PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

Os sambas de 2002

Os sambas de 2002

 

A GRAVAÇÃO DO CD - Na minha opinião, a melhor gravação desde a volta ao estúdio, ocorrida em 1999. Embora a maioria considere a gravação pesada e barulhenta (e é), eu gosto muito deste estilo pelo fato de ter deixado a bateria em total primeiro plano. Eu ainda critico um pouco o som da bateria nos atuais CD's gravados em estúdio, pois parece que apenas as caixas são tocadas (até na hora em que o tamborim entra dá a impressão de que são as caixas que fazem o serviço), mas a bateria, no CD de 2002, dá show. Em relação ao CD de 2001 (quando a bateria era discreta), o som da bateria foi relativamente aumentado no CD de 2002, deixando o samba praticamente em segundo plano. Pra se ter uma idéia, o coro é muito discreto. Só aparece pra valer na segunda passada. Na primeira, se ouve apenas a voz do intérprete oficial, acompanhado pelo minúsculo coro e seu som consideravelmente diminuído. A exceção é na faixa da Portela, onde o coro ajuda Gera a cantar o samba. De um modo geral, os sambas foram apresentados de modo cadenciado, com algumas exceções, e muito mais animados do que em relação ao disco do ano anterior. As cuícas também aparecem muito bem no disco. Sobre os sambas, temos uma safra de razoável para fraca, muito inferior a de 2001 mas um pouco superior a de 2003. Essa é a minha opinião. E a gravação do CD melhorou muito os sambas, fazendo com que muitos onde o arrastamento na avenida era certo serem bem audíveis no disco. NOTA DA GRAVAÇÃO: 9 (Mestre Maciel).

1 - IMPERATRIZ - O samba não é aquela maravilha. Muito longe disso. O hino parece ser muito adepto ao estilo oba-oba, a começar por um refrão que se inicia com "Hoje o couro vai comer". Refrão principal, aliás, meio enjoado. O do meio possui uma melodia legal. Mas, no geral, a melodia não é muito original e a letra é até interessante. Paulinho Mocidade, no CD, parece não estar muito seguro. Considero o samba um pouco chato, tanto que, quando eu coloco o CD de 2002 no meu som, sempre começo a ouvir a partir da faixa 2 (Beija-Flor). Só escuto o da Imperatriz quando eu tiver um tempinho sobrando. NOTA DO SAMBA: 8,8 (Mestre Maciel).

É um samba com uma letra bastante chinfrim e cheio de lugares comuns. Além disso, é mal distribuído. A primeira parte é imensa e cansativa, enquanto que a segunda é bem pequenininha. A melodia também não é lá essas coisas, cheia de notas extensas. Paulinho Mocidade não foi mal no Sambódromo, mas o excesso de vezes em que repetiu o  caco ''...Virou o que?...'' encheu o saco até mesmo do mais paciente expectador. NOTA DO SAMBA: 8,7 (Cláudio Portela).

O samba enredo segue uma linha de sambas discretos e com pouca relevância, mas que servem pra seu estilo de desfile. Tanto letra como melodia são bem comportadas, faltando arrojo em ambas. É um samba sem ambições maiores e que não é marcante em nenhum momento. NOTA DO SAMBA: 8,8 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

2 - BEIJA-FLOR - Um samba que tem a cara da escola: sua melodia pesada comprova isto. Samba da Beija-Flor que não possuir uma melodia envolvente como a de 2002 simplesmente não é samba da Beija-Flor. A primeira parte é maravilhosa e o refrão central é excelente. As demais as considero comuns. Neguinho, evidentemente, conduziu o hino sem problemas. Detalhe que, no CD, o som do cavaquinho é totalmente abafado pela forte bateria, a principal característica do pesado CD de 2002. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Mestre Maciel).

Esse samba tem uma melodia muito boa, mas a letra parece de bloco. Neguinho deu-lhe vida na Sapucaí, e a Beija-Flor, pela quarta vez consecutiva, foi injustiçada. Coisas do carnaval. NOTA DO SAMBA: 9,0 (Cláudio Portela).

