PRINCIPAL    EQUIPE    LIVRO DE VISITAS    LINKS    ARQUIVO DE ATUALIZAÇÕES    ARQUIVO DE COLUNAS    CONTATO

OS SAMBAS DE 1994

Os sambas de 1994 - Acesso A

 

A GRAVAÇÃO DO DISCO – Esse disco, produzido pela Tropical Produções Musicais (TPM), e distribuído pela Cia. Industrial de Discos (CID), conta com a participação especial de Mestre Jorjão e a bateria da Mocidade. O som ficou um tanto quanto abafado, e a prova disso é que os arranjos de violão e cavaco quase não são notados. Toda vez que coloco esse disco na vitrola, tenho de aumenta–la ao máximo, ou não consigo escutar nada. NOTA DA GRAVAÇÃO: 6,5 (Cláudio Carvalho).

A safra dos sambas enredo do Grupo A de 1994 é, no conjunto, muito fraca, assim como os intérpretes escolhidos para cantar as obras. As composições não são lá muito inspiradas, e também a qualidade técnica da gravação do disco do Grupo A deixa muito a desejar. O som dos instrumentos de base é muito baixo. A massa sonora da bateria comandada por Mestre Jorjão ressalta os sambas, mas as convenções e as paradinhas dos batuqueiros se repetem em diferentes escolas, dando a impressão que o sambas pertencem a uma escola só. A gravação é toda ela quadradinha e previsível. Em alguns momentos, como nas faixa da Santa Cruz e do Jacarezinho, o canto do coral não está sincronizado com o intérprete. Na capa, uma bela foto da legendária porta-estandarte Wilma Nascimento. NOTA DA GRAVAÇÃO: 5,5 (Rixxa Jr).

1A - Santa Cruz – O samba se destaca muito mais pela interpretação de Quinzinho do que pela letra previsível e melodia enjoativa, apesar dos bem pensados refrãos. NOTA DO SAMBA: 9,0 (Cláudio Carvalho).

Um belo samba enredo da escola da zona oeste do Rio. Melodia clássica, em tom maior caindo para menor na segunda parte. Os autores conseguiram colocar palavras como “Marrakeshi” e “shopping center” sem entortar a boca do componente. Problemas de sincronia na gravação entre o canto do puxador com o coral de apoio na segunda virada do samba. Mesmo tema já foi apresentado pela Viradouro (89) e pela Cubango no ano passado. NOTA DO SAMBA: 9,0 (Rixxa Jr)Clique aqui para ver a letra do samba

2A - Arranco – Sapucaia Oroca, lenda indígena abordada pela escola do Engenho de Dentro, não deu origem a um bom samba. A bela interpretação do Dedêco (cuja voz lembra um pouco a de Paulinho Mocidade) ajuda a salvar a faixa, mas não muda muita coisa. NOTA DO SAMBA: 8,8 (Cláudio Carvalho).

O samba “Sapucaia Oroca” é certinho, quadradinho, mas possui trechos com arroubos de marcha, principalmente no refrão do meio: canta galo, galo canta/ faz ecoar/ canta galo, galo canta/ nesta festa popular. A escola do Engenho de Dentro enfrentou uma crise de ausência de bons sambas a partir de 93. NOTA DO SAMBA: 8,5 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

3A - Unidos do Cabuçu – Esse é mais um caso de bom intérprete e samba ruim, só que aqui isso fica mais nítido. O enredo (Brajiru, meu Japão Brasileiro) fala da influência japonesa em nossa cultura, e como pode ser visto aqui, não deu samba. O samba não empolga, e a letra é meio sem pé nem cabeça. NOTA DO SAMBA: 8,6 (Cláudio Carvalho).

Esse samba foi pioneiro em muita coisa que vemos nas obras de carnaval hoje em dia. A composição parece uma colcha de retalhos: melodia pesada, letra longa e difícil de decorar – com muitas palavras do vocabulário japonês –, além de mudanças de tom entre as estrofes. A Cabuçu investiu pesado em 1994 para retornar ao Grupo Especial, contratando, inclusive, Ciganerey para defender o samba. No entanto, a mistura de “saquê com samba” deve ter feito mal aos cabuçuenses. NOTA DO SAMBA: 8,0 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

4A - Independentes do Cordovil – "...A luz (oi eu disse a luz) que ilumina...’’. Não! Não é "Vira Virou, a Mocidade chegou’’, mas sim "O Garotinho de Campos vem aí, sacudindo a Sapucaí’’ homenagem da escola da Cidade Alta a um dos políticos mais influentes do Rio de Janeiro. Em que pese o provável plágio (não caio nessa de que apenas a partir de um certo número de versos idênticos considera–se cópia), o samba não chega a ser ruim, embora um tanto quanto piegas e grande demais. NOTA DO SAMBA: 8,9 (Cláudio Carvalho).

