carnaval, mais tambem da música popular brasileira. A letra é de uma beleza irretocável com versos memoráveis. O refrão central "E semeou amor/deu versos em tão lindas melodias" é de chorar copiosamente. Alcione, pela segunda vez participa de uma gravação de samba-enredo. E como a "marrom" valorizou a bolacha digital!! NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,5 (Luiz Carlos Rosa).

O terceiro melhor samba do grupo, apenas perdendo para Unidos de Padre Miguel e Independente. Não poderia ser diferente, olha o enredo! Apesar de isso não dizer nada, já que a Academia de Samba Puro de Porto Alegre veio com o mesmo tema e tinha um péssimo samba-enredo. O refrão principal é de grande qualidade. A primeira parte também mantém o nível. O refrão central é maravilhoso, de grande qualidade, apesar da falsa rima (melodias / fascina). A segunda parte é excelente, principalmente a partir do "parabéns". Um grande samba, uma grande escola, um grande intérprete... não deu outra: Tuiuti no Grupo A. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,6 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

10 – SERENO DE CAMPO GRANDE – “É show de bola, é grito de olé”. Não sei se foi só comigo, mas este samba grudou no meu ouvido. É a faixa que eu mais repito do CD, talvez pela deliciosa melodia quase toda em tom maior; talvez pela fantástica atuação do intérprete Antônio Carlos, que deita e rola com sua potente voz aguda; ou até pela aceleração da bateria na segunda passada do samba com relação à primeira (algo semelhante ocorre na faixa de 2005 da Porto da Pedra no CD oficial). Típica marcha-enredo, caiu no meu gosto não sei por qual motivo, já que reconheço que não se trata de nenhum primor. Detalhe que o trecho “O índio seu lirismo deleitou” é idêntico tanto em letra quanto em melodia ao verso “O índio, ele está perdendo seu chão”, do samba “Violência Gera Violência” que batiza o disco de 1988 de Bezerra da Silva. Agita, agita!!!!! NOTA DO SAMBA: 9,1 (Marco Maciel).

A coruja praticamente a reeditou o enredo do carnaval 2006 "Do Oiapoque ao Chuí, o Sereno é Brasil", quando alcançou o vice-campeonato do Grupo C. É impressionante!!! Parece que usou a mesma sinopse!!! "O Gigante Chamado Brasil" fala da miscigenação, riquezas naturais e culturais... até mesmo o futebol. Se duvida, pegue a letra do samba de 2006 e compare com a de 2008. O samba possui letra simples aliada à melodia valente e bastante agradável. Os refrões são semelhantes em termos melódicos. Na gravação, a bateria do mestre Celsinho deixou o samba com uma leve e diferenciada cadencia que as demais co-irmãs. Destaque para o intérprete Antonio Carlos, que ao lado de Léleu, é um dos melhores interpretes da atualidade, sem exageros. NOTA DA GRAVAÇÃO: 8,2 (Luiz Carlos Rosa).

Poderia escrever praticamente a mesma coisa do que quando comentei a obra na Mocidade, as coisas que são iguais: intérpretes ruins, enredo batido, refrão principal cheio de clichês e oba-oba... Enfim, parece o mesmo samba. O refrão principal é oba-oba, repleto de clichês... e não me agrada. A primeira parte é pequena é boa, aliás, melhor dizendo, média. O refrão central é a melhor parte do samba. A segunda parte é boa, principalmente a partir de que fala de danças. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

11 – CURICICA“Yara, senhora dos rios que vem encantar”. Uma das mais agradáveis surpresas do ano. A União do Parque Curicica, até então notória por seus enredos escrachados e sambas descontraídos, apresenta um lindo samba-enredo de melodia pesada, lírica, com dois refrões fantásticos e trechos melódicos que em muito lembram as atuais obras levadas pela Beija-Flor. O ex-intérprete da Imperatriz Ronaldo Yllê, acompanhado pela excelente bateria da escola, conduz muito bem essa maravilha de samba, certamente o melhor da história da agremiação. NOTA DO SAMBA: 9,7 (Marco Maciel).

Me surpreendeu!!! A tricolor de Jacarepaguá mudou completamente seu estilo, que nos últimos anos enaltecia enredos irreverentes e polêmicos. Percebe-se que a qualidade da obra é infinitamente melhor que a dos anos anteriores. O samba, que fala sobre a preservação das águas, foi aclamado em vários fóruns de carnaval da internet. A sua melodia é lírica, permitindo uma interligação sentimental conclamadora, casando bem com a letra, que por sua vez é fiel à temática. Os refrões, tanto de cabeça quanto o central, são extremamente estupendos. Fazendo sua estréia na escola, Ronaldo Yllê interpreta a obra com maestria. Possivelmente o melhor samba da história da Curicica, que conseguiu ficar na 11ª colocação, uma posição a frente do rebaixamento. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,6 (Luiz Carlos Rosa).

Excelente, o 4º melhor samba do Grupo B, um dos melhores do ano. O refrão principal também uma divisão melódica estranhíssima, parecendo até o da Imperadores do Samba de Porto Alegre. A primeira parte é muito boa, principalmente quando fala de Atlântida. O refrão central é um dos melhores do ano, apesar de também ter uma divisão estranha, mas este, porém, me agrada. A segunda parte é boa, mas não tem nada de mais. Enfim, apesar de algumas partes não me agradarem, é um ótimo samba. Destaque para o ínicio da faixa, que é maravilhoso. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,5 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

12 – BOI DA ILHA – “Chegou a hora, vamos dar as mãos”. Confesso que sinto falta do Cadinho da Ilha. Como ele se tornou o primeiro intérprete de uma agremiação no interior do Rio de Janeiro, ele achou mais conveniente não gravar a faixa do Boi, deixando a missão apenas para Roger Linhares, que retorna à escola depois de uma frustrada passagem pela Mocidade em 2005. Não sei, o Roger não me agradou neste samba, sua interpretação está muito sem sal. Faltou alguma coisa... como a malandragem da voz do Cadinho. O samba-enredo por si é bom, com características de funcional, porém inferior aos anteriores da escola. NOTA DO SAMBA: 8,7 (Marco Maciel).

