PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

Os sambas de 1999 - Acesso A

Os sambas de 1999 - Acesso A

A GRAVAÇÃO DO CD - O jornal O DIA juntamente com a SEL Produções Artísticas arcaram na produção do CD, que foi comercializado em bancas de jornais do Rio. O formato de gravação abusa dos desnecessários fru-frus que proliferaram os albuns de sambas-enredos a partir da década de 90. E o CD do Grupo de Acesso 1999 foi literalmente infectado pelo sucesso dos grupinhos de pagodes sem graça. É que algumas faixas apresentavam (principalmente nas introduções) o "pagodismo" insuportável e intolerável. Com relação à bateria, destaque para o aparecimento dos pratos. Entretanto, o ponto negativo da gravação é sem dúvida o coral de pastores que só entoam as obras nos refrões e desaparecem na segunda passada. A safra de sambas do Acesso A 1999 é de mediana para ruim. Destaque para o sambão da Unidos da Tijuca, que merecidamente ganhou Estandarte de Ouro e o Sambanet de melhor samba. NOTA DA GRAVAÇÃO: 5 (Luiz Carlos Rosa).

1 - UNIDOS DA TIJUCA - Um dos melhores sambas da história do Acesso. Digno de ser incluído na lista que elaborei em minha terceira coluna (só não o fiz porque, na minha opinião, realmente haviam melhores). Para muitos, o  melhor samba da escola do Borel em todos os tempos. Não chego a pensar assim, mas não lhe tiro o mérito. NOTA DO SAMBA: 10 (Cláudio Carvalho).

"Pedras preciosas quero me enfeitar/encantar a índia com o meu olhar/só Tupã sabia que eu não podia/me apaixonar...". É amigo!!! Este é um dos refrões mais belos da história do carnaval, para todo sempre. É de arrepiar o couro cabeludo. Mas o sambão da agremiação do Borel não está restrito apenas neste soberbo refrão. "O Dono da Terra" tem uma melodia espetacular, envolvente e com variações sensacionais a ponto de fazer o sambista a se emocionar. O refrão do meio "Veja o orvalho, vem caindo/cheiro das matas, vem surgindo/vou navegar meu rio-mar/mistérios que vou desvendar" tambem é melodicamente perfeito. Na minha visão, o sambão de 1999 só está abaixo das obras-primas de 1983 e 1981 (nesta ordem de preferência) como o melhor da escola "uni-tijucana". Impressionante é que depois da conquista do Acesso A 99 (conseqüentemente voltou para o Especial), a escola deu uma guinada chegando a ser bi-vice-campeão do Grupo de Elite em 2005 e 2006. NOTA DO SAMBA: 10 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

2 - ESTÁCIO - Um dos sambas mais fracos da Estácio. O primeiro refrão, com as onomatopéias ''bum'' e ''ziriguidum'' fazendo rima, já anunciam o fracasso. Este, por sua vez, se confirma na inclusão equivocada do  vocábulo ''franca'' em um dos versos, para fazer uma alusão à cidade paulista de mesmo nome. e o que dizer de uma estrofe que contem as seguintes pérolas: ''Se apertar então eu calço um chinelo/Ou aquele tênis velho/E dou um bico na tristeza...''. Na boa, quem merecia um ''bico'' era esse samba. NOTA DO SAMBA: 8,4 (Cláudio Carvalho).

A faixa 2 do sambinha da grandiosa Estácio de Sá foi totalmente digerida sem dó e sem piedade pelo sambaço da Unidos da Tijuca. Aliás?!?! Um sambinha que começa com a terrível introdução, mencionando "Só no Sapatinho", somente para incrementar o enredo, que é de uma bizarrice tremenda. "No Passo do Compasso...a Estácio no Sapatinho" é um sofrimento para o sambista que está acostumado a grandes sambas estacianos, como "Quem é Você" de 1984 ou "Tititi do Sapoti" de 1987/2007 - só para comparar com os oba-obas. A letra é de ruim para péssima. O verso "surge, um ser iluminado" é praticamente "xerox" do verso "surge, um homem iluminado" da Viradouro campeã de 1997, tanto em melodia como em letra. A partir do verso "tem a plataforma, o botinão..." até o "que beleza, vamos nessa meu Leão..." parece que o samba está fazendo um jingle de loja de calçados. Para não ser tão impiedoso, destaco apenas a bateria que aparece bem na segunda passada. Por que o resto do sambinha...é lamentável. NOTA DO SAMBA: 6,1 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

3 - SANTA CRUZ - Antes de começar a analisar esse samba, faço uma pergunta: dentro de casa lhes parece o lugar ideal para alguém que se diz sambista dizer no pé? Daí já dá pra tirar que não se pode levar esse mini-samba (são pouco mais de 20 letras) a sério. O que salva um pouquinho é a boa melodia, mas umas três ou quatro linhas a mais não lhe fariam nada mal. NOTA DO SAMBA: 8,7 (Cláudio Carvalho).