Um samba-panfleto que a finada Independentes de Cordovil fez para enaltecer o então ex-prefeito de Campos, o radialista e político Anthony Garotinho. É curioso ouvir este samba, composto anos antes de Gartotinho pensar em se candidatar-se a governador do Rio e a presidente da República. Em determinado verso, a escola canta “em sua prioridade, saúde e educação/ trabalhou pela cidade com muita disposição/ ele fez reforma agrária, pro homem do campo plantar/ e sua finalidade é fazer o povo feliz”. Em outro momento o samba diz que Garotinho “veio para a capital com sua amada...”. A “amada” em questão é a futura governadora Rosinha Matheus. NOTA DO SAMBA: 8,0 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

5A - Império da Tijuca  - Além da melodia ser fraca, não teve uma boa interpretação do Edson Bombeiro. A letra não é das piores, mas também não chega a empolgar. É um hino muito certinho, cheio de rimas previsíveis, que não chama pra sambar. O enredo foi uma homenagem de Miguel Falabella (ator global e então carnavalesco da escola) ao dramaturgo Nélson Rodrigues. NOTA DO SAMBA: 8,8 (Cláudio Carvalho).

À primeira audição, o ouvinte pode ser enganar e achar que é Neguinho da Beija-Flor quem está puxando a Império da Tijuca. A dúvida é desfeita ao olhar o selo do disco e ver o nome de Edson Bombeiro. “Nelson Rodrigues, um beijo na Sapucaí” foi o primeiro enredo sobre o jornalista por uma escola tijucana. Anos depois, a Unidos da Tijuca refez a homenagem com muito mais inspiração. O samba não tem um clímax, com dois refrões muito fracos. O momento cômico é ouvir o puxador Edson Bombeiro gritar “vâmu Nelson”. NOTA DO SAMBA: 7,8 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

6A - Cubango – Esse samba faz parte dos primeiros passos de Wantuir como intérprete oficial de uma escola, após ser lançado no mundo do samba por Dominguinhos (de cuja banda fazia parte) como segunda voz da Estácio. Nesse hino, a escola de Niterói conta um pouco de sua história, com uma letra que emociona não só aos seus componentes, mas aos amantes do samba em geral. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Cláudio Carvalho).

“Ao mestre com carinho” é uma celebração da escola niteroiense ao carnavalesco Fernando Pamplona que, curiosamente, não estava na Sapucaí para ver a homenagem. No momento em que a verde e branco do Morro do Abacaxi pisava na avenida, o salgueirense estava participando da transmissão da Rede Manchete dos desfiles das escolas de Manaus. Um samba inspirado com uma bela interpretação de Wantuir. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

7A - Engenho de Rainha – Samba cuja melodia lembra a dos hinos das década de 70. Os verbos ‘’cantar’’, ‘’ter’’ e ‘’girar’’ são repetidos de forma excessiva ao longo da letra, cheia de lugares comuns. De interessante, a participação especial de Carlinhos de Pilares (um dos autores), fazendo cacos e abrilhantando a faixa. NOTA DO SAMBA: 9,0 (Cláudio Carvalho).

Um samba de animação, feito para agitar tanto o componente quanto o público nas arquibancadas. Na ausência de Ciganerey, cedido para a Unidos do Cabuçu, o puxador Antônio Carlos não comprometeu. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Rixxa Jr)Clique aqui para ver a letra do samba

1B - São Clemente – Samba de letra fácil, cheia de versos que ‘’mexem com os brios’’ dos componentes. A melodia valente lhe faz boa companhia, e o sucesso da São Clemente no desfile pode ser explicado a partir daí. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Cláudio Carvalho).

Um samba rápido, cheio de ditos populares e citações, que fez um belo efeito na Sapucaí. Na interpretação, Vaguinho mostra que faz falta ao carnaval do Rio de Janeiro. NOTA DO SAMBA: 9,0 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

2B - Villa Rica – Uma bela homenagem da escola ao bairro que lhe seve de sede. Copacabana sempre deu samba, e dessa vez também não foi diferente. O refrão ‘’Odoiê Odoiê Odoiá’’’, embora seja uma clara alusão a tradicional festa de reveillon no bairro, me parece fora de contexto. NOTA DO SAMBA: 9,1 (Cláudio Carvalho).