Samba enredo de melodia muito bonita, suave, principalmente em seus dois refrões. Consegue esconder bem o enredo patrocinado. Talvez uma letra um pouco mais trabalhada levaria o mesmo à perfeição. Consegue manter a excelente média quanto a qualidade dos sambas da escola, desde 98. Na avenida, passou muito bem. NOTA DO SAMBA: 9,8 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

3 - MANGUEIRA  - Maravilhoso! Uma obra-prima da verde-e-rosa! O melhor samba de 2002 indiscutivelmente e um dos melhores da história da escola. Pra começar, o samba tem a cara da Mangueira. O refrão "Vou invadir o Nordeste, sou cabra da peste..." foi um sucesso, já que sua melodia é simples. O refrão central é interessante por ser longo (oito versos), mas isso acabou por enriquecer ainda mais o samba, pois a sua melodia é espetacular e envolvente. A primeira e a segunda parte também são boas em letra e melodia. Jamelão com certeza não teve nenhum problema para conduzir com maestria o samba que, mesmo com a duração de 6 minutos e 37 segundos no CD, não cansamos nunca de ouvir. O samba é daqueles que se enquadra bem tanto no estilo cadenciado (no CD) quanto acelerado (na avenida). Agradeço aos (apenas) dois compositores Lequinho e Amendoim por este samba lindo e emocionante, que deu uma decisiva contribuição para o título mangueirense. NOTA DO SAMBA: 10 (Mestre Maciel).

Sambão! Tem uma letra simples e melodia redondinha. Além disso, tem a cara da Mangueira. Por tudo isso, esperava que fosse melhor executado na avenida. Seja como for, foi um sucesso. Se a Manga foi campeã, em parte deve agradecer a esse hino. E como! NOTA DO SAMBA: 9,6 (Cláudio Portela). 

O trecho "...doce Cartola, sua alma esta aqui..." com certeza identifica que o grande compositor verde e rosa estava inspirando os compositores desta obra prima. Um samba perfeito. Letra que remete com emoção o sofrimento mas também o orgulho, a raça, e o folclore do povo nordestino. Melodia ímpar. Um dos melhores sambas da história da Mangueira. Peça chave para o título merecido da escola em 2002. NOTA DO SAMBA: 10 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

4 - SALGUEIRO - O samba sem dúvida é prejudicado por sua melodia aguda demais. E em sambas como este, Nêgo costuma berrar, o deixando mais gritado do que já é (o mesmo problema aconteceria no ano seguinte com o samba da Tijuca). O refrão principal é prejudicado pela expressão "Vou zoar". Há quem identifique este samba apenas com este termo ("Aquele samba que diz Vou zoar..."). O refrão central é fraco, seria mais adaptável a uma marchinha ou até mesmo a um frevo. E a escola ainda teve o azar de utilizar o mesmo enredo da Beija-Flor (aviação), a única diferença era o patrocínio (Salgueiro pela TAM e Beija-Flor pela Varig). Isso acabou ofuscando um pouco a passagem da escola na Sapucaí em 2002. E o gritado samba, como era de se esperar, se arrastou. Nêgo deixou a escola depois do carnaval. O samba, apesar dos desfavoráveis predicados, é audível no CD graças à excelente atuação da bateria (a introdução da faixa é demais). NOTA DO SAMBA: 8,6 (Mestre Maciel). 

Olha o boi ai, gente! ''...Vou zoar/Nem melhor nem pior...'' (?!?!?) ';... O sonho está no ar/ Vai decolar...'' (se já está no ar, como é que vai decolar?). ''... Hoje eu vou salgueirar, da avenida voar/ Com a bandeira do meu país/ Vou com Santos Dumont/ Tirando onda em Paris...'' (Uma escola do ''Grupo Z'' faria refrão melhor). ''... Riscando o céu de vermelho/ Estende o tapete...'' (?!?!?). Sinistro, muuuuuuuuito sinistro!!! Mais sinistro ainda é que só ganhou dez na apuração! Vai entender... NOTA DO SAMBA: 7,0 (Cláudio Portela). 

Mais uma vez, um samba cheio de jargões, lugares comuns e frases sem nexo como "...o sonho está no ar...". Samba quase todo em tom alto, bem agudo, dificultando seu canto. Diferentemente do samba da Beija Flor que também falava sobre a aviação, não conseguiu fugir do patrocínio. NOTA DO SAMBA: 7,5 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

5 - VIRADOURO - Um samba injustamente criticado pelos bambas, mais pelo fato do enredo da escola ter sido muito confuso. Expressões como "okê, okê" aumentaram ainda mais as críticas. Mas a melodia é maravilhosa e emocionante, e a letra também me agrada bastante. O curto e bom refrão central (o principal é bem oba-oba) e uma brilhante interpretação de Dominguinhos da Estácio (o que não é novidade pra ninguém) contribuem para o enriquecimento e a beleza do samba. Excelente a atuação da bateria na faixa e o seu encerramento no CD é fantástico (com um show da bateria do irreverente Mestre Ciça). NOTA DO SAMBA: 9,4 (Mestre Maciel).