O enredo da agremiação verde e branca da Zona Oeste exalta o empresário Abraham Medina. Será que ele gostou da homenagem??? Na minha visão, o samba é bem mediano. Letra sem poesia, com clichês a todo gosto e as famosas obviedades nas rimas (começar/sambar/desfilar/brilhar - tudo na primeira parte). O verso "vai ligando a TV/e arraste o sofá/que quero sambar" possui a métrica bem equivocada. A melodia é bem agradável com ótimas variações principalmente na diminuta segunda parte. É de salientar a maravilhosa interpretação do saudoso Carlinhos de Pilares, com "cacos" inusitados do quilate de "Tá tudo aí pra vocês!!! Geladeiras, televisões!!! Vendo tudo, vendo tudo!!! Alô harmoniaaaa... a união faz a força!!!" Figuras como essa faz muita falta ao carnaval certinho de hoje. Saudades, Carlinhos!!! NOTA DO SAMBA: 8 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

4 - PORTO DA PEDRA - Um dos melhores sambas da breve história da escola de São Gonçalo. Uma pena que seus compositores ainda não tiveram a mesma inspiração nos tempos de Grupo Especial. A simples lembrança de Zé Pereira, entrudo, ranchos e sociedades já merece crédito, e a forma como foi executada (sem dar vez a clichês) são o ponto alto dessa faixa. NOTA DO SAMBA: 9,6 (Cláudio Carvalho). 

Assim como a Unidos da Tijuca, o Tigre de São Gonçalo caiu para o Grupo de Acesso em 1998 e voltou para o Especial em 2000. E com toda certeza o samba ajudou bastante para a vermelho e branco conquistar o vice-campeonato. A letra é bem descritiva contando o tema sem rodeios. Os refrões são contagiantes, sendo o destaque maior para o principal "Bate forte coração...". Possui uma boa melodia apesar do ínício da segunda parte ser idêntico ao da primeira. NOTA DO SAMBA: 9 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

5 - EM CIMA DA HORA - ''...Ah moleque bom!...''. O samba da escola de Cavalcanti tem uma melodia empolgante, que se encaixa perfeitamente a letra (um pouco confusa), e a sua marcante bateria, que dá um show na faixa. A paradinha no refrão do meio, então, é um espetáculo a parte! Tiãozinho Cruz mostra toda a sua capacidade, mas exagera no verso ''Ô gira roda, todo mundo a girar'', pois parece até o Galvão Bueno narrando gol do Rrronaldinho. NOTA DO SAMBA: 9,4 (Cláudio Carvalho).

Um show da bateria e uma atuação de gala de Tiãozinho Cruz marcaram a faixa 5 da agremiação de Cavalcanti. O samba é bem simples mas correto. Os refrões são excelentes, mas o do meio... "Oh, madrugada/o amanhecer já bate a sua porta/Em Cima da Hora é a razão/do forte compasso em meu coração". Na segunda passada do samba, a bateria faz uma ousada paradinha deixando só o cavaco. Tudo isso neste mesmo refrão do meio. SIMPLESMENTE SENSACIONAL!!! NOTA DO SAMBA: 9,5 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

6 - UNIDOS DO CABUÇU - Um samba interessante esse da Unidos do Cabuçu, um dos últimos focos de resistência do samba de raiz no Rio de Janeiro, e que agoniza mas não morre. A melodia é bastante animada (algo raro hoje em dia), e a letra, pra um samba que fala em cabelo, até que não é das piores. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Cláudio Carvalho).

O começo da faixa é hilário. Enquanto o interprete Sereno dá o seu grito de guerra, sincronizadamente o coral abafa gritando "é Cabuçu" por sete vezes seguidas. O título do enredo é criativo. "O MEU Cabelo Não Nega", que rendeu num belissimo samba para a azul e branca do Lins de Vasconcelos. Claro que há os inevitáveis clichês do estilo "vem amor" e "vem festejar", por ser tratar de ser um samba animado (oba-oba pra ser mais exato). Contudo, podemos perceber uma variedade de sacadas inteligentes na letra, sem precisar expor o sujeito nos versos. Por exemplo: "pra quem duvida ou brincou de amor/a ciência prova a essência que ficou". Nem precisou mencionar a palavra DNA na letra do samba. Ou seja: os compositores estiveram bem inspirados na produção da linguagem deste samba. Outro grande momento da obra é o belo refrão do meio "Falso ou verdadeiro/em cor ou natural/nasce com a vida /muda o visual". Muito bom mesmo!!! NOTA DO SAMBA: 9,3 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

7 - CUBANGO -  Como o samba da co-irmã do Lins, o da escola de Niterói é outro que, apesar do fraco enredo, consegue se destacar. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Cláudio Carvalho).