A emergente Unidos de Villa Rica fez uma declaração de amor ao bairro onde está a sua sede (Copacabana) e gerou um samba alegre e bem bolado, descrevendo o cotidiano da região. No refrão “oi dendeca faceira/ que vai pra lá vem pra cá/ que faz da noite seu dia/ neste seu balançar”, os compositores foram felizes ao abordarem a prostituição de rua numa forma lírica e não-apelativa. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

3B - Jacarezinho – É mais um samba que fala de Oxumaré, o orixá do arco–íris, e diga–se de passagem, com propriedade. Embora um pouco grande, esse hino descreve bem a lenda e ainda por cima faz alusão a escola, convocando a comunidade a dizer no pé. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Cláudio Carvalho).

Bonito samba, bem suingado, mantendo a tradição do Jacaré de apresentar belos hinos. O puxador Carvalhaes tem o timbre vocal muito parecido com o do habitual intérprete do Jacarezinho Eliezer Rodrigues. NOTA DO SAMBA: 9,3 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

4B - Rocinha – Samba de letra e melodia pobres. Desses que cai no esquecimento logo após o desfile. Tem que rir pra não chorar. NOTA DO SAMBA: 8,4 (Cláudio Carvalho).

O samba não empolga muito, mas a escola fez um desfile digno de campeã. Ao falar sobre o humor na mídia, a composição esbarra num trecho controverso: “Na mídia a mensagem é recebida/ e alegremente distorcida...”. NOTA DO SAMBA: 7,5 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

5B - Leão de Nova Iguaçu – Pixulé empresta seu talento para esse hino ‘’mais do mesmo’’. Os pilares do enredo (França Tropical e Orfeu do Carnaval’) já foram explorados de diversas formas por outras escolas, e o resultado só poderia ser esse. NOTA DO SAMBA: 8,7 (Cláudio Carvalho).

Pixulé assumiu o microfone com este samba que retrata a influência da cultura francesa no Brasil. Samba mediano. NOTA DO SAMBA: 7,7 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

6B - Unidos de Lucas – "É fantástico, mas é verdade’’. Acredite, se quiser!!! Além desse verso esquisito, esse samba traz outros que denotam pouca inspiração (‘’Pierrô e colombina/Cada rua um poema’’), além de uma melodia fraca. Conservatória, a Cidade Serenata, ficou mal na fita. NOTA DO SAMBA: 8,5 (Cláudio Carvalho).

O samba começa num tom muito baixo para a voz do intérprete Gordinho – quem? –: “a lua vem clarear, clarear, ô”. Para homenagear a cidade fluminense de Conservatória, a Unidos de Lucas escolheu um samba linear, sem a devida explosão, apesar de ter, entre os autores, o craque Luiz de Lima (bicampeão do Estandarte de Ouro do Grupo A em 82, com “Lua viajante”, e em 83, com “Senta que o leão é manso”). Burocrático, mas o balanço da bateria segura a faixa. NOTA DO SAMBA: 8,0 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

7B - Lins Imperial  - Samba que, apesar de alguns versos repetitivos, descreve bem o que era o antigo carnaval de rua. Tá certo que já foi feita uma centena de sambas nesse estilo, mas nunca é demais lembrar tempos idos, que sempre deixam saudade. NOTA DO SAMBA: 9,2 (Cláudio Carvalho).

Com este “Os magos da oitava maravilha”, a Lins volta ao tema que apresentou em 1989, “Gênios da ilusão”, falando sobre os operários da folia e a origem pagã do carnaval. O teor da letra lembra muito a “Festa profana” nos versos “tem confete e serpentina/ pierrô e colombina/ já no baile de Veneza/ felicidade amor e alegria/ tomar um porre com deus Baco na folia/ joga água nessa gente que só quer se divertir.NOTA DO SAMBA: 8,2 (Rixxa Jr). Clique aqui para ver a letra do samba

OBS: No disco não foram incluídas as faixas de Arrastão de Cascadura e dos Canários das Laranjeiras, que também desfilaram no Grupo de Acesso A em 1994. Curiosamente, os Canários levaram o Estandarte de Ouro de melhor samba do Acesso, o que representa um desfalque incrível para o disco.