Tem uma melodia muito boa, e a letra, apesar de confusa, também não é ruim. Não é uma samba grande, nem cansativo. Tem refrãos pequenos e animados, mas não conseguiu empolgar no Sambódromo. O enredo era tão confuso que não houve como se fazer um produto de melhor qualidade. NOTA DO SAMBA: 9,4 (Cláudio Portela). 

Se o desfile foi fraco, o mesmo não se pode dizer do samba. Boas passagens melódicas. Letra rica, deixando os clichês apenas no refrão principal, que é o único pecado do samba, por ser fraco e de letra e melodia apelativa. No resto, um bonito samba. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

6 - GRANDE RIO - Quinho não foi feliz cantando o hino da escola de Caxias de 2002. Praticamente não entendíamos nada do que ele cantava (tanto no CD quanto na avenida), ele simplesmente balbuciava a letra. O samba realmente é muito difícil de ser cantado, pois seu andamento é muito rápido e os versos são compridos. Só quem tem uma dicção muito boa consegue fazer com que o povo entenda a mensagem que o samba que passar (o que, obviamente, não é o caso do Quinho). E o samba também tem todo o jeito de marcha, com a expressão "Hê" sendo constantemente repetida e ainda ser repleto de versos oba-oba como "Me leva que eu quero ver", "Do poeta uma voz ecoou ôôôô", "Grande Rio é samba é amor", etc. Mas eu considero um samba bom e animado. NOTA DO SAMBA: 8,9 (Mestre Maciel).

Samba de melodia toda costurada e letra cheia de palavras indecifráveis, além de intermináveis repetições da interjeição ''Hê'', o que me parece inexplicável. Na avenida, o desfile parecia parada militar, tal a forma como o samba foi executado. Mas existe (mal) gosto para tudo, e mesmo assim a Grande Rio ainda ficou na frente de muita escola grande. Vê se pode? NOTA DO SAMBA: 7,6 (Cláudio Portela).

A Grande Rio ousou na escolha de seu samba para 2002. Trouxe para avenida um samba enredo de construção totalmente incomum. Um refrão principal de passadas longas, que se confrontam com os demais trechos que se seguem rapidamente, quase sem pausas. Se encaixou bem ao estilo de seu intérprete, Quinho. Não apela nunca para clichês e conta o enredo de forma brilhante. NOTA DO SAMBA: 10 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

7 - MOCIDADE - Um samba que, para mim, não fede nem cheira. É animado, possui uma melodia chamativa, mas eu o acho fraquinho. Para mim, é um legítimo pula-faixa. Wander Pires e a bateria dos Herdeiros de André mantêm a média no CD. NOTA DO SAMBA: 8,8 (Mestre Maciel).

É um samba bonitinho, que parece mais música de LP de criança que faixa de um CD como este. Na avenida, a Mocidade estava linda e deu um sacode, mas não dá pra dar uma nota muito alta a esse hino, assim com não dá pra ''pegar pesado'' com ele. NOTA DO SAMBA: 9,1 (Cláudio Portela).

Samba "politicamente correto". Segue bem a linha poética e lírica do enredo. Tem boa melodia mas a letra não emploga em nenhum momento, usando termos muito requentados, como " meu amor, coração, alegria," Mas conta com graciosidade o enredo. NOTA DO SAMBA: 9 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

8 - TRADIÇÃO - A introdução é um saco: o som das ondas do mar aliado a Celino Dias entoando os dois versos do refrão principal. Sei lá, a minha conclusão é que Lourenço (atual intérprete da escola e o mesmo que fez "Poeeeeiraaaa! Levantou poeeeiraaa...) e Adalto Magalha tentam imitar David Corrêa ao colocar nos refrões as mais variadas interjeições, como olêlêlê, iô, iá, ai ai ai, laiá, laiá. É lógico que não dá para comparar o mestre David com essa fracassada dupla de compositores que, embora ganhem todo o ano o concurso da escola (só não levaram em 2004 por causa da reedição), não fizeram nada que prestasse. Como os últimos sambas da escola, a letra é algo que beira ao ridículo ("Ai meu Deus como é bonito", "Hoje eu quero amor te namorar" comprovam a pobreza poética característica dos dois compositores). Um samba que só se torna audível devido à excelente gravação do CD de 2002, que fez a bateria dar show. E mais uma vez defendo Celino Dias: é um baita intérprete, o problema é que só cantou sambas fracos na escola. Quem o ouvir cantando o samba da Lins Imperial de 1987 "Tenda dos Milagres" certamente vai repensar as tantas críticas injustas dirigidas ao intérprete, por sinal ex-genro de Silvio Santos. NOTA DO SAMBA: 8,2 (Mestre Maciel).