Ô sambinha chato!!! A introdução lembra aqueles pagodinhos horrendos que a mídia abraçou no finalzinho dos anos 90. A letra não compromete, descreve com competência o tema sobre tempero. A melodia só é legalzinha a partir da segunda parte. Os refrões não tem explosão. A bem da verdade, é um sambinha sem sal!!! NOTA DO SAMBA: 7,9 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

8 - VILLA RICA - A cabeça do samba diz bastante sobre ele (''Ôba-Ôba''). É desses que falam o time, a escola e o santo do homenageado, como tantos outros. A melodia é até boa, e Nêgo aparece como uma agradável surpresa que não foi suficiente, porém, para garantir o sucesso da escola. NOTA DO SAMBA: 8,7 (Cláudio Carvalho). 

A agremiação de Copacabana fez uma bela homenagem à Sargentelli com um samba muito bonito e que sua estrutura de composição lembra as obras dos anos 80. A letra é bem fiel ao enredo e sua melodia é bastante envolvente. Destaco o refrão principal "Ôba-Ôba meu povo / no requebrado da mulata / cai na ginga do boêmio / que é filho da Lapa" que é bem valente e contagiante. O interprete Nêgo - que na época estava na Grande Rio - valorizou ainda mais a faixa 8 da Villa Rica com sua envolvente interpretação. NOTA DO SAMBA: 8,9 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

9 - JACAREZINHO - Samba imenso, de trinta e uma linhas, que fala muito e diz pouco. Destaque para a paradinha funk num dos refrões. Uma curiosidade: Xandi de Pilares, do Grupo Revelação, aparece como um dos seus autores. NOTA DO SAMBA: 8,6 (Cláudio Carvalho). 

Não tenho certeza mas, vendo e relendo a letra do samba, me parece que houve uma fusão de duas obras. Mas mesmo com junção ou sem junção, o sambinha é fraquíssimo e muito mal elaborado. Pra se ter uma idéia, a estrutura de composição da obra foi absurdamente comprometida. Vejamos a primeira parte, que começa bem até o fatídico verso "arrepia bateria / e faz essa galera delirar". Agora pergunto a você: o que esse versinho oba-oba está fazendo AÍ justamenta na parte que DESCREVE o enredo? A melodia oscila demais. Ou seja: é mais um daqueles sambinhas pra esquecer. E pra irritar o ouvinte, a bateria faz uma ridícula paradinha funk. NOTA DO SAMBA: 6,5 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

10 - IMPÉRIO DA TIJUCA - Pegaram um monte de ''pagodes'' do Grupo Molejo, misturaram e fizeram esse arremedo de samba. Com certeza a pior faixa do CD. NOTA DO SAMBA: 7,0 (Cláudio Carvalho).

Perto deste sambinha horroroso, as obras(?) da Estácio e Jacarezinho neste CD são reis. Isso é pra você ver como a escola da Formiga chegou em matéria de samba no ano de 99. À mediocridade. Como a febre do "pagodismo" era descomunal, a verde e branco aproveitou para embarcar num "barco cheio de furos" e resolveu homenagear o Grupo Molejo (nada contra o grupo). O resultado é que o sambinha quase ajudou a escola a cair para o Grupo B. A letra é patética com alguns versos toscos, cheia de clichês. Fico imaginando a Velha Guarda da escola que sempre cantarolam os verdadeiros hinos da escola como "Exaltação à Portinari" de 1968, "Misticismos da Africa no Brasil" de 1971, "O Mundo de Barro do Mestre Vitalino" de 1977 ou o recente "Tijuca, Cantos, Recantos e Encantos de 1986/2007" ter que entoar pérolas do tipo "não quero saber de ti-ti-ti / nem se a bruxa está solta dentro da Sapucaí". É vergonhoso. Outro ponto negativo é a melodia genérica e que parece muito com aqueles bloquinhos de embalo da quarta-feira de cinzas. Enquanto a sua co-irmã da Tijuca abriu o CD com um sambão antológico, a Império fecha a bolacha digital com uma bosta-enredo. Sem dúvida o pior samba da escola e um dos piores de todos os tempos. NOTA DO SAMBA: 4 (Luiz Carlos Rosa). Clique aqui pra ver a letra do samba

A Unidos da Ponte também desfilou pelo Grupo de Acesso A em 1999, mas como havia sido rebaixada no ano anterior e pleiteou a permanência no Grupo A por não concordar com o regulamento, a escola não teve seu samba incluído no CD de 1999, já que, quando seu desfile no Segundo Grupo de 1999 havia sido confirmado, o CD já estava gravado. Clique aqui para ver a letra do samba