Outro samba que fala sobre preservação, englobando toda a natureza. Possui uma letra bonita, com versos impactantes, que transmitem a mensagem de alerta ao homem pela bosta que ultimamente vem fazendo. Já a melodia tem qualidade excepcional na segunda parte. O refrão central "A natureza é uma beleza e o cidadão..." é maravilhoso, tanto em termos melódicos como em letra. Não é um sambão, mas dá pro gasto. A agremiação da Freguesia ficou na 9ª posição. NOTA DA GRAVAÇÃO: 8,6 (Luiz Carlos Rosa).

Gosto desse samba, um dos melhores da safra. O refrão principal tem a melodia mais estranha do que a da Curicica, ela é corrida. A primeira parte é a melhor do samba-enredo, principalmente: "Pois afinal são sinais dos tempos / É a revolta das águas, dos ventos / É o juízo final, é sofrimento / Gaia, vai aqui nosso lamento", que prepara lindamente para o refrão central, que é bom, mas não é lá grande coisa... A segunda parte mantém a média do samba. Um bom samba, um dos melhores da escola. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,4 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

13 – INOCENTES DE BELFORD ROXO – “O meu coração é Inocentes”. É nítida a evolução do intérprete Tem-Tem Sampaio com relação ao CD do ano passado. O cantor simplesmente dá um show na gravação da faixa, chegando a emocionar. A meu ver, é a melhor gravação de um intérprete em todos os grupos no Rio em 2008. A atuação legendária de Tem-Tem pode ser motivada por seu filho Temtemzinho ser um dos autores do samba-enredo, de melodia valente e dois refrões arrasa-quarteirão. Sem dúvida, é o melhor samba da história da escola, também de autoria de Cláudio Russo (bicampeão na Beija-Flor). É samba para se ouvir no CD e repetir várias vezes. Outro grande momento do disco. Coincidência ou não, a Inocentes foi campeã do Grupo B, passando a desfilar no Grupo A em 2009. Ironicamente, Tem-Tem deverá ser rebaixado a cantor de apoio com a contratação de Dominguinhos do Estácio pela agremiação de Belford Roxo. NOTA DO SAMBA: 9,6 (Marco Maciel).

A campeã do Acesso B 2008 levou para a avenida "Ewe, a Cura vem da Floresta", enredo que fala sobre as ervas medicinais. O sambão de Claudio Russo e parceiros possui letra totalmente descritiva (a escola alterou a palavra Inocentes por Belford Roxo no refrão de cabeça pra não ficar repetitivo). A melodia é valente e sobretudo fantástica, apesar de algumas "colchinhas de retalhos" mandrake. A segunda parte é rica em variações, impactando o ouvinte. O refrão central "Da negra mãe não só ossaim/vem de Alaketu, jejê e Angola" tem uma energia impressionante. É sem dúvida o melhor samba da escola em todos os tempos. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,4 (Luiz Carlos Rosa).

O samba da campeã do Grupo B me agrada, e muito. Adoro o Tem-Tem, pena que ele não é mais o intérprete oficial da escola... O refrão principal é muito bom, apesar de não ter uma melodia definida. A primeira parte é de grande agrado. O refrão central é muito bom, um dos melhores momentos da faixa. A segunda parte deste samba também é de intenso agrado. É um dos melhores sambas do grupo, porém é muito complicado de cantar: contém palavras difíceis e uma melodia rapidinha. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,3 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba

14 – VIZINHA FALADEIRA“Abram alas que a Vizinha vai passar”. Em primeiro lugar, meus parabéns à galera que emplacou o samba-enredo na Vizinha, cujos compositores são figurinhas carimbadas nos fóruns de carnaval e também no carnaval virtual, como Ricardinho Delezcluze, Diego e Freddy Ferreira, Thiago Lepletier e Renato Buarque (webmaster do Apoteose.com). Sobre o samba, é animado, de letra descritiva (sem clichês, o que é mais importante) e melodia funcional. O intérprete Marcelinho não compromete. NOTA DO SAMBA: 9 (Marco Maciel).

A agremiação de Santo Cristo apresentou as maravilhas do Brasil - especialmente do Rio de Janeiro -, uma obra de letra simples mas extremamente descritiva. A melodia é valente e com alto astral contagiante. A segunda parte do samba possui variações bastante interessantes. O refrão de cabeça "Abram alas que a Vizinha vai passar" é bem humorado, de muito bom gosto. Já o central "O swing desse povo contagia..." é mais funcional. Infelizmente, a escola ficou na 13ª colocação e acabou caindo para o Acesso C 2009. Pelo menos o ótimo samba fecha a bolacha digital com chave de ouro. NOTA DA GRAVAÇÃO: 8,7 (Luiz Carlos Rosa).

Um bom samba, mas é o único que não sei nada da melodia. Estou fazendo esse comentário ouvindo o samba. Bom, deixa eu ver... O refrão principal é bonzinho, mas não é lá grande coisa... A primeira parte é boa também. O refrão central é muito bom, melhor que o primeiro. A segunda parte é excelente, muito boa realmente. Esse samba me surpreendeu, um dos melhores do CD. E apesar de ser muito criticado, até que gosto do Marcelinho. Pena que o desfile foi tão ruim... NOTA DA GRAVAÇÃO: 9,1 (Vitor Ferreira). Clique aqui para ver a letra do samba