É o samba do ''...Olé, lê, lê...'', do ''... Iô, iô, ô, ô, ô...'', e é claro da ''...Iá, iá, á, á, á...''. A melodia, parece de forró (daqueles bem pé de chinelo, diga-se de passagem). Vamos atravessar a ponte? É a região dos lagos, gente! É sal, é emoção! Olha a ooooooooonda!!! É, Tradição... Em se tratando de samba-enredo, a luz no fim do túnel é um trem, e o piloto é o Celino Dias. Socorro!!! NOTA DO SAMBA: 7,0 (Cláudio Portela).

O samba da Tradição é bastante simples em sua melodia e letra e em nenhum momento traz alguma novidade. Também não é um samba comprometedor, passando quase reto. NOTA DO SAMBA: 8 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

9 - UNIDOS DA TIJUCA - Para mim, a melhor gravação do CD. A bateria da Tijuca é simplesmente FAN-TÁS-TI-CA. E o samba é maravilhoso, com o competente Wantuir, como sempre, dando show. A letra se enquadra perfeitamente ao enredo. É um hino que, na minha opinião, considero melhor do que o samba da escola de 2003, o mesmo que muitos o qualificam, exageradamente, como "um dos melhores de todos os tempos". NOTA DO SAMBA: 9,6 (Mestre Maciel).

Um belo samba, para um belo enredo. O desfile, porém, foi uma seqüência de insucessos. Esse hino faz parte daqueles politicamente corretos que não conseguem agradar na avenida, como o da Mocidade por exemplo (embora eu o considere um pouquinho melhor). NOTA DO SAMBA: 9,2 (Cláudio Portela).

Mais um sambaço da escola do Borel. Refinado em letra, com poesia apurada e melodia bem casada com a letra. Um samba muito lírico. Pra mim, seu único ponto fraco é o refrão do meio, que destoa do resto do samba, tanto em letra como melodia. De resto, mais um sambão da Tijuca. NOTA DO SAMBA: 9,8 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

10 - PORTELA - Samba que, no CD, não consigo ouvir apenas uma vez. Repito umas três, quatro, ou até cinco vezes. Embora seja praticamente uma marcha-enredo (andamento muito rápido), o hino portelense de 2002 possui uma excelente letra e uma envolvente melodia. Aliás, esse samba nunca diria que fora assinado por David Corrêa: possui características diferentes de seus velhos sambas. Gera não foi muito bem na avenida (no CD não fedeu nem cheirou) e, por isso, 2002 foi o ano do auge das críticas dos portelenses contra este bom intérprete. O "POTELA" de Gera no começo da faixa foi a gota d'água. No CD, destaque para a participação de David Corrêa (com uma voz mais rouca do que já era) na segunda passada do samba, cantando e dando cacos. Uma pena que, no encarte do disco, sua participação na faixa não foi creditada. David ajudou Gera a entoar o samba na avenida também. NOTA DO SAMBA: 9,6 (Mestre Maciel).

É um samba valente, que conseguiu falar da Amazônia sem cair na mesmice. Foi um dos carros-chefe de um dos melhores e mais injustiçados desfiles da Portela nos últimos tempos. Um desfile emocionante, que me levou as lágrimas ao encerrar-se, pois resgatou a velha dignidade portelense e deixou Madureira de alma lavada. Emocionante também a participação de David Corrêa, diga-se de passagem. NOTA DO SAMBA: 9,5 (Cláudio Portela).

Samba bem ao estilo David Corrêa. Melodia menos suave do que seus sambas anteriores, mas de boa qualidade. Letra nem tanto. Colocar o termo "boi maneiro" só pra rimar com Rio de Janeiro não foi feliz. Mas o samba em termos gerais é bom. NOTA DO SAMBA: 9,1 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

11 - IMPÉRIO SERRANO - Belo samba, com uma primeira parte pequena e uma segunda parte de um grande número de versos (embora entoados num ritmo acelerado). Carlinhos da Paz deu show na avenida, mas mesmo assim acabou dispensado da escola. A melodia do samba e os refrões são envolventes. A gravação deixou o samba muito forte e o rotulou definitivamente como um dos melhores de 2002. NOTA DO SAMBA: 9,4 (Mestre Maciel).

A faixa mais empolgante do CD, com o naipe de agogôs e o show de Carlinhos da Paz, que tem o melhor agudo dentre todos os puxadores da atualidade. A melodia é muito boa, mas a letra é fraquinha. Na avenida, o samba foi cantado um tom abaixo e foi um fracasso. O desfile, ao contrário, foi show. O sexto Estandarte de Ouro ganho pela escola no quesito bateria foi o canto do cisne de Mestre Macarrão, assassinado no mesmo ano. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Cláudio Portela).

Outra relíquia da coroa imperial. Samba denso, ao estilo antigo. Contando um enredo riquíssimo. Sem apelar uma única vez para algum clichê. Apesar de passar na avenida em tom abaixo do original, deu toque especial ao belo desfile da escola. NOTA DO SAMBA: 10 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

12 - CAPRICHOSOS - A letra é uma das piores da história do carnaval. Pra começar, a letra fugiu do enredo ao citar o são-borjense Getúlio Vargas, que pouco tem a ver com Porto Alegre. E, no geral, o desfile falou mais do Rio Grande do Sul do que de Porto Alegre. Isso sem contar a insistência da letra com o "tchê" (que Jackson Martins entendia e cantava "ti"). A melodia é muito complexa e possui passagens totalmente incomuns em sambas-enredo. Mesmo assim, a admiro muito. A gravação do CD melhorou muito o samba, que foi mal na avenida. Porto Alegre merecia uma homenagem mais digna. NOTA DO SAMBA: 8,8 (Mestre Maciel).

Outro samba fraco, com esquisitices tipo: ''gauchei''  ''trialegre'', ''Tchê faz isso; Tchê lembra aquilo'', etc, etc. A letra, como um todo, é fraquíssima. A melodia é razoável, mas não salva o resultado final. NOTA DO SAMBA: 7,4 (Cláudio Portela).

Letra recheada de jargões como "tô que tô", "vem amor"e "meu amor". Melodia mal costurada com quebras muito mal feitas. Foge do enredo que é Porto Alegre e se torna uma homenagem ao estado gaúcho como um todo. Não deixa saudades. NOTA DO SAMBA: 7,5 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

13 - PORTO DA PEDRA - Para mim, o melhor samba da história da escola até 2007. Melodia toda envolvente, com excelentes variações, e ótima interpretação de Preto Jóia. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Mestre Maciel).

Samba que tem uma melodia boa e letra fraca. Expressões derivadas da verbete ''coroa'' são repetidas incessantemente, o que aparenta fala de criatividade e deixa o samba enjoativo. NOTA DO SAMBA: 8,9 (Cláudio Portela). 

Um samba de boa melodia e letra apenas comportada, sem nenhuma nuance de grande inspiração. Na avenida, passou muito bem deixando boa impressão. Samba "feijão-com-arroz". NOTA DO SAMBA: 8,8 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba

14 - SÃO CLEMENTE - O refrão principal me agrada. O verso "aqui não tem racionamento de alegria" caracteriza bem um momento da época, onde o governo pedia para que racionássemos energia elétrica. Mesmo com o fato disso não ter nada a ver com o enredo, eu gostei do verso. É um samba de melodia agradável e leve, que eu gosto muito e está muito bom no CD (principalmente o breque da bateria no fim da primeira passada para o refrão principal), porém na avenida o samba fracassou. A escola, como de praxe, desceu de grupo após o desfile. NOTA DO SAMBA: 9,1 (Mestre Maciel). 

Outra marchinha de carnaval em forma de samba-enredo. Nada a ver aquela parte do ''racionamento de alegria''. Se o objetivo era ironizar a situação vivida pelo país na época, passou longe disso. Até porque não tinha nada a ver com o enredo. Além disso, não dá pra aturar um refrão que começa com ''...É Lindo!!! É bom demais!!!...'' NOTA DO SAMBA: 8,0 (Cláudio Portela).

Em algumas passagens o samba cai para ritmo de marcha. Tem uma letra interessante e é um samba envolvente em sua melodia. Não compromete em nenhum momento. NOTA DO SAMBA: 9 (Franclim). Clique aqui para ver a letra do samba